Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 26 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

Aula de história da Sapucaí

Nario Barbosa  Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

‘Caminhos Cruzados’, de Paulo Carneiro, serviu de inspiração para samba-enredo da Portela deste ano


Miriam Gimenes

21/01/2018 | 07:00


Passará das 22h de segunda-feira, dia 12, quando o Grêmio Recreativo Escola de Samba Portela entrará na Marquês de Sapucaí. Durante pouco mais de uma hora, a escola – a mais antiga em atividade permanente no Rio de Janeiro – apresentará na passarela do samba, além de seus adereços, sambistas e carros alegóricos, uma verdadeira aula de história: a que conta a saga de imigrantes judeus que fugiram da Europa no século 17, desembarcaram no Nordeste brasileiro e tiveram papel fundamental na formação da cidade de Nova York.

E uma das principais fontes de inspiração para o enredo escolhido pela carnavalesca Rosa Magalhães foi o livro Caminhos Cruzados – A Vitoriosa Saga dos Judeus do Recife, da Expulsão da Espanha à Fundação de Nova York (Haikai Editora, 164 páginas, R$ 42, em média), do jornalista Paulo Carneiro.

O escritor, que trabalhou durante 16 anos no Diário, diz que a ideia da obra foi desvendar o ‘mito’ de que judeus que passaram pelo Nordeste fundaram Nova York. “Sou do Recife e todo pernambucano cresce com a lenda de que foram os judeus expulsos de Pernambuco em 1654 que fundaram Nova York. Ouvimos isso com um tom de brincadeira. Quando comecei a escrever sobre isso percebi que sou descendente desses judeus. Na época da expulsão, a maioria foi embora, mas muitos se embrenharam pelo sertão. A minha família paterna ficou perto de Garanhuns, em Quipapá, e a materna em São João do Cariri, no Interior da Paraíba. Escrevi com uma coisa mais emocionada, mas ficou realista.”

Durante dois anos de pesquisa, o jornalista apurou que, na verdade, os judeus não fundaram Nova York, mas participaram da construção dela. É que, fugidos da inquisição na Europa, eles vieram para Recife com os holandeses, onde ficaram durante 24 anos e, com a reconquista do Estado pelos portugueses, em 1654, tiveram três meses para tomar outro rumo.

Uns voltaram para Holanda, outros se embrenharam pelo Brasil – a exemplo dos antepassados de Carneiro –, e um terceiro grupo, de 23 refugiados, foi parar em Nova Amsterdã, na Foz do Rio Hudson, nos Estados Unidos, que tempos depois ganhou o nome de Nova York.

A história chamou a atenção da carnavalesca Rosa Magalhães, que ganhou o livro de Carneiro – um dos 100 exemplares que foram vendidos na Livraria Travessa, no Rio – de um amigo. “É uma história inusitada, que as pessoas não conhecem, além de ser muito atual, por conta dessa coisa da imigração”, diz a carnavalesca, que substituiu Paulo Barros após a conquista do título pela Portela no Carnaval do ano passado.

E este, para Carneiro, é o ponto alto do enredo, o qual ele jamais sonhou em participar: chamar atenção para a importância da harmonia entre os povos. “O enredo pegou a crise migratória que existe hoje no mundo, as pessoas que são expulsas de sua terra, e se mostra contra isso. Defende a paz entre os povos e faz as pessoas refletirem sobre os imigrantes.”

Ele se sente gratificado por participar disso e de contar essa parte da história até então desconhecida pela maioria das pessoas em uma festa de clamor popular. “O desafio que temos aí é não deixar no folclore. Tem de levar isso adiante, ter uma análise profunda sobre esse período importante da história e tirar suas lições.”

E a escola de Madureira deve levar novamente o título? “A Portela tem tudo para ser campeã. O samba é muito bom (confira a letra no quadro abaixo), empolgante, chama atenção, mexe com a gente. Somos seres humanos, temos o mesmo destino, o mesmo pai e devemos lutar por essa irmandade, sem qualquer diferença.” A águia azul e branca dará, com certeza, o seu recado.


ENREDO

DE REPENTE DE LÁ PRA CÁ E DIRREPENTE DE CÁ PRA LÁ...

Vamos simbora povo vencedor
Contar a mesma história
Sou nordestino, estrangeiro, versador
Eh eh eh viola…
Vem do arrecife oio azul cabra da peste
No doce do meu agreste, querendo se lambuzar
Oi o mar maré de saudade, oi o mar
Pedindo paz a Javé, perseguido na fé
O imigrante veio trabaiá
Oh saudade que vai na maré
Passa o tempo e não passa a dor
E um dia Pernambuco o português reconquistou

Luar do sertão, ilumina…
Pra quem deixou esse chão, triste sina
Ô cumpadi em seu peito leva um dó
Cada um em seu destino e a tristeza dá um nó (BIS)
Vixi Maria lá no meio do caminho
Tem pirata no navio
O pagamento não foi ouro nem foi prata
Essa gente aperriada foi, seguindo
Ô gira ciranda, vai a chuva vem o sol, deixa cirandar

Chega criança, homi, muié
No abraço dessa terra só não fica quem não quer (BIS)

É legado, é união, é presente, igualdade
É “Noviórque” pedestal da liberdade
A minha águia em poesia de cordel
22 vezes minha estrela lá no céu (BIS)

Lá vem Portela é melhor se segurar
Coração aberto quem quiser pode chegar (BIS)

Vem irmanar a vida inteira
Na campeã das campeãs em Madureira



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;