Fechar
Publicidade

Sábado, 27 de Fevereiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

|

O golpe que tudo muda. E persegue

A esquerda propunha reformas de base, a direita agia silenciosamente, para tudo se transformar na virada de 31 de março para 1º de abril de 1964


Ademir Medici
Do Diário do Grande ABC

27/01/2021 | 07:00


BOATARIA
De fevereiro a maio daquele ano de 1964 houve um atropelo só e Santo André se colocou no centro dos acontecimentos regionais, graças à força do Sindicato dos Metalúrgicos.
Com a queda do governo João Goulart, o Jango, dizia-se que Santo André e região seriam transformadas em área de segurança nacional, a exemplo de outros centros.
Afinal, tínhamos uma refinaria de petróleo de lideranças fortes e a esquerda reunia nomes combativos por aqui.
Havia risco, até, de interrupção nas eleições municipais, o que não ocorreu e o calendário dos pleitos para a escolha de prefeitos, vice-prefeitos e vereadores seria mantido.

Santo André vai ao Rio.
News Seller: alerta aos militares.
Censura. Silêncio. Empastelamento.

411 – Antes do golpe, nomes como o de Miguel Arraes estiveram em Santo André. Os deputados federais Almino Afonso, Paulo de Tarso e Plínio de Arruda Sampaio visitaram o Sindicato dos Metalúrgicos de Santo André em 29 de fevereiro de 1964 para debater a reforma agrária, reforma da Constituição, reforma de bases.
412 – Presidente Jango fazia o jogo da esquerda e defendia essas reformas todas. O chamado “Comício das Reformas”, realizado em 13 de março de 1964, provocou espocar de fogos na região, à medida em que João Goulart anunciava suas últimas medidas.
413 – Havia a Superintendência de Reforma Agrária (Supra). Decreto assinado por Jango durante o comício torna desapropriáveis as áreas rurais situadas ao longo dos eixos das rodovias e ferrovias num raio de dez quilômetros. Só atinge os latifúndios: terrenos com mais de 500 hectares de extensão.
414 – Uma delegação da região esteve presente ao comício do Rio. De Santo André seguiu, de trem, o repórter-fotográfico Armando Martins, do Foto Ruma, que cobria os acontecimentos da esquerda. No final de sua vida, Sr. Armando nos presenteou com 18 chapas fotográficas da cobertura que fez no Rio de Janeiro.
415 – Em 20 de março de 1964, reunidos na sede do Sindicato dos Metalúrgicos de Santo André, petroleiros comemoraram a assinatura do decreto de encampação das empresas petrolíferas. Representantes de várias refinarias estiveram presentes.
416 – “Temos as refinarias nas mãos do poder público e as terras ao longo das estradas, rios e açudes prontos para oferecer aos camponeses a oportunidade de lavrarem-nas em seu proveito efetivo, liberto do pesadelo que o próprio presidente chamou de inquilinatos rurais” (cf. Ruy de Toledo, da coluna Sindicatos do News Seller – edição de 15 de março de 1964).
417 – Veio o golpe militar, entre 31 de março de 1º de abril de 1964. E as repercussões. Lauro Gomes, prefeito de Santo André: “Infantis as afirmações de que estou com os comunistas”. Policiais do Dops (Departamento de Ordem Política e Social) e soldados da Força Pública fazem diligências nas sedes dos sindicatos. Houve detenções.
418 – Editorial do News Seller publicado em 5 de abril de 1964: “As Forças Armadas do Brasil, cuja tradição democrática é uma segurança para todos, neste exato momento assumem, perante o povo, perante o trabalhador, sérias responsabilidades”.
419 – Com a censura imposta pela Secretaria da Segurança Pública, Santo André passou sem jornais: exemplares foram apreendidos nas bancas. Os telefones de todos os sindicatos foram silenciados. A sucursal da Última Hora, a Livraria das Bandeiras, o jornal Novos Rumos, todos invadidos e empastelados por policiais.
420 – Intervenção no Sindicato dos Metalúrgicos. Presidente Marcos Andreotti preso. Restante da diretoria foragida. Sindicato dos Químicos do ABC tem funcionamento normal. Presidente Trajano José das Neves nomeado interventor na Federação dos Químicos de São Paulo. Intervenção, também, no Sindicato dos Metalúrgicos de São Bernardo, no Sindicato da Construção Civil, no Sindicato da Fiação e Tecelagem, no Sindicato dos Metalúrgicos de São Caetano, no Sindicato dos Ceramistas de Mauá, cujo presidente, o vereador Sérgio Adalberto Viola, estava foragido.

