Fechar
Publicidade

Domingo, 13 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Cultura & Lazer

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

São Paulo recebe 13º Parada do Orgulho Gay neste domingo

Tiago Silva/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Ângela Corrêa
Do Diário do Grande ABC

12/06/2009 | 07:00


Com o tema Sem Homofobia, Mais Cidadania - Pela Isonomia dos Direitos, o propósito da 13ª Parada do Orgulho Gay de São Paulo, que será realizada no domingo a partir das 10h, é chamar os holofotes para a tramitação no Senado do PLC (Projeto de Lei Complementar) 122/06, que criminaliza a homofobia no País, já aprovado pela Câmara.

Depois que o primeiro dos cerca de 20 trios elétricos cruzar a Avenida Paulista, em silêncio - o carro quer reunir assinaturas que serão enviadas ao Executivo para pressionar a sanção - a ideia é bombar o cartão-postal de São Paulo com muita música eletrônica. São esperadas, aproximadamente, três milhões de pessoas, o mesmo número de 2008.

A ONG ABCD'S (Associação Brotar pela Cidadania e Diversidade Sexual), de Santo André, participa do evento pela quinta vez. O grupo será o 14º trio, o Aroeira, a entrar na avenida, contando com a presença de Tammy Gretchen, Léo Áquila e Sabrina Boing Boing.

Para o presidente e fundador da ABCD'S, Marcelo Gil, a aprovação da lei coibiria a violência contra os homossexuais. "Ainda hoje precisamos gritar que somos cidadãos. Acredito que a sociedade passará a ter respeito ao lidar com lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais. Haverá uma forma de diálogo", acredita.

Com penalidades que vão de multa a prisão de 5 anos, o PLC altera a Lei de Combate ao Racismo, o Código Penal e a CLT (Consolidação das Leis do Trabalho). Inclui gênero, sexo, orientação sexual e identidade de gênero nos crimes de preconceito ou discriminação de raça, religião, cor, etnia, origem ou condição da pessoa idosa ou com deficiência.

A bandeira da ABCD'S é uma campanha contra o neonazismo - doutrina que promove discriminação contra grupos específicos, como negros e judeus. Segundo Marcelo, a região sofre ações dos chamados Carecas do ABC, uma gangue neonazista responsável por agressões físicas e morais. "São comuns os casos de espancamento, além de piadinhas e comentários em ruas. Travestis na Avenida Industrial, em Santo André, são agredidos verbalmente todos os dias", afirma.

O trio da APOGLBT (Associação da Parada do Orgulho GLBT de São Paulo), que abre as atrações musicais do dia, será agitado por dois DJs argentinos. A cantora Madame Mim, que também integra o elenco do programa Furfles MTV, é a primeira. Em seguida, vem o DJ Hombre, que marca presença na festa há algumas edições. O carro do guia São Paulo de Bolso terá os DJs Soul Voxxy e Tato Jr, entre outros, além de ser apadrinhado por Sheila Mello e o ex-BBB Jean Wyllys.

Segundo números da coordenadoria geral de Assuntos da Diversidade Sexual do Governo do Estado, o evento recebe 320 mil visitantes, dos quais 70% vêm do interior do Estado e, 5%, do Exterior. O valor investido este ano deve girar em torno de R$ 1 milhão, dos quais R$ 350 mil são provenientes da Cads (Coordenadoria de Assuntos da Diversidade Sexual da Prefeitura).

A Polícia Militar vai patrulhar a área com efetivo de 1.200 homens, dispostos no percurso, seja a pé, em viaturas ou em helicópteros. Haverá fiscalização de bebidas alcoólicas, sobretudo as vendidas por camelôs. Este ano, a Parada ganha dois hospitais de campanha - no ano passado era apenas um. Os leitos - 140 no total - serão dispostos na Praça Roosevelt, na Avenida da Consolação e no MASP, local da concentração.

Fundada em 2004, a Associação Brotar pela Cidadania e Diversidade Sexual conta com aproximadamente 2.600 credenciados e oferece atividades regulares como o Café Diversidade que traz discussões sobre o relacionamento entre pais e filhos, às terças-feiras, às 19h30, em lugares diversos. A missão é sensibilizar a sociedade e promover a inclusão dos homossexuais.

Marcelo Gil adianta que o tema da 5ª Parada do Orgulho LGBT, em Santo André, é Solidariedade na Luta contra a Homofobia. Ao todo serão 45 dias de atividades, entre 15 de setembro e 1° de novembro, data do evento na Avenida Industrial. Uma delas é o 4º Campeonato de Drags e Transformistas, que será realizado todas às quintas-feiras, a partir das 19h30, no Teatro Municipal de Santo André.

