Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 28 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Suíça envia extratos de ex-banqueiro e ex-deputado tucano



28/11/2018 | 07:30


A Suíça transferiu ao Brasil os detalhes sobre as contas do empresário e ex-deputado federal Ronaldo Cezar Coelho, como parte das investigações relativas ao financiamento de campanha presidencial do PSDB em 2010. O empresário, que está afastado da vida pública, foi presidente do PSDB fluminense na década de 1990.

O jornal O Estado de S. Paulo revelou que Justiça suíça citou pela primeira vez em um documento oficial suspeitas sobre o financiamento de uma campanha presidencial tucana ao mencionar o pedido de cooperação judicial entre o Brasil e o país europeu.

O Ministério Público da Suíça informou agora que os detalhes sobre a investigação se referiam ao empresário que, ao longo de meses, tentou evitar que seus extratos fossem enviados ao Brasil. "O Escritório do Procurador-Geral confirma que, neste contexto, o Escritório Federal de Justiça delegou o pedido de assistência legal do Brasil em julho de 2017 para execução", diz o comunicado. "Uma decisão determinou a transferência da documentação solicitada pelas autoridades brasileiras em junho de 2018."

Em abril, em depoimento à Polícia Federal, Cezar Coelho afirmou que recebeu do PSDB 6,5 milhões de euros em uma conta na Suíça em 2009 e 2010. Segundo ele, o dinheiro era pagamento do partido pelo uso de um avião do empresário em atividades ligadas à campanha presidencial do PSDB em 2010, que teve como candidato o atual senador José Serra (PSDB-SP).

Em janeiro do ano passado, Cezar Coelho já havia admitido o recebimento do dinheiro na Suíça.

O ex-deputado foi interrogado em 7 de fevereiro no inquérito que apura se recursos do Rodoanel Trecho Sul, em São Paulo, teriam abastecido a campanha de Serra ao Planalto. A investigação, que está no Supremo Tribunal Federal, se baseia na delação da Odebrecht, mas ex-executivos da Andrade Gutierrez e da OAS também admitiram repasses de 0,75% a intermediários supostamente em benefício do tucano.

O senador José Serra e O PSDB não responderam aos contatos da reportagem até a conclusão desta edição.

Pedido

O Ministério Público Federal brasileiro apresentou um pedido de assistência judicial à Suíça por lavagem de dinheiro, corrupção ativa e passiva. O pedido de cooperação solicitava, em 2017, que os suíços bloqueassem ativos em contas identificadas e que chegariam a R$ 43,2 milhões. De acordo com o Tribunal, isso seria "equivalente a mais de 10 milhões de francos suíços, valor total pago em uma base de corrupção entre 2006 e 2012".

Segundo a defesa de Cezar Coelho, os depósitos se referem a pagamentos para cobrir gastos com aviões que ele emprestou para a campanha do PSDB. O dinheiro na Suíça, segundo o advogado, seria um "reembolso" pelo PSDB do que foi gasto com os jatos emprestados pelo empresário para as viagens de campanha. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Suíça envia extratos de ex-banqueiro e ex-deputado tucano


28/11/2018 | 07:30


A Suíça transferiu ao Brasil os detalhes sobre as contas do empresário e ex-deputado federal Ronaldo Cezar Coelho, como parte das investigações relativas ao financiamento de campanha presidencial do PSDB em 2010. O empresário, que está afastado da vida pública, foi presidente do PSDB fluminense na década de 1990.

O jornal O Estado de S. Paulo revelou que Justiça suíça citou pela primeira vez em um documento oficial suspeitas sobre o financiamento de uma campanha presidencial tucana ao mencionar o pedido de cooperação judicial entre o Brasil e o país europeu.

O Ministério Público da Suíça informou agora que os detalhes sobre a investigação se referiam ao empresário que, ao longo de meses, tentou evitar que seus extratos fossem enviados ao Brasil. "O Escritório do Procurador-Geral confirma que, neste contexto, o Escritório Federal de Justiça delegou o pedido de assistência legal do Brasil em julho de 2017 para execução", diz o comunicado. "Uma decisão determinou a transferência da documentação solicitada pelas autoridades brasileiras em junho de 2018."

Em abril, em depoimento à Polícia Federal, Cezar Coelho afirmou que recebeu do PSDB 6,5 milhões de euros em uma conta na Suíça em 2009 e 2010. Segundo ele, o dinheiro era pagamento do partido pelo uso de um avião do empresário em atividades ligadas à campanha presidencial do PSDB em 2010, que teve como candidato o atual senador José Serra (PSDB-SP).

Em janeiro do ano passado, Cezar Coelho já havia admitido o recebimento do dinheiro na Suíça.

O ex-deputado foi interrogado em 7 de fevereiro no inquérito que apura se recursos do Rodoanel Trecho Sul, em São Paulo, teriam abastecido a campanha de Serra ao Planalto. A investigação, que está no Supremo Tribunal Federal, se baseia na delação da Odebrecht, mas ex-executivos da Andrade Gutierrez e da OAS também admitiram repasses de 0,75% a intermediários supostamente em benefício do tucano.

O senador José Serra e O PSDB não responderam aos contatos da reportagem até a conclusão desta edição.

Pedido

O Ministério Público Federal brasileiro apresentou um pedido de assistência judicial à Suíça por lavagem de dinheiro, corrupção ativa e passiva. O pedido de cooperação solicitava, em 2017, que os suíços bloqueassem ativos em contas identificadas e que chegariam a R$ 43,2 milhões. De acordo com o Tribunal, isso seria "equivalente a mais de 10 milhões de francos suíços, valor total pago em uma base de corrupção entre 2006 e 2012".

Segundo a defesa de Cezar Coelho, os depósitos se referem a pagamentos para cobrir gastos com aviões que ele emprestou para a campanha do PSDB. O dinheiro na Suíça, segundo o advogado, seria um "reembolso" pelo PSDB do que foi gasto com os jatos emprestados pelo empresário para as viagens de campanha. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;