Diário há meio século
Quarta-feira, 27 de janeiro de 1971 – ano 13, edição 1445
Manchete – Equador e Estados Unidos: conflito da pesca na OEA (Organização dos Estados Americanos).
São Bernardo – Prefeitura construía grupo escolar na Vila Artuélia.
Ribeirão Pires – Marcada para 9 de março a inauguração do Paço Municipal, administração do prefeito Antonio Simões.
Esportes – Delegações de vários Estados participavam, em São Bernardo, do II Campeonato Brasileiro de Basquetebol Infantil Masculino; e Juvenil Feminino.
Os jogos eram realizados na Associação dos Funcionários Públicos no Ginásio Ítalo Setti.

Em 27 de janeiro de...
1916 – Polícia da região faz um balanço das ocorrências registradas em 1915: foram processados 54 indivíduos, sendo cinco por homicídio, dois por tentativas de morte, oito por ferimentos leves, cinco por ferimentos graves, dois por furto, dois por roubo de animais, quatro por desastres, seis por contravenções, nove por defloramentos e oito por diversos delitos.
Destes, eram 14 italianos, dez brasileiros, quatro portugueses, um polonês, um árabe, um norte-americano, um australiano, um escocês, um inglês, um alemão, 19 de nacionalidades desconhecidas.
1921 – Inglaterra (UP). Os pescadores ingleses pretendem declarar-se em greve.
1956 – Tribunal Superior Eleitoral diploma os candidatos proclamados eleitos presidente e vice-presidente da República, JK e Jango.

Hoje
- Dia da Elevação do Brasil a Vice-Reinado (1763).
- Dia do Orador.

Santos do dia
- Cândida.
- Dácio, Reatro, Dativo, Juliano, Vicente e companheiros, martirizados na África.
- Angela Mérici (Itália, 1470 – 1540). Fundou a Comunidade das irmãs Ursulinas, em homenagem a santa Úrsula, a mártir do século IV, que dirigia o grupo das moças virgens, que morreram por defender sua religião e sua castidade 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

O golpe que tudo muda. E persegue

A esquerda propunha reformas de base, a direita agia silenciosamente, para tudo se transformar na virada de 31 de março para 1º de abril de 1964

Ademir Medici
Do Diário do Grande ABC

27/01/2021 | 07:00


BOATARIA
De fevereiro a maio daquele ano de 1964 houve um atropelo só e Santo André se colocou no centro dos acontecimentos regionais, graças à força do Sindicato dos Metalúrgicos.
Com a queda do governo João Goulart, o Jango, dizia-se que Santo André e região seriam transformadas em área de segurança nacional, a exemplo de outros centros.
Afinal, tínhamos uma refinaria de petróleo de lideranças fortes e a esquerda reunia nomes combativos por aqui.
Havia risco, até, de interrupção nas eleições municipais, o que não ocorreu e o calendário dos pleitos para a escolha de prefeitos, vice-prefeitos e vereadores seria mantido.

Santo André vai ao Rio.
News Seller: alerta aos militares.
Censura. Silêncio. Empastelamento.

