Fechar
Publicidade

Domingo, 29 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Dólar sobe com pressão externa e questão técnica e encerra cotado a R$ 5,40

Marcello Casal Jr/Agência Brasil Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


21/09/2020 | 18:31


O dólar operou sob pressão na sessão de negócios desta segunda-feira, 21, em meio ao ambiente de aversão a risco visto no exterior, que levou ao fortalecimento da divisa americana frente à maioria das moedas no globo. No entanto, segundo profissionais de câmbio, o que amplificou mesmo o movimento de alta frente ao real, levando a cotação à máxima intraday a R$ 5,4974 durante a manhã, foi uma questão técnica: o exercício de opções sobre ações na B3, que movimentou R$ 10,468 bilhões, proporcionou o rearranjo de carteiras envolvendo além de ações, câmbio e juros.

"Como o clima ficou muito ruim nos mercados hoje, contratos que não iam ser exercidos tiveram que ser e isso mexeu com as posições de câmbio e juros. Em dia de vencimento de opções, há uma revisita à carteira como um todo, nas estratégias de arbitragem. Isso deixa os movimentos amplificados tanto na alta quanto na baixa, como foi hoje", disse Pedro Lang, chefe de Renda Variável da Valor Investimentos.

Tanto que, assim que passado o exercício, o dólar reduziu em muito o ritmo de avanço, evidenciando que havia a pressão técnica. Assim, a divisa americana passou a tarde comportada na faixa dos R$ 5,40 para encerrar o dia cotada a R$ 5,4005 em alta de 0,43% - a maior desde 31 de agosto passado (R$ 5,4806).

"O dólar no mundo não está com toda essa força", lembrou Charles Susskind,sócio fundador da CMS Invest, fazendo referência à trajetória da moeda americana. No entanto, na sessão desta segunda-feira, houve impacto para cima em meio a um ambiente de cautela com os investidores temendo a baixa recuperação mundial diante dos efeitos da segunda onda de Covid com países europeus já reiniciando procedimentos de quarentena. Para aumentar a aversão dos investidores, alegações de que os britânicos HSBC e Standard Chartered, além de JP Morgan Chase e o alemão Deutsche Bank movimentaram US$ 2 trilhões de fundos ilícitos por um longo período, pesaram, principalmente pela manhã.

Contato: simone.cavalcanti@estadao.com



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Dólar sobe com pressão externa e questão técnica e encerra cotado a R$ 5,40


21/09/2020 | 18:31


O dólar operou sob pressão na sessão de negócios desta segunda-feira, 21, em meio ao ambiente de aversão a risco visto no exterior, que levou ao fortalecimento da divisa americana frente à maioria das moedas no globo. No entanto, segundo profissionais de câmbio, o que amplificou mesmo o movimento de alta frente ao real, levando a cotação à máxima intraday a R$ 5,4974 durante a manhã, foi uma questão técnica: o exercício de opções sobre ações na B3, que movimentou R$ 10,468 bilhões, proporcionou o rearranjo de carteiras envolvendo além de ações, câmbio e juros.

"Como o clima ficou muito ruim nos mercados hoje, contratos que não iam ser exercidos tiveram que ser e isso mexeu com as posições de câmbio e juros. Em dia de vencimento de opções, há uma revisita à carteira como um todo, nas estratégias de arbitragem. Isso deixa os movimentos amplificados tanto na alta quanto na baixa, como foi hoje", disse Pedro Lang, chefe de Renda Variável da Valor Investimentos.

Tanto que, assim que passado o exercício, o dólar reduziu em muito o ritmo de avanço, evidenciando que havia a pressão técnica. Assim, a divisa americana passou a tarde comportada na faixa dos R$ 5,40 para encerrar o dia cotada a R$ 5,4005 em alta de 0,43% - a maior desde 31 de agosto passado (R$ 5,4806).

"O dólar no mundo não está com toda essa força", lembrou Charles Susskind,sócio fundador da CMS Invest, fazendo referência à trajetória da moeda americana. No entanto, na sessão desta segunda-feira, houve impacto para cima em meio a um ambiente de cautela com os investidores temendo a baixa recuperação mundial diante dos efeitos da segunda onda de Covid com países europeus já reiniciando procedimentos de quarentena. Para aumentar a aversão dos investidores, alegações de que os britânicos HSBC e Standard Chartered, além de JP Morgan Chase e o alemão Deutsche Bank movimentaram US$ 2 trilhões de fundos ilícitos por um longo período, pesaram, principalmente pela manhã.

Contato: simone.cavalcanti@estadao.com

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;