Memória
Memória
Memória
Ipiranguinha. Bairro urbano. O primeiro de Santo André. A caminho da estação... ...e com tanta história!

Recordações Vanderlei Retondo No Parque Antonio Flaquer, também conhecido como Parque da Ipiranguinha ou simplesmente Jardim Tamoio, defronte ao estádio do Corinthians de Santo André, foi inaugurada uma estátua em homenagem a ele, o rei do futebol, nosso inesquecível e saudoso Pelé. Naquele longínquo 7 de setembro de 1956, num jogo amistoso promovido pela Prefeitura andreense entre o Santos e o time da casa, que tinha como “golkiper” o [Leia mais]

12/07/2024 08:00
Notícias mais recentes |
Memória
A cidade aos pés. Da capela da Santa Casa. Do Tamanduateí. Que nasce numa gruta... ...e segue em direção ao mar.

“Nos poemas reunidos no volume “Cidade Cativa” (Alpharrabio Edições, 2023), escritos nas últimas duas décadas, Deise não apenas vê, mas sente, pensa e faz pensar acerca dos marcos-referência de sua cidade, Mauá, no chamado Grande ABC”. Dalila Teles Veras, nossa poeta maior. NOTA – A Alpharrabio de Dalila tem produzido obras maravilhosas. Infelizmente, poucas chegam até está página. Daí os nossos agradecimentos em dobro à Deise Assumpção, que [Leia mais]

11/07/2024 08:00
Memória
Reparem nestes nomes. São de alunos brasileiros. Mas que remetem à Itália. Herança de avós e bisavós...

São os alunos da Irmã Jacinta. Alunos e alunas do terceiro ano primário do Colégio São José, de São Bernardo, o chamado Colégio das Irmãs. Estamos na primeira metade da década de 1950. O trabalho feito pelo amigo Fulvio nos faz lembrar outro são-bernardense, de uma geração mais antiga que a nossa, autor de dois livros maravilhosos sobre a história de São Bernardo. Attilio Pessotti, o historiador, diante de uma foto como esta, ia a campo para [Leia mais]

10/07/2024 08:00
Memória
Nove de Julho Data foi mais lembrada. Recorda a Revolução de 32. E ganha uma exposição.

O feriado paulista de 9 de julho é a data máxima da Revolução Constitucionalista de 1932. Marca uma guerra civil, quando São Paulo foi à luta em defesa de uma Constituição Federal – naquele tempo, na primeira fase do regime getulista, o Brasil não possuía sua lei magna. São Paulo, Capital, perpetua o 9 de Julho em monumentos como o mausoléu do Parque do Ibirapuera, e em vias públicas como a Avenida 9 de Julho. São Bernardo, na gestão do [Leia mais]

09/07/2024 08:00
Memória
GRANDE ABC Formação política Setecidades reunidas Um projeto em elaboração No ar, uma hora e 29 minutos

Sexta-feira, 19 de abril de 2024. Naquela sexta-feira, 30 historiadores do Grande ABC, cidade a cidade, mais a direção de Redação do Diário, equipe técnica, Banco de Dados, Administração e Redação, se reuniram no Salão Nobre do jornal. Todo o encontro foi gravado e resultou em nove episódios, que hoje podem ser assistidos nas várias plataformas digitais do Diário do Grande ABC. Nesta finalização, reunimos os nove episódios, na esperança [Leia mais]

08/07/2024 08:00
Memória
Memorialistas reunidos. Em São Caetano. Numa Academia. Avança trabalho conjunto.

Foi o segundo encontro o realizado em 28 de junho na Academia de Letras da Grande São Paulo, no edifício da Fundação Pró-Memória – o encontro anterior foi realizado no Salão Nobre do Diário do Grande ABC. Seis, das sete cidades, reunidas – a ausência foi Diadema. O GAMA – Grupo dos Amigos do Movimento Autonomista – repassou aos presentes detalhes da sua história e formação. Vale relembrar: o movimento autonomista vencedor em São Caetano teve [Leia mais]

07/07/2024 08:00
Memória
Santa Maria Goretti. A santa do dia. Padroeira de Utinga. Obra do bispo Rolim.

