Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 17 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

Exagero de comédia

Divulgação  Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Tatá Werneck e Cauã Reymond apostam em química cômica no filme 'Uma Quase Dupla'


Marcela Munhoz

10/07/2018 | 07:00


 Comédia pastelão é aquela simples, com piadas escrachadas, em que os personagens são absolutamente atrapalhados. Há cenas de perseguições, muita confusão, bastante besteirol e troca de farpas – pastelão é justamente por conta da ‘guerra de tortas’. No caso de Uma Quase Dupla, filme que estreia dia 19 nos cinemas, faltam as tortas, mas sobram os tombos, bizarrices (como lamber o chão), caretas, trocadilhos e tirações de sarro entre os personagens, tudo isso em meio a um roteiro policial. É mistura do filme As Branquelas com as esquetes de Os Trapalhões.

Em longas que seguem a mesma fórmula, geralmente, a dupla é formada por dois homens (Bad Boys) ou duas mulheres (As Bem Armadas), mas a produção brasileira – dirigida por Marcus Baldini – resolveu investir em Tatá Werneck e Cauã Reymond. “Ela topou na hora, adorou a ideia. Eu fiquei mais nervoso do que nos papéis dramáticos, mas depois de tanta história pesada, quis estar em uma comédia de humor negro”, conta o ator com exclusividade ao Diário.

Cauã interpreta o subdelegado Cláudio. Um ‘tira’ que já vem com a pressão de ser como o pai, o prestigiado e falecido delegado anterior. Ele é mimado pela mãe e quer agir sempre da forma mais certinha possível. Tatá é Keyla, contratada para ajudar a desvendar série de assassinatos. Ela fala e faz tudo o que quer, se considera a melhor policial da Terra e tenta convencer os outros, a todo instante, que está certa. “Como a personagem da Tatá tinha pegada mais firme, pensei em um Cláudio mais ingênuo, tolo”, explica.

Apesar de ‘jogar’ com a colega – por quem ele se declara admirador do trabalho – o tempo todo, Cauã afirma que os improvisos não cabem em filmes. “Não se trata de um talk show.” Além disso, ele faz questão de dizer que o público não vai encontrar nos cinemas uma crítica subliminar à Polícia ou algo parecido. “É simplesmente um filme para fazer rir. A trama acontece na fictícia Joinlândia, onde todo mundo é joinha. Então, é o nosso universo de entretenimento, só isso.”

Desse universo confuso e exagerado também fazem parte os atores Ary França, Alejandro Claveaux, Louise Cardoso, Luciana Paes, Augusto Madeira e Daniel Furlan.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;