Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 13 de Agosto

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Justiça ouve 32 testemunhas da morte de Toninho do PT


Do Diário OnLine

26/02/2003 | 09:54


A Justiça ouve entre esta quinta e sexta-feira 32 testemunhas da morte do ex-prefeito de Campinas Toninho do PT, assassinado em setembro de 2001. O seqüestrador Anderson Nilton de Paula Lima, o Andinho, principal acusado do crime, deve ouvir os depoimentos.

O advogado de Andinho, Silvio Arturu Vieira Lima, afirmou que as testemunhas devem trazer informações essenciais para inocentar seu cliente. Segundo ele, Andinho está sendo incriminado sem provas de que ele estava no carro de onde partiram os disparos que mataram o prefeito.

Entre as testemunhas a serem ouvidas está um garçom de um Bingo que diz ter ouvido uma conversa entre dois homens que planejavam matar o prefeito.

Após ouvir os depoimentos, o juiz José Henrique Torres, responsável pelo caso, deve decidir se o seqüestrador será levado a júri popular acusado da co-autoria do crime.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Justiça ouve 32 testemunhas da morte de Toninho do PT

Do Diário OnLine

26/02/2003 | 09:54


A Justiça ouve entre esta quinta e sexta-feira 32 testemunhas da morte do ex-prefeito de Campinas Toninho do PT, assassinado em setembro de 2001. O seqüestrador Anderson Nilton de Paula Lima, o Andinho, principal acusado do crime, deve ouvir os depoimentos.

O advogado de Andinho, Silvio Arturu Vieira Lima, afirmou que as testemunhas devem trazer informações essenciais para inocentar seu cliente. Segundo ele, Andinho está sendo incriminado sem provas de que ele estava no carro de onde partiram os disparos que mataram o prefeito.

Entre as testemunhas a serem ouvidas está um garçom de um Bingo que diz ter ouvido uma conversa entre dois homens que planejavam matar o prefeito.

Após ouvir os depoimentos, o juiz José Henrique Torres, responsável pelo caso, deve decidir se o seqüestrador será levado a júri popular acusado da co-autoria do crime.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;