O bispo dirige-se à multidão. - Qual será a padroeira da nova paróquia, ou padroeiro? O povo responde: - Nossa Senhora da Paz, Nossa Senhora das Graça, São Judas Tadeu... Ao que o religioso sentencia: - Vamos dar a nova paróquia à padroeira Santa Maria Goretti, protetora das crianças e da juventude. Será a primeira paróquia das Américas a ela dedicada. NASCE UMA PARÓQUIA Em 7 de dezembro de 1952, o ‘Estadão’ [Leia mais]

06/07/2024 08:00
Memória
A nova arquitetura. Gerada nos bancos escolares. Voltada a espaços andreenses. Capuava e Casa Branca. O Parque Central.

“Eu faço yoga no Parque Central”. Professora Rosangela Esta página do Diário viveu momentos diferenciados no último sábado, ao assistir a defesa de monografias idealizadas por alunos da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, uma das unidades de ensino que ocupam o histórico Sítio Tangará, no coração-triângulo do Grande ABC. “Mediateca, um espaço de pesquisa e lazer em Capuava”, por Rebeca de Melo Araújo. “Do concreto ao verde, os [Leia mais]

05/07/2024 08:00
Memória
Testemunho. A Santo André de cada um. Histórias construídas. Lembranças que ficaram. Passagens buscadas na memória...

“Se for sobre a conquista do título brasileiro pelo Santo André eu estava neste dia em Brusque (SC) num encontro Nacional da Brusinox (indústria), e no hotel lotado era o único andreense”. Cláudio Barberini Camargo, em mensagem enviada à Memória a propósito da série sobre a conquista do Ramalhão em 2004, campeão do Brasil. Holando Lacorte escreveu “Memórias de um Andreense” (Editora Soma, 1985); Waldomiro de Sá é autor de “A minha história de [Leia mais]

04/07/2024 08:00
Memória
O futuro do Ramalhão. A SAF pode ser um caminho. Mas o futebol raiz... ...o futebol como o torcedor quer... ...a saída é a formação da base.

O que é SAF? SAF é a sigla de Sociedade Anônima de Futebol, caminho seguido por clubes como Bahia, Botafogo, Cruzeiro, Cuiabá, Red Bull Bragantino e Vasco da Gama, conforme lei aprovada em 2021 no Congresso Nacional e sancionada pelo então presidente Jair Bolsonaro. A lei regulamenta a permissão para que os clubes se tornem empresas. Em busca do amor da cidade Depoimento: Celso Luiz de Almeida O Esporte Clube Santo André, naquele instante [Leia mais]

03/07/2024 08:00
Memória
Exercício do futebol. Os campeões se espalham. Levam suas histórias pelo Brasil. Não esquecem o Ramalhão. “Pessoal, ‘tou’ indo embora, hein!”

Rafael. O mais novo da turma. Nascido em 1985. Está bem, no Serrado. Dedimar, o capitão, o único que jogou as 11 partidas na campanha de 2004 pela Copa do Brasil. Dirige escolinha de futebol em Salvador. Alex, zagueiro. Vive em Santa Catarina. Gabriel. Auxiliar-técnico no Hercílio Luz, líder da Série B do campeonato catarinense. Celinho. Auxiliar-técnico no Flamengo, de Guarulhos. Diego. Permanece em Santo André. Trabalha em [Leia mais]

02/07/2024 08:00
Memória
Eles foram monstros. Vestiram a camisa do Ramalhão. E a camisa da cidade. Conquistaram um título inédito. E hoje, onde estão todos eles?

O DGABC-TV desta semana entrevista dois protagonistas da campanha ramalhinha de 2004, numa conexão internacional: de Santo André a Jaú, de Jaú aos Estados Unidos. “O que aconteceu em 2014 foi uma coisa extraordinária. Remontamos o time várias vezes e o título veio graças a uma base muito forte”, relembrou Celso Luiz. “Fomos campeões da Taça São Paulo de Futebol Junior, campeões da Copa Paulista, fizemos um Campeonato Paulista excelente e [Leia mais]

01/07/2024 08:00
Memória
Jogo 11. Flamengo 0, Santo André 2. Um novo campeão. Ele veio do Grande ABC. E fez história no ‘maior do mundo’.

