Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 25 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Trabalhadores da GM ficam insatisfeitos com valores do PDV

Denis Maciel/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Funcionários com capacidade laboral reduzida questionam votação feita pelo sindicato


Yara Ferraz
do Diário do Grande ABC

26/11/2020 | 00:22


Trabalhadores com capacidade laboral reduzida da fábrica da GM (General Motors), de São Caetano, demonstraram insatisfação com o PDV (Programa de Demissão Voluntária). Além das condições apresentadas, abaixo da proposta feita anteriormente aos demais funcionários, os colaboradores também reclamaram do processo de votação feito pelo sindicato. A empresa visa reduzir o efetivo da unidade, em pelo menos 500 postos de trabalho, em meio à crise econômica causada pela pandemia.

A proposta – que foi a segunda em intervalo de três meses – contempla com até 36 salários adicionais e o custeio do plano médico, de acordo com a idade do funcionário, podendo chegar ao máximo de dois anos, além das verbas rescisórias legais. O pacote anterior destinado aos trabalhadores do chão de fábrica, que registrou 339 adesões, oferecia de 3,5 a sete salários adicionais, a partir de quatro anos de casa, e de um a dois anos de plano de saúde, além de um bônus, para quem possuía mais de 11 anos de firma, um Onix Joy Black, que custa R$ 55.990.

No ano passado, a empresa também realizou PDV destinado a sequelados, mas que era mais vantajoso. A quantidade de salários adicionais ia de 2,5 (para os funcionários com 55 anos de idade) a 40 (aos que têm até 40 anos). Todos ganhavam dois automóveis modelo Cruze, que na época custava a partir de R$ 99.390 cada, e cinco anos de extensão de convênio médico.

Diversos trabalhadores conversaram com a equipe do Diário ontem. Eles, que adquiriram problema de saúde na empresa, afirmaram que ninguém tem pretensão de assinar o acordo. Cerca de 250 – na GM são estimados 700 trabalhadores com capacidade laboral – se reuniram em um grupo de WhatsApp.

A proposta foi aprovada em assembleia on-line, que registrou mais de 1.700 votos. “A votação deveria ser feita com as pessoas que possuem incapacidade laboral, mas ela foi aberta para a fábrica, que acabou decidindo o nosso futuro”, disse um deles, que optou por não se identificar. Lembrando que estes trabalhadores possuem mais dificuldades de se recolocarem no mercado.

O presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de São Caetano, Aparecido Inácio da Silva, o Cidão, afirmou que a opção de abrir a votação foi porque o sindicato não queria fazer discriminação. “Pode ser que existam pessoas com o processo em andamento no INSS (Instituto Nacional de Seguro Social). Temos 700 oficialmente, mas alguns casos demoram de quatro a cinco meses para comunicar a empresa”, disse.

GM confirmou que “recentemente, os empregados das fábricas de São Caetano e São José dos Campos, ambas em São Paulo, aprovaram em assembleia conduzida pelo respectivo sindicato PDV exclusivo para empregados com limitação laboral”. 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Trabalhadores da GM ficam insatisfeitos com valores do PDV

Funcionários com capacidade laboral reduzida questionam votação feita pelo sindicato

Yara Ferraz
do Diário do Grande ABC

26/11/2020 | 00:22


Trabalhadores com capacidade laboral reduzida da fábrica da GM (General Motors), de São Caetano, demonstraram insatisfação com o PDV (Programa de Demissão Voluntária). Além das condições apresentadas, abaixo da proposta feita anteriormente aos demais funcionários, os colaboradores também reclamaram do processo de votação feito pelo sindicato. A empresa visa reduzir o efetivo da unidade, em pelo menos 500 postos de trabalho, em meio à crise econômica causada pela pandemia.

A proposta – que foi a segunda em intervalo de três meses – contempla com até 36 salários adicionais e o custeio do plano médico, de acordo com a idade do funcionário, podendo chegar ao máximo de dois anos, além das verbas rescisórias legais. O pacote anterior destinado aos trabalhadores do chão de fábrica, que registrou 339 adesões, oferecia de 3,5 a sete salários adicionais, a partir de quatro anos de casa, e de um a dois anos de plano de saúde, além de um bônus, para quem possuía mais de 11 anos de firma, um Onix Joy Black, que custa R$ 55.990.

No ano passado, a empresa também realizou PDV destinado a sequelados, mas que era mais vantajoso. A quantidade de salários adicionais ia de 2,5 (para os funcionários com 55 anos de idade) a 40 (aos que têm até 40 anos). Todos ganhavam dois automóveis modelo Cruze, que na época custava a partir de R$ 99.390 cada, e cinco anos de extensão de convênio médico.

Diversos trabalhadores conversaram com a equipe do Diário ontem. Eles, que adquiriram problema de saúde na empresa, afirmaram que ninguém tem pretensão de assinar o acordo. Cerca de 250 – na GM são estimados 700 trabalhadores com capacidade laboral – se reuniram em um grupo de WhatsApp.

A proposta foi aprovada em assembleia on-line, que registrou mais de 1.700 votos. “A votação deveria ser feita com as pessoas que possuem incapacidade laboral, mas ela foi aberta para a fábrica, que acabou decidindo o nosso futuro”, disse um deles, que optou por não se identificar. Lembrando que estes trabalhadores possuem mais dificuldades de se recolocarem no mercado.

O presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de São Caetano, Aparecido Inácio da Silva, o Cidão, afirmou que a opção de abrir a votação foi porque o sindicato não queria fazer discriminação. “Pode ser que existam pessoas com o processo em andamento no INSS (Instituto Nacional de Seguro Social). Temos 700 oficialmente, mas alguns casos demoram de quatro a cinco meses para comunicar a empresa”, disse.

GM confirmou que “recentemente, os empregados das fábricas de São Caetano e São José dos Campos, ambas em São Paulo, aprovaram em assembleia conduzida pelo respectivo sindicato PDV exclusivo para empregados com limitação laboral”. 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;