Fechar
Publicidade

Domingo, 16 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Restaurante a R$ 1 fica no papel em Sto.André


Andrea Catão Maziero
Do Diário do Grande ABC

17/11/2001 | 17:28


O restaurante popular que a Prefeitura de Santo André e a Craisa (Companhia Regional de Abastecimento Integrado de Santo André) haviam programado para entrar em funcionamento até o fim deste ano ainda não saiu do papel. O secretário-adjunto de Inclusão Social e Habitação, Ricardo Beltrão, afirmou que o projeto deverá ser implementado apenas no ano que vem. “A alternativa é viável, mas faltam recursos”, disse.

A implementação do projeto foi anunciada em janeiro pelo prefeito Celso Daniel, com a proposta de que o restaurante vendesse refeição a R$ 1 para trabalhadores da cidade que não tivessem condições de pagar mais pelo almoço. O projeto funcionaria nos mesmos moldes dos restaurantes populares que já operam no Rio de Janeiro e em São Paulo. Além de vender refeição a preços populares, o espaço serviria para a formação de profissionais ligados ao setor de alimentação.

O restaurante seria criado com a ajuda de empresas privadas, e os profissionais contratados passariam primeiro por um curso de formação. A intenção era de que o equipamento funcionasse como uma espécie de restaurante-escola.

A previsão da Prefeitura também era de que o restaurante popular ficasse na região central da cidade, embora a implementação de um segundo equipamento no Jardim Santo André também já estivesse programada. Beltrão disse que as intenções continuam as mesmas, e que o restaurante é uma política possível que será integrada ao programa de Segurança Alimentar. Porém, a iniciativa ainda é barrada por questões financeiras. “Começamos a fazer contatos com empresas e apresentamos o projeto. A idéia está sendo bem aceita, mas os custos são altos.”

A intenção é que todo o planejamento se volte para a questão de o prato a R$ 1 consiga se autofinancar e não dependa da injeção de mais recursos por parte da Prefeitura, o que garantiria a viabilidade futura do programa.

O restaurante, de acordo com o secretário-adjunto, deve ter um modelo de gestão parecido com o Banco de Alimentos, onde existe uma câmara de gestão – formada por empresários, representantes do governo e Defesa Civil – para que, mesmo que ocorram mudanças na administração, o programa não venha a ser extinto.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Restaurante a R$ 1 fica no papel em Sto.André

Andrea Catão Maziero
Do Diário do Grande ABC

17/11/2001 | 17:28


O restaurante popular que a Prefeitura de Santo André e a Craisa (Companhia Regional de Abastecimento Integrado de Santo André) haviam programado para entrar em funcionamento até o fim deste ano ainda não saiu do papel. O secretário-adjunto de Inclusão Social e Habitação, Ricardo Beltrão, afirmou que o projeto deverá ser implementado apenas no ano que vem. “A alternativa é viável, mas faltam recursos”, disse.

A implementação do projeto foi anunciada em janeiro pelo prefeito Celso Daniel, com a proposta de que o restaurante vendesse refeição a R$ 1 para trabalhadores da cidade que não tivessem condições de pagar mais pelo almoço. O projeto funcionaria nos mesmos moldes dos restaurantes populares que já operam no Rio de Janeiro e em São Paulo. Além de vender refeição a preços populares, o espaço serviria para a formação de profissionais ligados ao setor de alimentação.

O restaurante seria criado com a ajuda de empresas privadas, e os profissionais contratados passariam primeiro por um curso de formação. A intenção era de que o equipamento funcionasse como uma espécie de restaurante-escola.

A previsão da Prefeitura também era de que o restaurante popular ficasse na região central da cidade, embora a implementação de um segundo equipamento no Jardim Santo André também já estivesse programada. Beltrão disse que as intenções continuam as mesmas, e que o restaurante é uma política possível que será integrada ao programa de Segurança Alimentar. Porém, a iniciativa ainda é barrada por questões financeiras. “Começamos a fazer contatos com empresas e apresentamos o projeto. A idéia está sendo bem aceita, mas os custos são altos.”

A intenção é que todo o planejamento se volte para a questão de o prato a R$ 1 consiga se autofinancar e não dependa da injeção de mais recursos por parte da Prefeitura, o que garantiria a viabilidade futura do programa.

O restaurante, de acordo com o secretário-adjunto, deve ter um modelo de gestão parecido com o Banco de Alimentos, onde existe uma câmara de gestão – formada por empresários, representantes do governo e Defesa Civil – para que, mesmo que ocorram mudanças na administração, o programa não venha a ser extinto.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;