“Presidente Jairo, que o jogo desta noite seja gravado e se transforme no mais lindo documento da vida do Esporte Clube Santo André – e que a vitória diante do Flamengo seja oferecida aos esportistas de hoje e de todos os tempos da velha Santo André”. Diário, página Memória, 30 de junho de 2004 – e não é que a gente tinha certeza da vitória do Ramalhão!!! E com que emoção essas palavras foram escritas na capa do Diário do Grande ABC da [Leia mais]

30/06/2024 08:00
Memória
Jogo 10. Santo André 2, Flamengo 2. O Ramalhão saiu perdendo. Virou o jogo... E cede empate aos 38 do 2º tempo.

Foram duas manchetes rasgando a capa do Diário em dois dias seguidos: Quarta-feira, 23 de junho de 2004: Ramalhão joga pela vitória. Quinta-feira, 24 de junho de 2004: Ramalhão deixa escapar vitória. A cada dia, uma mensagem de estímulo: Faltam cinco dias, vamos lotar o Parque Antarctica. No dia do jogo, o presidente Jair Livolis declarava não acreditar em manobras contra o seu Santo André: “Todos os cantos do universo receberão as [Leia mais]

29/06/2024 08:00
Memória
Jogo 9. 15-RS 1, Santo André 3. Mais um ‘jogo da vida’. Frio de 6 graus em Porto Alegre. Calor e emoção em Santo André.

Caixinha de surpresas “É, verdadeiramente, uma verdadeira caixinha de surpresas. De repente, o Santo André, com investimento infinitamente menor que o São Caetano, pode conquistar um título muito mais expressivo que seu primo rico”. Nilton Valentim, Confidencial, 15-6-2004. Enviado especial do Diário a Porto Alegre, Divanei Guazzelli entende que a arrancada definitiva do Santo André em direção ao título da Copa do Brasil 2004 teve a [Leia mais]

28/06/2024 08:00
Memória
Jogo 8. Santo André 3, 15-RS 4. Poderia ter sido pior. O Ramalhão perdia por 4 a 1. Reagiu. A virada ficaria para o Sul...

A manchete do Diário desta primeira semifinal: “Ramalhão entra em pane e prova do próprio veneno”. Que veneno? O jogo aéreo. O 15 de Novembro, do Rio Grande do Sul, venceu por 4 a 3 marcando gols de cabeça, como o fizera o Santo André em jogos anteriores, em especial frente ao Palmeiras. De qualquer modo, a reação ramalhinha no Pacaembu, encostando no placar, manteve viva a esperança de retornar classificado de Porto Alegre, uma semana [Leia mais]

27/06/2024 08:00
Memória
Jogo 7. Palmeiras 4, Santo André 4. Sandro Gaúcho, o matador. Mas a noite foi de Tássio. 20 de maio de 2004... ...para nunca mais esquecer!

Tássio fez o quarto gol do Santo André naquela noite maravilhosa – para os andreenses – no histórico Parque Antarctica. O gol da classificação diante de um time que tinha São Marcos e Vagner Love. Emoção? Alegria? Desabafo? Tudo isso contribuiu para o choro compulsivo de Tássio Lopes Ferreira, que no dia anterior – 19 de maio de 2004 – completara 22 anos de idade. Mas o motivo maior das lágrimas foi outro, confessado pelo próprio Tássio ao ser [Leia mais]

26/06/2024 08:00
Memória
Jogo 6. Santo André 3, Palmeiras 3. Dez anos depois... ...o retorno do Verdão ao Brunão. E que partida empolgante foi aquela!

Histórico e, de fato, empolgante. No gol do Palmeiras, São Marcos; no banco do Ramalhão, Péricles Chamusca, o novo técnico. Escrevia Divanei Guazzelli, na coluna Confidencial: Uma mudança de foco com o novo treinador. Com apenas 38 anos, Chamusca, integrante de uma novíssima geração de técnicos. Ferreira deu ao Santo André três dos seus principais momentos da história de 37 anos: 1 - A volta à divisão principal paulista em [Leia mais]

25/06/2024 08:00
Memória
Jogo 5. Santo André 0, Guarani 0. O Ramalhão chega às quartas-de-final. Perde meio time. E dá adeus ao técnico Ferreira.

Sandro Gaúcho reestreou no Santo André na segunda partida frente ao Guarani. Aos 34 anos, ele havia participado da campanha de acesso à primeira divisão paulista em 2001, quando marcou oito gols em 11 partidas. O jogo da volta com o Guarani foi tenso. Por vários motivos: 1 - Às vésperas da partida, os comentários gerais eram os de que o técnico Luiz Carlos Ferreira estava a caminho do Sport Recife, notícia confirmada na madrugada seguinte a do [Leia mais]

24/06/2024 08:00
Memória
Jogo 4. Guarani 1, Santo André 1. Aquele gol de Dedimar. O Bugre pressiona. Viola perde pênalti.

