Contexto Paulista Titulo
Com estiagem prolongada, estado de São Paulo entra em alerta sobre queimadas
Wilson Marini
Da APJ
13/09/2021 | 22:27
Compartilhar notícia


O Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), de São José dos Campos, informou que agosto deste ano foi o mês com mais queimadas dos últimos 11 anos no estado de São Paulo. Segundo o órgão, foram registrados 2.277 focos de incêndios no período no território paulista. Por sua vez, a Defesa Civil registrou nos últimos dias focos expressivos de fogo em Ribeirão Preto, São João da Boa Vista, Araraquara, São Carlos, São Manuel, Mococa, Casa Branca e São José do Rio Pardo, entre outras. Autoridades ambientais do estado dizem que a maior parte dos incêndios florestais é provocada por ações humanas, entre elas, a soltura de balões.

Ecossistema ameaçado
A estação ecológica Santa Maria, em Simão Simão, a cerca de 50 quilômetros de Ribeirão Preto, foi uma das áreas atingidas nos últimos dias pelo fogo. O local conta com áreas protegidas e voltadas para pesquisas científicas e de preservação. Em seis dias, o incêndio atingiu 2.200 hectares, o equivalente a 3 mil campos de futebol e a 98% da reserva. A situação ameaça todo o ecossistema existente na região, segundo Maicon Porto, auxiliar administrativo da Fundação Floresta: "... é horrível, é uma situação lastimável por conta dessas áreas que são áreas de transição, áreas de reprodução da fauna, de alimentação [dos animais]", disse ele ao site A Cidade ON.

Tragédia na mata
Além do fogo ser uma ameaça ao bioma, também pode matar os animais de várias espécies, inclusive ameaçados de extinção como o tamanduá bandeira e a onça parda. Alguns morrem à medida que tentam fugir do fogo e acabam sendo atropelados na pista. O biólogo Antônio Bordigon, da região de Ribeirão Preto, diz que 300 animais foram atropelados nos últimos cinco meses. "A educação ambiental seria um trabalho prioritário no momento, porque você explica para as pessoas a importância de dirigir com cautela em estradas, que contam com essas unidades de conservação, para que todos juntos colaborem para a preservação do meio ambiente", diz ele.

Elevação do emprego formal em SP pelo terceiro mês seguido
Pelo terceiro mês consecutivo, em julho houve pequena elevação do emprego formal em relação ao mês anterior no estado de São Paulo, segundo o Novo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Novo Caged). A variação foi similar à registrada para o país (0,8%). O acréscimo, de 105 mil empregos, decorreu do fato de as admissões (543 mil) superarem os desligamentos (438 mil). O contingente de empregados no estado é de 12,8 milhões.

Todas as regiões
O emprego variou positivamente em todas as regiões paulistas em julho. Em relação ao mesmo período de 2020, os resultados mais expressivos foram verificados na capital (358 mil), nos demais municípios da RMSP (175 mil) e nas regiões de Campinas (150 mil) e Sorocaba (48 mil). Somadas, estas regiões responderam por 78% do emprego gerado no Estado.

SP lidera
No acumulado de janeiro a julho, foram criados 594 mil empregos (4,9%), com o estado de São Paulo respondendo por 32% do total gerado no país (1,8 milhão). No desempenho por setor, registrou-se pequena variação positiva do emprego nos serviços (45 mil) e na agricultura, pecuária e pesca (14 mil) e relativa estabilidade na indústria (15 mil), no comércio (24 mil) e na construção (7 mil).

Municípios perderão recursos
A Confederação Nacional de Municípios (CNM) publicou nota sobre a aprovação da Reforma do Imposto de Renda dos Municípios com a aprovação na Câmara dos Deputados do Projeto de Lei (PL) 2337/2021, que altera a legislação do imposto de renda das pessoas físicas e jurídicas. A estimativa é de que os municípios devem perder receitas na ordem de R$ 9,3 bilhões anuais, sendo R$ 5,6 bilhões no Fundo de Participação dos Municípios (FPM) e R$ 3,7 bilhões no imposto próprio dos Municípios. Os recursos, segundo a entidade, serão subtraídos das ações em saúde e educação pública sustentadas pelas prefeituras.

Exportações do agronegócio
Os cinco principais grupos nas exportações do agronegócio brasileiro nos sete primeiros meses de 2021 foram: complexo soja (US$34,19 bilhões) carnes (US$11,07 bilhões), produtos florestais (US$7,70 bilhões), complexo sucroalcooleiro (US$5,58 bilhões) e café (US$3,36 bilhões). Esses cinco grupos representaram no período 85,1% das vendas externas setoriais brasileiras.

Investimentos em educação
O líder do governo estadual na Assembleia Legislativa, Vinicius Camarinha (PSB), exalta as medidas do Executivo voltadas à educação. Segundo ele, no ano de 2018 havia 260 escolas em tempo integral no Estado, e hoje são 1.658. "De 100 mil alunos fomos para 1 milhão de alunos em tempo integral. Isso significa menos adolescentes nas ruas", entusiasma-se.

Breves
? As vendas no comércio da cidade de São Paulo cresceram 17,9% em agosto em comparação ao mês de julho, segundo a Associação Comercial de São Paulo.
? O Indicador Antecedente de Emprego (IAEmp), medido pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), subiu 0,9 ponto em agosto e chegou a 90,1 pontos. Esse é o maior nível desde fevereiro de 2020 (92 pontos), quando teve início a pandemia no Brasil. 




Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


;