Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 7 de Julho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Médico é indiciado e tem prisão temporária decretada

Divulgação Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Yara Ferraz
Do Diário do Grande ABC

23/11/2016 | 07:00


 A Polícia Civil finalizou o inquérito contra o médico brasileiro formado na Bolívia que exercia a profissão sem registro do CRM (Conselho Regional de Medicina) e está envolvido no transporte de paciente que morreu após dar a luz à gêmeos em Santo André, no domingo. Graziane Soares Pereira, 33 anos, teve prisão temporária decretada por tempo indeterminado e responderá por falsidade ideológica e exercício ilegal da profissão.

Conforme o depoimento de Pereira à Polícia, o profissional assumiu utilizar nome falso e afirmou que após ser reprovado na prova do Cremesp (Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo) em 2015, aguardava ser chamado para a segunda fase do exame neste ano. O nome falso utilizado por ele (Rafael Marques) tinha registro no CRM e foi obtido pela Internet.

O médico ilegal assumiu que atuou na empresa Sérgio Remoções entre 2014 e 2015 e que foi contratado novamente, há três meses, porém não tinha registro em carteira. Segundo ele, os empregadores estavam cientes de sua situação ilegal no País. Ele recebia de R$ 100 a R$ 250 por paciente removido, chegando a ganhar quantia que variava entre R$ 5.000 e R$ 9.000 mensais.

Sobre o dia da transferência da paciente entre as unidades de São Bernardo e Santo André do Hospital Santa Helena, Pereira afirmou que, como médico socorrista, verificou os sinais vitais de Vanessa Batista, que apresentava pulsação e respiração normais, segundo ele.

Conforme o médico ilegal, a paciente apresentou queda de oxigênio no sangue quando a ambulância percorria a Avenida Perimetral, em Santo André, e, na porta da unidade, espuma rosada saiu da boca de Vanessa, o que indicaria edema no pulmão. “O kit de aspiração da ambulância ainda não estava pronto e eu optei por fazer a aspiração na emergência do hospital, pois havia saturação ainda confortável”, afirmou.

Ao chegar na unidade de Saúde, o procedimento foi feito com a supervisão de dois médicos e enfermeiras. Somente após este momento Pereira afirmou que Vanessa seria encaminhada para a UTI (Unidade de Terapia Intensiva), já que a informação inicial, antes da remoção, era a de que se tratava de paciente destinada ao setor de emergência.

O médico ilegal disse que deixou Vanessa no hospital com dificuldades respiratórias e só soube da morte após ter realizado outras duas transferências. Ele também afirmou que fez “todo o possível dentro de seu conhecimento técnico e com os instrumentos disponíveis na ambulância para a estabilização da paciente.”

De acordo com o delegado titular do 1º DP (Centro) José Rosa Incerpi, ainda falta ouvir o proprietário da empresa, que não foi encontrado e está sendo procurado. “No caso, seria para complementação do inquérito. Queremos questionar os motivos da contratação do acusado e se de fato houve negligência também da parte dele”.

Ontem, perícia foi feita na ambulância para verificar se o veículo está devidamente equipado e dentro dos padrões. A previsão é que o laudo fique pronto em 30 dias. O Cremesp instaurou sindicância para apurar o caso e vai encaminhar denúncia ao Ministério Público.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Médico é indiciado e tem prisão temporária decretada

Yara Ferraz
Do Diário do Grande ABC

23/11/2016 | 07:00


 A Polícia Civil finalizou o inquérito contra o médico brasileiro formado na Bolívia que exercia a profissão sem registro do CRM (Conselho Regional de Medicina) e está envolvido no transporte de paciente que morreu após dar a luz à gêmeos em Santo André, no domingo. Graziane Soares Pereira, 33 anos, teve prisão temporária decretada por tempo indeterminado e responderá por falsidade ideológica e exercício ilegal da profissão.

Conforme o depoimento de Pereira à Polícia, o profissional assumiu utilizar nome falso e afirmou que após ser reprovado na prova do Cremesp (Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo) em 2015, aguardava ser chamado para a segunda fase do exame neste ano. O nome falso utilizado por ele (Rafael Marques) tinha registro no CRM e foi obtido pela Internet.

O médico ilegal assumiu que atuou na empresa Sérgio Remoções entre 2014 e 2015 e que foi contratado novamente, há três meses, porém não tinha registro em carteira. Segundo ele, os empregadores estavam cientes de sua situação ilegal no País. Ele recebia de R$ 100 a R$ 250 por paciente removido, chegando a ganhar quantia que variava entre R$ 5.000 e R$ 9.000 mensais.

Sobre o dia da transferência da paciente entre as unidades de São Bernardo e Santo André do Hospital Santa Helena, Pereira afirmou que, como médico socorrista, verificou os sinais vitais de Vanessa Batista, que apresentava pulsação e respiração normais, segundo ele.

Conforme o médico ilegal, a paciente apresentou queda de oxigênio no sangue quando a ambulância percorria a Avenida Perimetral, em Santo André, e, na porta da unidade, espuma rosada saiu da boca de Vanessa, o que indicaria edema no pulmão. “O kit de aspiração da ambulância ainda não estava pronto e eu optei por fazer a aspiração na emergência do hospital, pois havia saturação ainda confortável”, afirmou.

Ao chegar na unidade de Saúde, o procedimento foi feito com a supervisão de dois médicos e enfermeiras. Somente após este momento Pereira afirmou que Vanessa seria encaminhada para a UTI (Unidade de Terapia Intensiva), já que a informação inicial, antes da remoção, era a de que se tratava de paciente destinada ao setor de emergência.

O médico ilegal disse que deixou Vanessa no hospital com dificuldades respiratórias e só soube da morte após ter realizado outras duas transferências. Ele também afirmou que fez “todo o possível dentro de seu conhecimento técnico e com os instrumentos disponíveis na ambulância para a estabilização da paciente.”

De acordo com o delegado titular do 1º DP (Centro) José Rosa Incerpi, ainda falta ouvir o proprietário da empresa, que não foi encontrado e está sendo procurado. “No caso, seria para complementação do inquérito. Queremos questionar os motivos da contratação do acusado e se de fato houve negligência também da parte dele”.

Ontem, perícia foi feita na ambulância para verificar se o veículo está devidamente equipado e dentro dos padrões. A previsão é que o laudo fique pronto em 30 dias. O Cremesp instaurou sindicância para apurar o caso e vai encaminhar denúncia ao Ministério Público.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;