Escreveu Divanei Guazzeli, enviado especial do Diário ao Estádio Brinco de Ouro: “O Santo André suportou com determinação o empate, procurou sair para os contragolpes e o resultado foi ainda mais expressivo pelo fato de ter atuado sem cinco titulares, que deixaram o clube após as partidas com o Atlético Mineiro”. O jogo de ida, em Campinas, foi em 14 de abril de 2004; o da volta com o Guarani, em casa, seria apenas em 5 de maio. Neste meio [Leia mais]

23/06/2024 08:00
Memória
Jogo 3. Atlético-MG 2, Santo André 0. Mineirão, mais de 32 mil pessoas. E o Ramalhão administra derrota. O Galo está fora...

Escreveu Nilton Valentim, enviado especial do Diário a Belo Horizonte: “O Santo André nunca foi tão inteligente e tão frio como na partida de ontem à noite (7-4-2004) contra o Atlético-MG. Enfrentou a pressão de mais de 30 mil torcedores, perdeu de 2 a 0, mas mesmo assim está classificado para a terceira fase (oitavas-de-final)”. No Mineirão, o Santo André jogou desfalcado, sem o volante Cleber Gaúcho (que retornou ao Criciúma), sem o meia-atacante [Leia mais]

22/06/2024 08:00
Memória
Jogo 2. Santo André 3, Atlético-MG 0. Dedimar promete vitória... ...e marca um golaço.

Foram dez dias de preparação, três dos quais em Jarinu. “Mais um galo tenta atrapalhar a vida do Santo André”, escrevia o Diário na apresentação do segundo jogo do Ramalhão pela Copa do Brasil 2004. Em 2003, o galo ituano subiu à Série B do Brasileiro como líder da Terceirona. Santo André ficou em segundo. Melhor que na Copa Estado de São Paulo as coisas se inverteram o Santo André conquistou o título em cima do Galo de Itu. Entrevistado pelo [Leia mais]

21/06/2024 08:00
Memória
Jogo 1. Novo Horizonte 0, Santo André 5. O nome dele é Makanaki. 64 clubes, um Ramalhão. Sai Tite, entra Muricy...

E a história passava pela conquista do vice-campeonato brasileiro da Série C de 2003, com acesso para a Série B. Na apresentação do primeiro jogo do Santo André pela Copa do Brasil 2004, o jornalista Divanei Guazzelli citava a escalação de Makanaki no ataque, revelação da equipe sub-20 na Copa São Paulo de Futebol Junior. O jovem valor atuaria ao lado de Jean Carlos e Fumagalli. E foi justamente o menino Makanaki que abriu a contagem no [Leia mais]

20/06/2024 08:00
Memória
Dois mil e quatro. Ramalhão obtêm viradas impossíveis. Azulão é o novo campeão paulista. O ápice estava perto... ...e tinha as cores andreenses.

E 20 anos se passaram. 18 de junho de 2004, uma sexta-feira. Na quarta-feira seguinte, acreditem!, o Esporte Clube Santo André enfrentaria no Parque Antarctica o poderoso Clube de Regatas Flamengo na primeira partida da final do Campeonato Brasileiro. “Para os leigos, Santo André e São Caetano são considerados times pequenos. Mas os resultados comprovam o contrário”, escrevia o jornalista Anderson Rodrigues na coluna “Confidencial” do Diário [Leia mais]

19/06/2024 08:00
Memória
Servílio de Oliveira. Ele nunca beijou a lona. Campeão de boxe e medalhista olímpico. Uma história ligada ao Grande ABC. Cidadão de Santo André e Mauá.

Servílio de Oliveira é um desses campeões que jamais se acomodou. Enquanto lutou, conquistou vitórias. Quando não pode lutar, permaneceu no boxe, primeiro como braço direito do treinador Antonio Angelo Carollo, da Pirelli, depois como técnico e manager da AD São Caetano, o Azulão. Estudioso, formou-se em bacharel em Direito pela USCS – Universidade São Caetano do Sul. “O esporte educa, disciplina, salva vidas”, declarou Servílio ao programa “Memória [Leia mais]

18/06/2024 08:00

;