Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 21 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Dólar passa a subir com novas saídas de fundos e queda da libra

Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


17/10/2019 | 10:05


O dólar iniciou a sessão desta quinta-feira, 17, em leve baixa no mercado doméstico, acompanhando a desvalorização predominante no exterior após o acordo do Brexit, que impulsiona os ativos financeiros na Europa e os índices futuros de Nova York. Contudo, logo depois, a moeda norte-americana se descolou da queda externa e passou a subir ante o real, em meio a novos sinais de fluxo de saída. Além disso, a libra se enfraqueceu ante o dólar.

No exterior, a libra esterlina passou a cair, após o Partido Unionista Democrático (DUP, na sigla em inglês), da Irlanda do Norte, confirmar que não vai apoiar o acordo de Brexit fechado nesta quinta entre União Europeia e o Reino Unido durante votação no Parlamento britânico no sábado (19).

O diretor-superintendente da Correparti, Jefferson Rugik, diz que a queda inicial acompanhou a fraqueza da moeda americana no exterior, que foi abatida pelo acordo do Brexit, com o dólar perdendo para os seus pares e para as divisas emergentes ligadas às commodities.

Porém, Rugik observa que rapidamente o mercado se ajustou, levando o dólar a subir, em meio a novas saídas de fundos estrangeiros, que vão em busca de melhor rentabilidade em outros países emergentes, como o México e Chile. "Esse movimento negativo foi respaldado pela divulgação do BC ontem do fluxo cambial, que foi o pior em 20 anos", comenta o executivo. A alta local reflete também uma piora de algumas divisas commodities frente ao dólar há pouco, diz ele.

Em outubro até o dia 11, o País registra fluxo cambial negativo de US$ 6,858 bilhões, enquanto no ano até 11 de outubro, o fluxo cambial ficou negativo em US$ 19,829 bilhões, informou o Banco Central. Em igual período do ano passado, o resultado era positivo em US$ 20,311 bilhões.

Às 9h29, o dólar à vista subia 0,14%, aos R$ 4,1586, após cair à mínima em R$ 4,1431 (-0,26%) nos primeiros negócios. O dólar futuro de novembro estava em alta, em R$ 4,160 (+0,12%), após cair até R$ 4,1465 (-0,20%).



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Dólar passa a subir com novas saídas de fundos e queda da libra


17/10/2019 | 10:05


O dólar iniciou a sessão desta quinta-feira, 17, em leve baixa no mercado doméstico, acompanhando a desvalorização predominante no exterior após o acordo do Brexit, que impulsiona os ativos financeiros na Europa e os índices futuros de Nova York. Contudo, logo depois, a moeda norte-americana se descolou da queda externa e passou a subir ante o real, em meio a novos sinais de fluxo de saída. Além disso, a libra se enfraqueceu ante o dólar.

No exterior, a libra esterlina passou a cair, após o Partido Unionista Democrático (DUP, na sigla em inglês), da Irlanda do Norte, confirmar que não vai apoiar o acordo de Brexit fechado nesta quinta entre União Europeia e o Reino Unido durante votação no Parlamento britânico no sábado (19).

O diretor-superintendente da Correparti, Jefferson Rugik, diz que a queda inicial acompanhou a fraqueza da moeda americana no exterior, que foi abatida pelo acordo do Brexit, com o dólar perdendo para os seus pares e para as divisas emergentes ligadas às commodities.

Porém, Rugik observa que rapidamente o mercado se ajustou, levando o dólar a subir, em meio a novas saídas de fundos estrangeiros, que vão em busca de melhor rentabilidade em outros países emergentes, como o México e Chile. "Esse movimento negativo foi respaldado pela divulgação do BC ontem do fluxo cambial, que foi o pior em 20 anos", comenta o executivo. A alta local reflete também uma piora de algumas divisas commodities frente ao dólar há pouco, diz ele.

Em outubro até o dia 11, o País registra fluxo cambial negativo de US$ 6,858 bilhões, enquanto no ano até 11 de outubro, o fluxo cambial ficou negativo em US$ 19,829 bilhões, informou o Banco Central. Em igual período do ano passado, o resultado era positivo em US$ 20,311 bilhões.

Às 9h29, o dólar à vista subia 0,14%, aos R$ 4,1586, após cair à mínima em R$ 4,1431 (-0,26%) nos primeiros negócios. O dólar futuro de novembro estava em alta, em R$ 4,160 (+0,12%), após cair até R$ 4,1465 (-0,20%).

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;