Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 22 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Turismo

turismo@dgabc.com.br | 4435-8367

Na vizinhança



03/06/2010 | 07:00


A Copa do Mundo será na África do Sul, mas o evento movimenta praticamente todos os países da parte Sul do continente. Várias iniciativas foram tomadas nos últimos meses pelos governos dos integrantes da Comunidade para o Desenvolvimento da África Austral por causa do Mundial de Futebol.

A SADC (sigla em inglês para Southern Africa Development Coordination Conference) inclui, além do país-sede da Copa, Angola, Botsuana, República Democrática do Congo, Lesoto, Madagascar, Malaui, Maurício, Moçambique, Namíbia, Suazilândia, Tanzânia, Zâmbia e Zimbábue.

Nesta semana, chefes de polícia de 13 dos 14 países da SADC (Madagascar não participou) criaram uma força-tarefa para atuar durante a Copa. O foco é fortalecer a fiscalização das fronteiras e reforçar o corpo da guarda sul-africana com policiais dos demais países. As grandes preocupações são o deslocamento de bandidos, atraídos pelos turistas que devem ir para o Mundial, e o tráfico de pessoas.

No início do mês, o governo de Moçambique lançou a campanha Bassopa Moçambique (‘Cuidado, Moçambique' em changana, a língua nativa mais falada no Sul do país). O objetivo é alertar as famílias para a possibilidade de tráfico de seres humanos, especialmente de mulheres e crianças. E evitar o aliciamento delas pelas redes de prostituição e para trabalho barato ou ilegal na África do Sul.

Mas a Copa no país vizinho não traz só preocupações para esse grupo. Dia 28, terminou o curso de capacitação para taxistas na capital moçambicana, Maputo. Eles aprenderam noções básicas de inglês e de como tratar os turista que, esperam eles, virão da África do Sul.

Maputo fica a cerca de 550 quilômetros de Joanesburgo por boa estrada. O trajeto é vencido em cerca de seis horas, contando o trâmite para cruzar a fronteira. Três companhias aéreas fazem o percurso Joanesburgo-Maputo, de 45 minutos, que custa cerca de R$ 500 o trecho.

O Instituto Nacional de Turismo de Moçambique apostou na Copa como chamariz. Aglutinou operadores locais e sul-africanos para conseguir preços melhores de hotéis, traslados e serviços. Os pacotes incluem a oferta de visitas a Maputo, aos parques de safári próximos (alguns a menos de 100 quilômetros) e às belíssimas praias de Vilanculo, no centro do país, e de Pemba, ao Norte. Mas o novo terminal do aeroporto de Maputo, ainda em construção, não ficará pronto a tempo.

Até a estatal de energia elétrica moçambicana lucrou com a Copa na África do Sul. A EDM (Electricidade de Moçambique) vai alocar quota adicional de 50 megawatts ao vizinho entre 11 de junho e 11 de julho.

Na última reunião da Souther African Power Pull - grupo que congrega as empresas de eletricidade da SADC - foi anunciado que todas se comprometeram a usar suas redes de produção, transporte de energia e competência técnica para apoiar a África do Sul caso seja necessário.

Dicas Importantes

No aeroporto, saiba que, se você aceitar ajuda de algum funcionário, é melhor ter trocado para gorjeta. Até 10 randes (R$ 2,70) está de bom tamanho.

O maior erro de um turista é não ir à Table Mountain. Vá, de preferência a pé, e desça de cable car (bondinho).

Antes de chegar à África tenha randes em espécie e, de preferência, adquira um cartão de débito internacional (oferecido por companhias como a Confidence), além de seu cartão de crédito convencional. As leitoras de cartão nem sempre funcionam bem por aqui. É bom se prevenir para evitar problemas.

Se tem pouco tempo pra ficar na cidade, não deixe de fazer o tour com o red bus. Pagando 120 randes (cerca de R$ 32), você faz um passeio geral vendo de tudo um pouco, com 17 pontos de parada, como Waterfront, Table Mountain, Centro, Camps Bay e Clifton. Você pode parar a qualquer momento e pegar o próximo ônibus - que passa de 20 em 20 minutos - sem pagar nada.

Não estranhe se ouvir ou ver escrito no recibo de um restaurante um ‘obrigado'. Os sul-africanos adoram brasileiros - sempre em peso, sobretudo os estudantes de inglês - e fazem questão de recebê-los bem, mesmo que com uma referência clichê como Pelé e Rio de Janeiro. Para retribuir a atenção, diga sharp sharp para aquilo que achar muito bom e se esforce em aprender algumas expressões locais. Molo, por exemplo, é ‘oi' em xhosa (a língua do Nelson Mandela). Dankie é obrigado em africâner.

Principal referência turística da Cidade do Cabo, a V & A Waterfront merece ao menos uma tarde inteira. Além de poder almoçar em bons restaurantes, como o Ocean Basket - com peixes deliciosos -, e conhecer as muitas lojas, você terá contato com algumas das manifestações artísticas sul-africanas. Apresentam-se regularmente lá grupos de jazz, rock e folclore - estes últimos são formados geralmente por pelo menos dez pessoas e cantam temas sul-africanos à capela (sem acompanhamento instrumental) ou com instrumentos de percussão. É de arrepiar.

O centro da Cidade do Cabo é muito movimentado e, como em uma grande cidade, merece atenção. O trânsito em alguns pontos chega a ser complicado, especialmente para pedestres. O cuidado com a segurança pessoal, por aqui, é a mesma que se deve ter quando se visita qualquer cidade turística brasileira.

Se você quiser fazer um safári, existem muitas empresas de turismo que propõem trajetos a parques espalhados por todo o País. O mais conhecido é o Krueger, que está bem longe da Cidade do Cabo, em Nelspruit - uma das cidades-sede da Copa do Mundo 2010. Mas por aqui, a nova mania entre os turistas é fazer safáris menos turísticos em países vizinhos, como a Namíbia.

Para entrar na África do Sul, o turista brasileiro não precisa de visto se for permanecer por até três meses. Recomendação é estar com o passaporte em dia e retirar o certificado internacional de vacina contra febre amarela na Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitário), que conta com unidade no Aeroporto de Guarulhos.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;