Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 28 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

tecnologia@dgabc.com.br | 4435-8301

O que podemos aprender com o caso Pegasus?

 Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Da Redação
Do 33Giga

03/08/2021 | 12:18


*Por Eduardo Tardelli, que fala sobre o caso Pegasus

Nos últimos dias, fomos impactados por notícias sobre o que promete ser o escândalo de espionagem da década. O caso Pegasus aponta que 50 mil pessoas foram possíveis alvos de espionagem pelos clientes de uma empresa israelense desde 2016, de acordo com informações obtidas pela Anistia Internacional e pela Forbidden Stories.

Leia mais:
Veja dicas para tirar lindas fotos dentro de casa
Conheça a trajetória e as promessas da fotografia digital
5 apps de edição de fotos queridinhos dos influenciadores

Compartilhada com um consórcio de 17 veículos de imprensa, a história chamou atenção por se tratar de um spyware capaz se infiltrar em smartphones extraindo dados pessoais e controlando secretamente microfones e câmeras do aparelho. Tudo isso a partir do clique zero – basicamente não há como o usuário impedir que o malware invada o celular.

Quer ficar por dentro do mundo da tecnologia e ainda baixar gratuitamente nosso e-book Manual de Segurança na Internet? Clique aqui e assine a newsletter do 33Giga

E ninguém está seguro de ter seus dados roubados. De acordo com o jornal Le Monde, o presidente francês Emmanuel Macron foi um dos um dos alvos do Pegasus, assim como o rei do Marrocos, o primeiro-ministro do Paquistão e mais 180 jornalistas do mundo todo.

Talvez nunca saibamos quem realmente foi espionado pelo Pegasus. Afinal a empresa israelense afirmou não divulgar o nome dos seus clientes, mas é de conhecimento de todos que há o apoio do governo de Israel

No caso Pegasus, a empresa alega vender sua tecnologia apenas para governos aprovados por Israel. A intenção é acabar com o terrorismo e outros tipos de redes criminosas.

Se você tem alguma dúvida sobre tecnologia, escreva para  e suas questões podem ser respondidas

Caso Pegasus e LGPD

A situação só deixa em evidência o quanto a proteção de dados e o direito à privacidade desses dados é algo frágil ao redor do globo. No Brasil, a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) está em vigor desde 2020, no entanto, a partir de 1º de agosto deste ano, empresas privadas e órgãos públicos que não garantirem a proteção dos dados que possuem, serão punidas.

Segundo a PSafe, empresa de cyber segurança, 4,6 bilhões de dados foram vazados apenas em 2021. A estimativa é que até o final do ano o número ultrapasse os 10 bilhões. As consequências do vazamento de dados e o uso indevido destes são completamente imprevisíveis.

Empresas de big data enfrentam um grande desafio para garantir segurança de dados e estarem em sinergia com a LGPD. O caminho é sempre garantir que o uso dos dados será inofensivo e seguro.

O futuro do uso de informações ainda é incerto. Isso permite insegurança de consumidores, com toda razão.

Há um grande paradoxo que envolve o assunto: o fornecimento de dados personaliza toda nossa experiência de compra, consumo de entretenimento e facilita nossa interação com conteúdos compatíveis com a nossa realidade. Mas essa facilidade não vem de graça.

Tudo isso é feito para que fiquemos cada vez mais conectados e, com o nosso consentimento, todos esses dados fornecidos têm um caminho ainda incerto, sem a garantia de que serão usados com ética ou até mesmo se haverá punição caso sejamos violados.

*Eduardo Tardelli é CEO da upLexis, empresa de software que desenvolve soluções de busca e estruturação de informações extraídas de grandes volumes de dados (Big Data) da internet e outras bases de conhecimento.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;