Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 2 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

GCM de Mauá atua com coletes vencidos desde 2016

Nario Barbosa/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Equipamentos de proteção obrigatória não têm data para serem entregues à corporação


Vanessa de Oliveira
Do Diário do Grande ABC

17/03/2018 | 07:00


Profissionais da GCM (Guarda Civil Municipal) de Mauá atuam com coletes à prova de balas vencidos desde 2016. Embora haja licitação para a compra dos equipamentos de proteção obrigatória em andamento, a administração aguarda autorização do Exército para a efetivação da compra dos itens. Enquanto isso, o uso do colete vem sendo facultativo entre os trabalhadores da Segurança municipal. Na tarde de ontem, a equipe do Diário flagrou grupo de seis agentes sem o equipamento.

A Prefeitura abriu processo licitatório para a aquisição dos itens em setembro do ano passado. No mês de dezembro, houve a homologação do certame, pelo valor global, a favor da empresa Inbraterrestre Indústria e Comércio de Materiais de Segurança Ltda, perfazendo a quantia de R$ 231,6 mil.

Para que os produtos sejam efetivamente comprados, é necessária liberação do Exército. A equipe do Diário tentou contato com o órgão federal e também com a administração municipal para comentar sobre o andamento da aquisição, bem como previsão de entrega dos equipamentos, mas não obteve retorno até o fechamento desta edição.

“Os que você vê que estão com colete, é tudo vencido”, fala um GCM, que preferiu não se identificar e que não utiliza o equipamento “vai fazer um ano”.

Na semana passada, a Prefeitura realizou a entrega de novo fardamento à GCM, composto por bota, camisa, cobertura, calça e jaqueta. Sobre o colete antibalístico, profissional ouvido pelo Diário revelou que a informação é que a compra depende de liberação do Exército. O agente acredita que a situação será resolvida até 1º de abril. “Mandaram usar a farda nova a partir do dia 1º. Creio que já teremos os coletes, se não poderíamos usar o novo uniforme agora.”

Outro GCM ouvido, entretanto, não se mostra tão otimista. “Dizem que (os coletes) vão chegar em junho, pois parece que o Exército ainda nem liberou a compra”, comenta.
De acordo com ele, a corporação é composta por cerca de 220 trabalhadores.

Em março do ano passado, reportagem do Diário mostrou que a situação já era motivo de insatisfação dos profissionais. Naquela ocasião, a Prefeitura admitiu a existência do problema, informando que o número oficial de coletes balísticos vencidos em 2016 era de 157 unidades.

Ainda à época, o atual governo de Atila Jacomussi (PSB) responsabilizou a gestão anterior, comandada por Donisete Braga (PT), por não ter realizado processo licitatório para a compra de coletes e fardas dentro do tempo necessário.

PROTEÇÃO

Conforme o especialista em Segurança pública e ex-secretário nacional de Segurança Pública José Vicente da Silva Filho, um colete à prova de balas vencido pode não dar a proteção adequada ao profissional. “É provável que a trama de fibras vá enfraquecendo e perdendo a resistência de contenção de impacto. Não é o caso de deixar de usar, mesmo com possível limitações, pois oferece mais proteção”, salienta. “Precisa haver controle naquilo que está para vencer, para preparar com antecedência a licitação. Isso é falha aguda da administração”, conclui.  



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;