(Colaborou Sara Saar, especial para o Diário/Supervisão Melina Dias)



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

São Paulo recebe 13º Parada do Orgulho Gay neste domingo

Ângela Corrêa
Do Diário do Grande ABC

12/06/2009 | 07:00


Com o tema Sem Homofobia, Mais Cidadania - Pela Isonomia dos Direitos, o propósito da 13ª Parada do Orgulho Gay de São Paulo, que será realizada no domingo a partir das 10h, é chamar os holofotes para a tramitação no Senado do PLC (Projeto de Lei Complementar) 122/06, que criminaliza a homofobia no País, já aprovado pela Câmara.

Depois que o primeiro dos cerca de 20 trios elétricos cruzar a Avenida Paulista, em silêncio - o carro quer reunir assinaturas que serão enviadas ao Executivo para pressionar a sanção - a ideia é bombar o cartão-postal de São Paulo com muita música eletrônica. São esperadas, aproximadamente, três milhões de pessoas, o mesmo número de 2008.

A ONG ABCD'S (Associação Brotar pela Cidadania e Diversidade Sexual), de Santo André, participa do evento pela quinta vez. O grupo será o 14º trio, o Aroeira, a entrar na avenida, contando com a presença de Tammy Gretchen, Léo Áquila e Sabrina Boing Boing.

Para o presidente e fundador da ABCD'S, Marcelo Gil, a aprovação da lei coibiria a violência contra os homossexuais. "Ainda hoje precisamos gritar que somos cidadãos. Acredito que a sociedade passará a ter respeito ao lidar com lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais. Haverá uma forma de diálogo", acredita.

Com penalidades que vão de multa a prisão de 5 anos, o PLC altera a Lei de Combate ao Racismo, o Código Penal e a CLT (Consolidação das Leis do Trabalho). Inclui gênero, sexo, orientação sexual e identidade de gênero nos crimes de preconceito ou discriminação de raça, religião, cor, etnia, origem ou condição da pessoa idosa ou com deficiência.

A bandeira da ABCD'S é uma campanha contra o neonazismo - doutrina que promove discriminação contra grupos específicos, como negros e judeus. Segundo Marcelo, a região sofre ações dos chamados Carecas do ABC, uma gangue neonazista responsável por agressões físicas e morais. "São comuns os casos de espancamento, além de piadinhas e comentários em ruas. Travestis na Avenida Industrial, em Santo André, são agredidos verbalmente todos os dias", afirma.

O trio da APOGLBT (Associação da Parada do Orgulho GLBT de São Paulo), que abre as atrações musicais do dia, será agitado por dois DJs argentinos. A cantora Madame Mim, que também integra o elenco do programa Furfles MTV, é a primeira. Em seguida, vem o DJ Hombre, que marca presença na festa há algumas edições. O carro do guia São Paulo de Bolso terá os DJs Soul Voxxy e Tato Jr, entre outros, além de ser apadrinhado por Sheila Mello e o ex-BBB Jean Wyllys.

Segundo números da coordenadoria geral de Assuntos da Diversidade Sexual do Governo do Estado, o evento recebe 320 mil visitantes, dos quais 70% vêm do interior do Estado e, 5%, do Exterior. O valor investido este ano deve girar em torno de R$ 1 milhão, dos quais R$ 350 mil são provenientes da Cads (Coordenadoria de Assuntos da Diversidade Sexual da Prefeitura).

A Polícia Militar vai patrulhar a área com efetivo de 1.200 homens, dispostos no percurso, seja a pé, em viaturas ou em helicópteros. Haverá fiscalização de bebidas alcoólicas, sobretudo as vendidas por camelôs. Este ano, a Parada ganha dois hospitais de campanha - no ano passado era apenas um. Os leitos - 140 no total - serão dispostos na Praça Roosevelt, na Avenida da Consolação e no MASP, local da concentração.

Fundada em 2004, a Associação Brotar pela Cidadania e Diversidade Sexual conta com aproximadamente 2.600 credenciados e oferece atividades regulares como o Café Diversidade que traz discussões sobre o relacionamento entre pais e filhos, às terças-feiras, às 19h30, em lugares diversos. A missão é sensibilizar a sociedade e promover a inclusão dos homossexuais.

Marcelo Gil adianta que o tema da 5ª Parada do Orgulho LGBT, em Santo André, é Solidariedade na Luta contra a Homofobia. Ao todo serão 45 dias de atividades, entre 15 de setembro e 1° de novembro, data do evento na Avenida Industrial. Uma delas é o 4º Campeonato de Drags e Transformistas, que será realizado todas às quintas-feiras, a partir das 19h30, no Teatro Municipal de Santo André.

(Colaborou Sara Saar, especial para o Diário/Supervisão Melina Dias)

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;