411 – Antes do golpe, nomes como o de Miguel Arraes estiveram em Santo André. Os deputados federais Almino Afonso, Paulo de Tarso e Plínio de Arruda Sampaio visitaram o Sindicato dos Metalúrgicos de Santo André em 29 de fevereiro de 1964 para debater a reforma agrária, reforma da Constituição, reforma de bases.
412 – Presidente Jango fazia o jogo da esquerda e defendia essas reformas todas. O chamado “Comício das Reformas”, realizado em 13 de março de 1964, provocou espocar de fogos na região, à medida em que João Goulart anunciava suas últimas medidas.
413 – Havia a Superintendência de Reforma Agrária (Supra). Decreto assinado por Jango durante o comício torna desapropriáveis as áreas rurais situadas ao longo dos eixos das rodovias e ferrovias num raio de dez quilômetros. Só atinge os latifúndios: terrenos com mais de 500 hectares de extensão.
414 – Uma delegação da região esteve presente ao comício do Rio. De Santo André seguiu, de trem, o repórter-fotográfico Armando Martins, do Foto Ruma, que cobria os acontecimentos da esquerda. No final de sua vida, Sr. Armando nos presenteou com 18 chapas fotográficas da cobertura que fez no Rio de Janeiro.
415 – Em 20 de março de 1964, reunidos na sede do Sindicato dos Metalúrgicos de Santo André, petroleiros comemoraram a assinatura do decreto de encampação das empresas petrolíferas. Representantes de várias refinarias estiveram presentes.
416 – “Temos as refinarias nas mãos do poder público e as terras ao longo das estradas, rios e açudes prontos para oferecer aos camponeses a oportunidade de lavrarem-nas em seu proveito efetivo, liberto do pesadelo que o próprio presidente chamou de inquilinatos rurais” (cf. Ruy de Toledo, da coluna Sindicatos do News Seller – edição de 15 de março de 1964).
417 – Veio o golpe militar, entre 31 de março de 1º de abril de 1964. E as repercussões. Lauro Gomes, prefeito de Santo André: “Infantis as afirmações de que estou com os comunistas”. Policiais do Dops (Departamento de Ordem Política e Social) e soldados da Força Pública fazem diligências nas sedes dos sindicatos. Houve detenções.
418 – Editorial do News Seller publicado em 5 de abril de 1964: “As Forças Armadas do Brasil, cuja tradição democrática é uma segurança para todos, neste exato momento assumem, perante o povo, perante o trabalhador, sérias responsabilidades”.
419 – Com a censura imposta pela Secretaria da Segurança Pública, Santo André passou sem jornais: exemplares foram apreendidos nas bancas. Os telefones de todos os sindicatos foram silenciados. A sucursal da Última Hora, a Livraria das Bandeiras, o jornal Novos Rumos, todos invadidos e empastelados por policiais.
420 – Intervenção no Sindicato dos Metalúrgicos. Presidente Marcos Andreotti preso. Restante da diretoria foragida. Sindicato dos Químicos do ABC tem funcionamento normal. Presidente Trajano José das Neves nomeado interventor na Federação dos Químicos de São Paulo. Intervenção, também, no Sindicato dos Metalúrgicos de São Bernardo, no Sindicato da Construção Civil, no Sindicato da Fiação e Tecelagem, no Sindicato dos Metalúrgicos de São Caetano, no Sindicato dos Ceramistas de Mauá, cujo presidente, o vereador Sérgio Adalberto Viola, estava foragido.

Diário há meio século
Quarta-feira, 27 de janeiro de 1971 – ano 13, edição 1445
Manchete – Equador e Estados Unidos: conflito da pesca na OEA (Organização dos Estados Americanos).
São Bernardo – Prefeitura construía grupo escolar na Vila Artuélia.
Ribeirão Pires – Marcada para 9 de março a inauguração do Paço Municipal, administração do prefeito Antonio Simões.
Esportes – Delegações de vários Estados participavam, em São Bernardo, do II Campeonato Brasileiro de Basquetebol Infantil Masculino; e Juvenil Feminino.
Os jogos eram realizados na Associação dos Funcionários Públicos no Ginásio Ítalo Setti.

Em 27 de janeiro de...
1916 – Polícia da região faz um balanço das ocorrências registradas em 1915: foram processados 54 indivíduos, sendo cinco por homicídio, dois por tentativas de morte, oito por ferimentos leves, cinco por ferimentos graves, dois por furto, dois por roubo de animais, quatro por desastres, seis por contravenções, nove por defloramentos e oito por diversos delitos.
Destes, eram 14 italianos, dez brasileiros, quatro portugueses, um polonês, um árabe, um norte-americano, um australiano, um escocês, um inglês, um alemão, 19 de nacionalidades desconhecidas.
1921 – Inglaterra (UP). Os pescadores ingleses pretendem declarar-se em greve.
1956 – Tribunal Superior Eleitoral diploma os candidatos proclamados eleitos presidente e vice-presidente da República, JK e Jango.

Hoje
- Dia da Elevação do Brasil a Vice-Reinado (1763).
- Dia do Orador.

Santos do dia
- Cândida.
- Dácio, Reatro, Dativo, Juliano, Vicente e companheiros, martirizados na África.
- Angela Mérici (Itália, 1470 – 1540). Fundou a Comunidade das irmãs Ursulinas, em homenagem a santa Úrsula, a mártir do século IV, que dirigia o grupo das moças virgens, que morreram por defender sua religião e sua castidade 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;