Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 16 de Agosto

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Muçulmanos dos subúrbios dão vantagem a Macron no segundo turno

Reprodução/TV Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Eleição à presidência da França será decidida entre ele e a 'detestada' Marine Le Pen



24/04/2022 | 08:00


Com previsão de alta abstenção - cerca de 30% -, o segundo turno deste domingo, 24, da eleição presidencial francesa, entre Emmanuel Macron e Marine Le Pen, será decidido, segundo analistas, pelos eleitores do esquerdista Jean-Luc Mélenchon, terceiro colocado no primeiro turno, com 21,95% dos votos. Uma das cidades que votou em massa em Mélenchon foi Saint-Denis, subúrbio de Paris, majoritariamente muçulmana onde a rejeição a Le Pen é grande.

Em Saint-Denis, onde mais da metade da população é islâmica, Mélenchon teve 61% dos votos. Segundo pesquisa do Ifop para o jornal católico La Croix, Mélenchon teve 69% dos votos entre os muçulmanos - apenas 14% votaram em Macron e 7%, em Le Pen.

Le Pen é detestada pelos muçulmanos em razão de sua retórica anti-imigrante. Durante a campanha, ela prometeu banir o véu islâmico em espaços públicos, ou seja, em ruas, praças, parques e centros comerciais - o véu já é proibido em colégios, desde 2004, e em repartições públicas, desde 2010.

Para Lamyae, de 37 anos, eleitora de Mélenchon, Le Pen leva longe demais a retórica anti-Islã. "Eu uso o véu por escolha e terei de votar em Macron para impedir esta atrocidade", disse Lamyae.

"Isso vai de encontro às liberdades individuais já conquistadas pelas mulheres. É um passo atrás. O véu é signo de emancipação da mulher muçulmana. Ela quer que fiquemos em casa? Não vamos ficar. Se ela for eleita, vamos fazer um grande movimento, mesmo correndo o risco de multas e prisões", disse Sephora, de 37 anos, auxiliar administrativa, que tira o véu para entrar na escola do filho ou trabalhar. Ela também é eleitora de Mélenchon.

Sephora confirma que, na véspera do primeiro turno, alguns imãs pediram voto em Mélenchon. "Em geral, eles não se misturam com política. Mas, desta vez, o perigo estava muito perto. Infelizmente, Mélenchon não foi para o segundo turno e agora temos de fazer esta escolha absurda (entre Macron e Le Pen)", lamenta.

Abstenção

Como evidência da importância de Saint-Denis, a cidade foi o local escolhido por Macron para fazer campanha na reta final - Le Pen preferiu viajar para o norte, para perto dos caminhoneiros. Durante o debate, o presidente disse que proposta de banir o véu islâmico provocaria uma "guerra civil" na França.

Mesmo se dizendo "horrorizadas" com Le Pen, as amigas Stéphanie, de 25 anos, Sarah, de 33, e Ouiza, de 41, que votaram em Mélenchon e vivem em Saint-Denis, ainda não sabem em quem votar. São eles - os indecisos - os mais disputados na reta final da campanha, que terminou oficialmente na sexta-feira.

Segundo pesquisas, o debate favoreceu Macron, consolidando o seu favoritismo. Ele teria cerca de 15 pontos porcentuais a mais do que Le Pen (57% a 42%) - suficiente para vencer, mas bem menos do que a vitória sobre Le Pen na eleição de 2017 (66% a 33%).

O voto não é obrigatório na França e a maioria dos eleitores de Mélenchon não se sente confortável com nenhum dos dois. Segundo pesquisas, 34% dos eleitores de Mélenchon devem migrar para Macron e 18% votarão em Le Pen - 48% não votarão em ninguém.

Voto útil

Com uma taxa de pobreza de 27,9% (a média nacional é de 14,8%), segundo o Instituto Nacional de Estatísticas e Estudos Econômicos (Insee), Seine Saint-Denis é o departamento mais pobre da França metropolitana.

A franco-brasileira Silvia Capanema, conselheira (espécie de deputada estadual) do departamento de Seine-Saint-Denis, diz que o arrocho salarial, o trabalho precarizado e a "uberização" da sociedade, agravados pelas políticas de Macron, têm levado mais e mais pessoas a se absterem de votar. "Na França, esta vai ser a última vez que o voto útil para barrar a extrema direita vai funcionar, porque as pessoas não querem mais participar deste jogo. São as classes populares que estão se abstendo. Os intelectuais e artistas que votaram em Mélenchon votarão em Macron. Mas o povo não aguenta mais", disse. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;