Esportes

Ramalhão traz vagas de empate com o Santos


O Santo André viveu uma noite quase perfeita ontem à noite, na Vila Belmiro, mas inesquecível. Diante de mais um dos grandes do futebol nacional, mostrou o mesmo ímpeto de antes da paralisação do Paulistão – em razão da pandemia do novo coronavírus –, empatou com o Santos por 1 a 1 e conquistou vagas tanto nas quartas de final do Estadual quanto na Série D de 2021, de volta ao Campeonato Brasileiro após sete temporadas. Para ser jornada absolutamente eficiente, só faltou a vitória, que escapou por entre os dedos. O Ramalhão saiu na frente no placar, em gol de Rodrigo, esteve com um a mais após a expulsão de Carlos Sanchez, mas falhou em saída de bola e permitiu a igualdade de Soteldo. O Peixe, por sua vez, consolidou a liderança do Grupo A e pode garantir vaga hoje, dependendo dos resultados de Oeste e Água Santa.

Ainda nos vestiários, jogadores, comissão técnica e diretoria andreenses celebraram os feitos conquistados. “O primeiro objetivo era não cair. Depois, buscamos a classificação. Nosso time é empenhado, sabe da limitação, veio jogar contra time grande, mas colocou aquilo que o Paulo (Roberto, treinador) propôs”, disse o meia Vitinho, que revelou o segredo ramalhino. “Humildade. É um time que depende de cota, que tem estrutura abaixo dos grandes, mas mostra vontade dentro de campo. Estamos indo degrau por degrau.”

Quando a bola rolou, o Santos tomou conta das ações da partida, impondo dificuldades e sufocando o Santo André. Porém, aos 18 minutos, em escanteio, o Ramalhão abriu o placar: o estreante Willian Goiano acertou a trave e, no rebote, Rodrigo empurrou às redes. Nem dá para dizer que calou a torcida santista, porque o duelo foi sem a presença de público (os assentos foram ocupados por cartazes com rostos de torcedores) e o sistema de som do estádio manteve gritos de incentivo dos alvinegros.

À frente no placar, os andreenses jogaram a pressão para o outro lado. Aos 43, Carlos Sanchez foi expulso pelo segundo cartão amarelo. Porém, o cenário, que parecia amplamente favorável aos visitantes, sofreu baque: aos 48, Marlon errou a saída de bola, Soteldo aproveitou, limpou os zagueiros e decretou a igualdade.

Na segunda etapa, a condição física limitada após a longa paralisação ficou evidente. Os times até criaram oportunidades, mas o empate prevaleceu até o apito final. 

Comentários


Veja Também


Voltar