Fechar
Publicidade

Sábado, 19 de Setembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Motorista baleado desarma ladrão em São Caetano


Bruno Ribeiro
Especial para o Diário

15/01/2006 | 09:15


O proprietário de uma Saveiro Turbo 2001, Marcelo Gomes da Fonseca, 25 anos, reagiu corajosamente a uma tentativa de assalto na noite de sexta-feira e, mesmo baleado pelo ladrão, conseguiu desarmá-lo e forçá-lo a fugir. Segundo informações da polícia, Fonseca levou cinco tiros durante o assalto no bairro Santa Paula, em São Caetano. Após ser desarmado pelo dono do carro, o acusado Diego Barros de Souza, auxiliar de escritório de 19 anos, correu. Enquanto fugia, o acusado deixou cair sua mochila, que continha documentos pessoais e seu endereço. Assim, a polícia consegui prendê-lo por porte ilegal de arma e tentativa de latrocínio (assalto seguido de morte).

Ao se entregar, na tentativa de aliviar sua situação, Souza pediu para que um amigo entregasse à polícia outra arma ilegal. Os policiais simularam uma negociação com o acusado e Souza chamou o amigo que guardava a arma, Weber Pardim, 21 anos, que também acabou preso - por porte ilegal de arma. A acusação de Souza não foi aliviada.

Fonseca foi abordado na rua Nossa Senhora de Fátima, por volta das 19h de sexta. O acusado Souza pediu para que ele descesse do carro, mas o motorista reagiu e entrou em luta com o acusado. Souza teria disparado seis vezes com uma pistola Taurus calibre 38, acertando cinco tiros no dono do carro. Apesar dos ferimentos, a vítima conseguiu desarmar o acusado.

"Encontramos no local a mochila com a carteira profissional e fichas com endereço residencial e comercial do acusado", contou o cabo da PM Augusto Cuba. Os policiais foram ao endereço mas não encontraram Souza. A mãe do acusado deu aos PMs o telefone celular do suspeito. Foi então iniciada uma negociação para que ele se entregasse. Souza acabou preso com seu amigo Pardim.

A vítima não correria risco de morte, segundo a PM, mas tem duas balas alojadas na coluna. No hospital, ele reconheceu Diego Souza pela foto.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Motorista baleado desarma ladrão em São Caetano

Bruno Ribeiro
Especial para o Diário

15/01/2006 | 09:15


O proprietário de uma Saveiro Turbo 2001, Marcelo Gomes da Fonseca, 25 anos, reagiu corajosamente a uma tentativa de assalto na noite de sexta-feira e, mesmo baleado pelo ladrão, conseguiu desarmá-lo e forçá-lo a fugir. Segundo informações da polícia, Fonseca levou cinco tiros durante o assalto no bairro Santa Paula, em São Caetano. Após ser desarmado pelo dono do carro, o acusado Diego Barros de Souza, auxiliar de escritório de 19 anos, correu. Enquanto fugia, o acusado deixou cair sua mochila, que continha documentos pessoais e seu endereço. Assim, a polícia consegui prendê-lo por porte ilegal de arma e tentativa de latrocínio (assalto seguido de morte).

Ao se entregar, na tentativa de aliviar sua situação, Souza pediu para que um amigo entregasse à polícia outra arma ilegal. Os policiais simularam uma negociação com o acusado e Souza chamou o amigo que guardava a arma, Weber Pardim, 21 anos, que também acabou preso - por porte ilegal de arma. A acusação de Souza não foi aliviada.

Fonseca foi abordado na rua Nossa Senhora de Fátima, por volta das 19h de sexta. O acusado Souza pediu para que ele descesse do carro, mas o motorista reagiu e entrou em luta com o acusado. Souza teria disparado seis vezes com uma pistola Taurus calibre 38, acertando cinco tiros no dono do carro. Apesar dos ferimentos, a vítima conseguiu desarmar o acusado.

"Encontramos no local a mochila com a carteira profissional e fichas com endereço residencial e comercial do acusado", contou o cabo da PM Augusto Cuba. Os policiais foram ao endereço mas não encontraram Souza. A mãe do acusado deu aos PMs o telefone celular do suspeito. Foi então iniciada uma negociação para que ele se entregasse. Souza acabou preso com seu amigo Pardim.

A vítima não correria risco de morte, segundo a PM, mas tem duas balas alojadas na coluna. No hospital, ele reconheceu Diego Souza pela foto.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;