Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 27 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

esportes@dgabc.com.br | 4435-8384

Temporada 2006 marca o final da 'Era Schumacher'


Flavio Gomes
Da Warm Up, para o Diário

11/03/2006 | 08:43


O Mundial de Fórmula 1 que começa neste fim de semana no Bahrein encerra uma era e abre algumas outras. Salvo uma enorme surpresa, os "anos Schumacher" chegam ao fim, com a esperada aposentadoria do piloto alemão que dominou a categoria desde meados dos anos 90 do século passado.

Michael, 37 anos completados em janeiro, já começou a passar o bastão na última temporada, tendo de se curvar ao talento de um garoto 13 anos mais jovem, Fernando Alonso. Tudo indica que 2006 será parecido. E Schumacher já avisou que na metade do Mundial, dependendo do prazer que sua Ferrari estiver lhe proporcionando, pega seu boné e vai cuidar dos cãezinhos na Suíça.

Junto com Alonso ascende o provável sucessor do heptacampeão, o finlandês Kimi Raikkonen, praticamente certo na Ferrari a partir de 2007. É outro candidato ao título que aparece à frente de Schumacher na lista dos favoritos deste ano. Os dois devem dominar a cena no futuro próximo. Ao lado deles, alguns outros meninos começam a despontar, como Felipe Massa e Nico Rosberg.

Mas não é só debaixo dos capacetes que a troca de guarda de manifesta. 2006 é ano de regras novas, o primeiro passo da FIA na direção de reduzir drasticamente os custos da F-1 para atrair novos times e investidores. Esse momento de transição já pode ser detectado com uma breve olhada na listas de inscritos.

Quatro equipes que disputaram o campeonato em 2005 já não existem mais. A BAR foi comprada integralmente pela Honda, que extinguiu o antigo nome e encerrou a trajetória do time criado em 1999 para ser o parque de diversões particular de Jacques Villeneuve. A BMW largou a Williams e arrematou a Sauber, mantendo o sobrenome de seu fundador sem nenhuma razão aparente.

A Jordan, que já havia sido vendida no final de 2004 a um investidor russo, agora se chama Midland F1. A Minardi foi passada para as mãos da Red Bull, que a partir dela montou seu "time B", a Toro Rosso. E do nada surgiu uma nova equipe, a Super Aguri, bancada pela Honda para abrigar Takuma Sato. A F-1 volta, depois de quase quatro anos, a ter 22 carros no grid.

O regulamento tem como principais novidades a adoção dos motores V8 de 2,4 litros no lugar dos V10 de 3.000 cc, a volta dos pit stops para troca de pneus durante as corridas e o formato dos treinos de classificação, que parecerão confusos no início, com a disputa da pole por dez carros no final da sessão única.

A tudo o público vai acabar se acostumando. Assim como o torcedor brasileiro também vai se acostumar a ver Rubens Barrichello agora de branco na fase final de sua carreira, que pode ser melhor do que todas as que viveu até hoje, e outro nativo destas bandas no seu lugar, Massa, que tem uma única bala na agulha, um contrato de um ano com a Ferrari, para provar que merece correr num time grande.

São ingredientes que fazem prever uma temporada interessante. A ela, pois.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;