Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 9 de Abril

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Bancos privados também têm crédito do FGTS


Luciele Velluto
Do Diário do Grande ABC

21/01/2008 | 07:04


O financiamento imobiliário com recursos da FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço) não é mais uma exclusividade da Caixa Econômica Federal. Agora, os interessados na modalidade podem optar por bancos privados, como o Itaú e a Nossa Caixa.

O juros do crédito também são semelhantes. No entanto, para quem tem mais de três anos de conta vinculada ao fundo, o financiamento da Caixa continua sendo mais vantajoso, principalmente para família com renda de até R$ 1,875 – taxa de 5,5% ao ano.

A Caixa também continua sendo a que oferece maior percentual de parcelamento – 100% no caso de imóveis novos – e maior prazo no caso dos usados – 30 anos de parcelamento.

O banco Nossa Caixa apresenta o financiamento apenas para quem tem renda de até R$ 1.875, com juros de 6% ao ano (o mesmo da Caixa para quem não tem conta vinculada ao FGTS acima de três ano) e financia até R$ 80 mil do valor do imóvel. O crédito visa atender o público de baixa renda e carente por moradia. Um dos requisitos da Nossa Caixa é ser correntista do banco, ter no mínimo três anos de conta no FGTS e não possuir moradia própria. A taxa de custo operacional é de R$ 1.100.

Já o Itaú, primeira instituição financeira privada a oferecer a modalidade, apresenta crédito que vai de R$ 40 mil a R$ 120 mil, para famílias com rendimento médio mensal de até R$ 4.900 e com 25 anos de prazo máximo para o financiamento.

Os juros, que variam de 7,66% a 8,16% ao ano, dependendo do tempo de conta do fundo de garantia, são os mais caros do mercado nessa modalidade, mas não chegam a ultrapassar a taxa mais cara da Caixa.

Por enquanto, o crédito do Itaú atenderá apenas o público da Região Metropolitana de São Paulo, Brasília e Rio de Janeiro. A taxa de administração também teve seu valor reduzido de R$ 25 para R$ 21, 43.

O Banco Real foi outra instituição que anunciou a modalidade, mas ainda não formatou o financiamento para oferecer ao público.

O que o consumidor não pode esquecer é que além dos juros anual do financiamento, ainda há a TR (Taxa Referencial), o mesmo índice que reajusta a poupança e o próprio FGTS.


Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Bancos privados também têm crédito do FGTS

Luciele Velluto
Do Diário do Grande ABC

21/01/2008 | 07:04


O financiamento imobiliário com recursos da FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço) não é mais uma exclusividade da Caixa Econômica Federal. Agora, os interessados na modalidade podem optar por bancos privados, como o Itaú e a Nossa Caixa.

O juros do crédito também são semelhantes. No entanto, para quem tem mais de três anos de conta vinculada ao fundo, o financiamento da Caixa continua sendo mais vantajoso, principalmente para família com renda de até R$ 1,875 – taxa de 5,5% ao ano.

A Caixa também continua sendo a que oferece maior percentual de parcelamento – 100% no caso de imóveis novos – e maior prazo no caso dos usados – 30 anos de parcelamento.

O banco Nossa Caixa apresenta o financiamento apenas para quem tem renda de até R$ 1.875, com juros de 6% ao ano (o mesmo da Caixa para quem não tem conta vinculada ao FGTS acima de três ano) e financia até R$ 80 mil do valor do imóvel. O crédito visa atender o público de baixa renda e carente por moradia. Um dos requisitos da Nossa Caixa é ser correntista do banco, ter no mínimo três anos de conta no FGTS e não possuir moradia própria. A taxa de custo operacional é de R$ 1.100.

Já o Itaú, primeira instituição financeira privada a oferecer a modalidade, apresenta crédito que vai de R$ 40 mil a R$ 120 mil, para famílias com rendimento médio mensal de até R$ 4.900 e com 25 anos de prazo máximo para o financiamento.

Os juros, que variam de 7,66% a 8,16% ao ano, dependendo do tempo de conta do fundo de garantia, são os mais caros do mercado nessa modalidade, mas não chegam a ultrapassar a taxa mais cara da Caixa.

Por enquanto, o crédito do Itaú atenderá apenas o público da Região Metropolitana de São Paulo, Brasília e Rio de Janeiro. A taxa de administração também teve seu valor reduzido de R$ 25 para R$ 21, 43.

O Banco Real foi outra instituição que anunciou a modalidade, mas ainda não formatou o financiamento para oferecer ao público.

O que o consumidor não pode esquecer é que além dos juros anual do financiamento, ainda há a TR (Taxa Referencial), o mesmo índice que reajusta a poupança e o próprio FGTS.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;