Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 4 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

CVM questiona a Via Varejo sobre declarações do presidente a respeito de queda no faturamento

Nario Barbosa/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Executivo falou sobre perda de receita por causa da pandemia


Yara Ferraz
do Diário do Grande ABC

31/03/2020 | 00:04


A Via Varejo, companhia sediada em São Caetano e dona das redes Casas Bahia e Ponto Frio, foi questionada pela CVM (Comissão de Valores Mobiliários) a respeito de declarações do diretor-presidente à imprensa sobre o faturamento deste ano. O executivo Roberto Fulcherberguer afirmou que 70% do faturamento – as vendas das lojas físicas – estariam perdidos por causa do novo coronavírus. A autarquia, ligada ao Ministério da Economia, também apura a fraude contábil na empresa.

Responsável por fiscalizar, regulamentar e desenvolver o mercado financeiro, a CVM questionou a Via Varejo sobre as medidas protetivas para que os CDs (Centros de Distribuição) continuem operando e mantendo o on-line atuante, além da logística, fluxo de caixa e outros pontos citados pelo diretor em entrevista ao portal NeoFeed.

O orgão questiona a companhia sobre a veracidade das informações prestadas na entrevista veiculada, e, “caso afirmativo, solicitamos esclarecimentos adicionais a respeito do assunto, bem como informar os motivos pelos quais entendeu não se tratar o assunto de fato relevante, nos termos da instrução CVM nº 358/02”, informou em ofício enviado à empresa. A obrigação de todas as empresas de capital aberto é a publicação de fato relevante.

Em comunicado ao mercado, feito ontem, a Via Varejo confirmou as informações e afirmou que entende que nenhuma delas deveria ser divulgada como fato relevante, porque já tinham sido informadas anteriormente, ou não serem consideradas relevantes. A companhia informou que falou sobre o fechamento das lojas físicas, em divulgação ao mercado, por causa da recomendação de autoridades mediante a pandemia do novo coronavírus. A empresa também apresenta dados do balanço financeiro da companhia.

Conforme já noticiado pelo Diário, a empresa assumiu, na última semana, fraude contábil referente a processos trabalhistas que deixou prejuízo de R$ 1,19 bilhão. O resultado repercutiu no balanço anual de 2019, que ficou negativo em R$ 1,4 bilhão.

Questionada, a Via Varejo informou que iria se posicionar apenas por meio do fato relevante. Ontem, a empresa também anunciou R$ 204,9 mil de aumento no capital, por conta da emissão de 48,7 mil ações ordinárias. Apesar disso, as ações da empresa fecharam o pregão com queda de 4,39%, valendo R$ 5,45. 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

CVM questiona a Via Varejo sobre declarações do presidente a respeito de queda no faturamento

Executivo falou sobre perda de receita por causa da pandemia

Yara Ferraz
do Diário do Grande ABC

31/03/2020 | 00:04


A Via Varejo, companhia sediada em São Caetano e dona das redes Casas Bahia e Ponto Frio, foi questionada pela CVM (Comissão de Valores Mobiliários) a respeito de declarações do diretor-presidente à imprensa sobre o faturamento deste ano. O executivo Roberto Fulcherberguer afirmou que 70% do faturamento – as vendas das lojas físicas – estariam perdidos por causa do novo coronavírus. A autarquia, ligada ao Ministério da Economia, também apura a fraude contábil na empresa.

Responsável por fiscalizar, regulamentar e desenvolver o mercado financeiro, a CVM questionou a Via Varejo sobre as medidas protetivas para que os CDs (Centros de Distribuição) continuem operando e mantendo o on-line atuante, além da logística, fluxo de caixa e outros pontos citados pelo diretor em entrevista ao portal NeoFeed.

O orgão questiona a companhia sobre a veracidade das informações prestadas na entrevista veiculada, e, “caso afirmativo, solicitamos esclarecimentos adicionais a respeito do assunto, bem como informar os motivos pelos quais entendeu não se tratar o assunto de fato relevante, nos termos da instrução CVM nº 358/02”, informou em ofício enviado à empresa. A obrigação de todas as empresas de capital aberto é a publicação de fato relevante.

Em comunicado ao mercado, feito ontem, a Via Varejo confirmou as informações e afirmou que entende que nenhuma delas deveria ser divulgada como fato relevante, porque já tinham sido informadas anteriormente, ou não serem consideradas relevantes. A companhia informou que falou sobre o fechamento das lojas físicas, em divulgação ao mercado, por causa da recomendação de autoridades mediante a pandemia do novo coronavírus. A empresa também apresenta dados do balanço financeiro da companhia.

Conforme já noticiado pelo Diário, a empresa assumiu, na última semana, fraude contábil referente a processos trabalhistas que deixou prejuízo de R$ 1,19 bilhão. O resultado repercutiu no balanço anual de 2019, que ficou negativo em R$ 1,4 bilhão.

Questionada, a Via Varejo informou que iria se posicionar apenas por meio do fato relevante. Ontem, a empresa também anunciou R$ 204,9 mil de aumento no capital, por conta da emissão de 48,7 mil ações ordinárias. Apesar disso, as ações da empresa fecharam o pregão com queda de 4,39%, valendo R$ 5,45. 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;