Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 27 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Esportes

esportes@dgabc.com.br | 4435-8384

Roger não escapa de punição, mas é perdoado por Carpegiani



21/04/2007 | 07:10


O Corinthians se cansou da falta de profissionalismo de Roger. Não treinar com os companheiros no Recife e depois revelar que estava escondendo uma séria contusão no tornozelo esquerdo foi a gota d’ água. O meia só não disse adeus sexta-feira porque o clube pretende recuperar, ao menos, uma parte dos US$ 3 milhões (cerca de R$ 9 milhões na época) investidos em sua contratação no início de 2005.

Roger está à disposição para quem quiser levá-lo – basta chegar ao Corinthians com uma boa quantia em dinheiro. Propostas envolvendo trocas de jogadores também serão avaliadas.

A revolta dos dirigentes do clube com o meia não é de agora. Até hoje ninguém aceitou a despretensiosa cobrança de pênalti na Copa do Brasil de 2005 – na eliminação para o Figueirense, que resultaria na queda do técnico Daniel Passarella, dias depois.

No clube, o camisa 7 é considerado um craque desmotivado, sem vontade para jogar bola. Sexta-feira, ganhou um de seus últimos aliados no Parque São Jorge.

O técnico Paulo César Carpegiani aceitou a justificativa do meia, de que quer voltar a ser ídolo da torcida e apagar a má impressão deixada nos últimos tempos, inclusive o rótulo de chinelinho. “Um grande jogador, que tem de se enquadrar no profissionalismo do Corinthians. É uma estrela, mas terá de provar com futebol. Se não tiver o que nos satisfaça, sairá do time”, observou Carpegiani, o oitavo treinador da era MSI a falar em nova chance ao atleta.

Carpegiani se reuniu com o jogador antes dos trabalhos físicos de sexta-feira. Ouviu Roger por meia hora e viu sinceridade no atleta. “Ele está chateado com as cobranças da torcida, com a fama de chinelinho. Por isso viajou ao Recife com uma contusão no tornozelo e não disse a ninguém”, falou o técnico. “Isso foi um erro dele. O outro, não treinar com os companheiros após os 2 a 2 com o Náutico. Aqui tem regras, por isso ele será multado. E ninguém vai aliviar”, mandou o treinador.

Pelo regulamento interno do Corinthians, atos de indisciplina grave são cabíveis de multas de 20% do salário. Roger, então, receberá R$ 40 mil a menos este mês. Seus vencimentos são os mais altos do atual elenco: R$ 200 mil.

O alto valor também joga contra o meia no atual momento. No quesito redução da folha de pagamento, o nome de Roger encabeça a lista de quem deve ser dispensado para contenção de gastos. O corintiano não estranhe, porém, se Roger barbarizar nas rodadas iniciais do Campeonato Brasileiro. Não significará que voltou a estar focado apenas no Corinthians. “Para sair de um grande clube e acertar com outro, o jogador deve ir com uma boa imagem”, recomendou Carpegiani.

Pelo que Roger vem apresentando nesta temporada, nem Corinthians, muito menos o jogador, garantiriam boas cifras para seus respectivos cofres – algo que todos querem no momento.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Roger não escapa de punição, mas é perdoado por Carpegiani


21/04/2007 | 07:10


O Corinthians se cansou da falta de profissionalismo de Roger. Não treinar com os companheiros no Recife e depois revelar que estava escondendo uma séria contusão no tornozelo esquerdo foi a gota d’ água. O meia só não disse adeus sexta-feira porque o clube pretende recuperar, ao menos, uma parte dos US$ 3 milhões (cerca de R$ 9 milhões na época) investidos em sua contratação no início de 2005.

Roger está à disposição para quem quiser levá-lo – basta chegar ao Corinthians com uma boa quantia em dinheiro. Propostas envolvendo trocas de jogadores também serão avaliadas.

A revolta dos dirigentes do clube com o meia não é de agora. Até hoje ninguém aceitou a despretensiosa cobrança de pênalti na Copa do Brasil de 2005 – na eliminação para o Figueirense, que resultaria na queda do técnico Daniel Passarella, dias depois.

No clube, o camisa 7 é considerado um craque desmotivado, sem vontade para jogar bola. Sexta-feira, ganhou um de seus últimos aliados no Parque São Jorge.

O técnico Paulo César Carpegiani aceitou a justificativa do meia, de que quer voltar a ser ídolo da torcida e apagar a má impressão deixada nos últimos tempos, inclusive o rótulo de chinelinho. “Um grande jogador, que tem de se enquadrar no profissionalismo do Corinthians. É uma estrela, mas terá de provar com futebol. Se não tiver o que nos satisfaça, sairá do time”, observou Carpegiani, o oitavo treinador da era MSI a falar em nova chance ao atleta.

Carpegiani se reuniu com o jogador antes dos trabalhos físicos de sexta-feira. Ouviu Roger por meia hora e viu sinceridade no atleta. “Ele está chateado com as cobranças da torcida, com a fama de chinelinho. Por isso viajou ao Recife com uma contusão no tornozelo e não disse a ninguém”, falou o técnico. “Isso foi um erro dele. O outro, não treinar com os companheiros após os 2 a 2 com o Náutico. Aqui tem regras, por isso ele será multado. E ninguém vai aliviar”, mandou o treinador.

Pelo regulamento interno do Corinthians, atos de indisciplina grave são cabíveis de multas de 20% do salário. Roger, então, receberá R$ 40 mil a menos este mês. Seus vencimentos são os mais altos do atual elenco: R$ 200 mil.

O alto valor também joga contra o meia no atual momento. No quesito redução da folha de pagamento, o nome de Roger encabeça a lista de quem deve ser dispensado para contenção de gastos. O corintiano não estranhe, porém, se Roger barbarizar nas rodadas iniciais do Campeonato Brasileiro. Não significará que voltou a estar focado apenas no Corinthians. “Para sair de um grande clube e acertar com outro, o jogador deve ir com uma boa imagem”, recomendou Carpegiani.

Pelo que Roger vem apresentando nesta temporada, nem Corinthians, muito menos o jogador, garantiriam boas cifras para seus respectivos cofres – algo que todos querem no momento.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;