Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 2 de Junho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Meirelles: sem reforma, despesa com Previdência pode chegar a 80% do orçamento

Lula Marques/AGPT/Fotos Públicas Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Hoje, gastos do governo com pensões e aposentadorias representam cerca de 50% do total



07/12/2017 | 19:25


O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, voltou a alertar nesta quinta-feira, 7, que, se a reforma da Previdência não for aprovada, as despesas do governo federal com pensões e aposentadorias, que hoje representam cerca de 50% do orçamento, podem chegar a 80%. "Se nada for feito, despesas não cabem no teto do gastos", disse o ministro, que participa de evento da Federação das Indústrias do Estado do Amazonas (Fieam).

Ele lembrou, inclusive, que o governo tem ajudado Estados que estão em situação fiscal grave por causa de gastos com a Previdência. "Estamos prevenindo que isso aconteça no Brasil", disse o ministro, em referência ao orçamento federal. "Quero que todo brasileiro tenha certeza que terá aposentadoria", acrescentou Meirelles.

O ministro argumentou ainda que a idade média de aposentaria no Brasil é de 59 anos, enquanto no México é de 72 anos. Disse também que poucos conseguem se aposentar por tempo mínimo de contribuição (35 anos) e que, com a reforma, os mais pobres vão se aposentar mais cedo.

Meirelles lembrou a aprovação da PEC do teto dos gastos e disse que as despesas federais, que saíram de 10,8% do PIB em 1991 para 20% em 2016, chegariam a 25% se não fosse a medida. "Isso significa mais recursos disponíveis para a sociedade consumir e investir", disse.

Em seu discurso, enquanto mencionava a evolução dos indicadores econômicos durante o governo Michel Temer, ele citou que a inflação em 12 meses caiu de 9,3% em maio de 2016 para 2,7% em novembro deste ano. Ao final de sua fala, ele afirmou que o brasileiro quer emprego, renda e inflação baixa e convocou todos "para trabalharmos juntos para o Brasil crescer".



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Meirelles: sem reforma, despesa com Previdência pode chegar a 80% do orçamento

Hoje, gastos do governo com pensões e aposentadorias representam cerca de 50% do total


07/12/2017 | 19:25


O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, voltou a alertar nesta quinta-feira, 7, que, se a reforma da Previdência não for aprovada, as despesas do governo federal com pensões e aposentadorias, que hoje representam cerca de 50% do orçamento, podem chegar a 80%. "Se nada for feito, despesas não cabem no teto do gastos", disse o ministro, que participa de evento da Federação das Indústrias do Estado do Amazonas (Fieam).

Ele lembrou, inclusive, que o governo tem ajudado Estados que estão em situação fiscal grave por causa de gastos com a Previdência. "Estamos prevenindo que isso aconteça no Brasil", disse o ministro, em referência ao orçamento federal. "Quero que todo brasileiro tenha certeza que terá aposentadoria", acrescentou Meirelles.

O ministro argumentou ainda que a idade média de aposentaria no Brasil é de 59 anos, enquanto no México é de 72 anos. Disse também que poucos conseguem se aposentar por tempo mínimo de contribuição (35 anos) e que, com a reforma, os mais pobres vão se aposentar mais cedo.

Meirelles lembrou a aprovação da PEC do teto dos gastos e disse que as despesas federais, que saíram de 10,8% do PIB em 1991 para 20% em 2016, chegariam a 25% se não fosse a medida. "Isso significa mais recursos disponíveis para a sociedade consumir e investir", disse.

Em seu discurso, enquanto mencionava a evolução dos indicadores econômicos durante o governo Michel Temer, ele citou que a inflação em 12 meses caiu de 9,3% em maio de 2016 para 2,7% em novembro deste ano. Ao final de sua fala, ele afirmou que o brasileiro quer emprego, renda e inflação baixa e convocou todos "para trabalharmos juntos para o Brasil crescer".

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;