Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 16 de Setembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Trabalho é renda


Do Dgabc.com.br

17/08/2019 | 12:39


Desemprego é palavra que assusta. No País, são aproximadamente 13 milhões de pessoas que buscam uma ocupação, o que corresponde a cerca de 12% da população economicamente ativa. Números divulgados pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) dão conta de que essa procura perdura por mais de dois anos para 3,3 milhões de cidadãos. E que 4,9 milhões se enquadram na categoria desalentados, ou seja, perderam as esperanças e nem vão mais atrás de uma recolocação.

No Grande ABC, o setor industrial – responsável pelos maiores salários – fechou o mês de julho com saldo de 1.100 cortes. Grande parte deste montante em razão do fechamento anunciado da unidade da Ford em São Bernardo. Em todo o ano, a diferença entre contratações e demissões gera resultado negativo de 5.250 postos.

Essas dispensas impactaram os índices de todo o Estado de São Paulo, que nos 31 dias do sétimo mês do ano registrou saldo de 3.500 cortes. E o município foi o que mais teve vagas encerradas no período, com 1.050. 

Uma mostra da gravidade e da extensão do problema foi a quantidade de participantes de evento realizado pela Prefeitura de São Bernardo com oferta de postos de trabalho a pessoas que romperam a barreira dos 40 anos e que, por esse motivo, encontram ainda mais um obstáculo para o retorno ao mercado. A atividade reuniu 4.000 candidatos às 300 vagas ofertadas.

É sempre bom lembrar que foi a abundância de empregos, sobretudo nas grandes empresas e em seus fornecedores, a principal causa para o crescimento e desenvolvimento do Grande ABC a partir da década de 1960.

<

É claro que os tempos são outros, a produção das empresas foi automatizada e demanda menos mão de obra. Mesmo assim é necessário que as cidades se envolvam nessa causa. Que busquem alternativas junto aos setores público e privado e que a economia do País deslanche. As reformas estão andando em Brasília, e esse é um primeiro passo.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Trabalho é renda

Do Dgabc.com.br

17/08/2019 | 12:39


Desemprego é palavra que assusta. No País, são aproximadamente 13 milhões de pessoas que buscam uma ocupação, o que corresponde a cerca de 12% da população economicamente ativa. Números divulgados pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) dão conta de que essa procura perdura por mais de dois anos para 3,3 milhões de cidadãos. E que 4,9 milhões se enquadram na categoria desalentados, ou seja, perderam as esperanças e nem vão mais atrás de uma recolocação.

No Grande ABC, o setor industrial – responsável pelos maiores salários – fechou o mês de julho com saldo de 1.100 cortes. Grande parte deste montante em razão do fechamento anunciado da unidade da Ford em São Bernardo. Em todo o ano, a diferença entre contratações e demissões gera resultado negativo de 5.250 postos.

Essas dispensas impactaram os índices de todo o Estado de São Paulo, que nos 31 dias do sétimo mês do ano registrou saldo de 3.500 cortes. E o município foi o que mais teve vagas encerradas no período, com 1.050. 

Uma mostra da gravidade e da extensão do problema foi a quantidade de participantes de evento realizado pela Prefeitura de São Bernardo com oferta de postos de trabalho a pessoas que romperam a barreira dos 40 anos e que, por esse motivo, encontram ainda mais um obstáculo para o retorno ao mercado. A atividade reuniu 4.000 candidatos às 300 vagas ofertadas.

É sempre bom lembrar que foi a abundância de empregos, sobretudo nas grandes empresas e em seus fornecedores, a principal causa para o crescimento e desenvolvimento do Grande ABC a partir da década de 1960.

<

É claro que os tempos são outros, a produção das empresas foi automatizada e demanda menos mão de obra. Mesmo assim é necessário que as cidades se envolvam nessa causa. Que busquem alternativas junto aos setores público e privado e que a economia do País deslanche. As reformas estão andando em Brasília, e esse é um primeiro passo.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;