Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 18 de Fevereiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Linha Azul agrada empresas do Grande ABC

Programa da Receita foi criado em 2005 para oferecer menores entraves do comércio exterior


Verônica Lima
Do Diário do Grande ABC

06/06/2008 | 07:04


O programa Linha Azul da Receita Federal criado em 2005 para oferecer menores entraves nas transações de comércio exterior das empresas exportadoras e importadoras, é considerado pelos empresários do Grande ABC como um avanço do governo.

Das 15 empresas que foram contempladas para participar do procedimento especial de facilitação aduaneira, três são da região - Basf, Solvay Indupa do Brasil e Volkswagen do Brasil.

O diretor de Supply Chain da Solvay Indupa, Sérgio Zini, informa que sua corporação conseguiu se adaptar ao programa em fevereiro deste ano e, até o presente momento, está satisfeito com os resultados.

Zini explica que não tem como mensurar em valores a economia que o procedimento trouxe, mas salienta que reduziu cerca de uma semana o processo de desembaraço da carga que importa.

"Além disso, possíveis greves e outros problemas acabam não afetando os nossos negócios. No lado da fila para fiscalização da Receita Federal, o nosso é sempre canal verde", conclui Zini.

Na opinião do superintende da Abracex (Associação Brasileira de Comércio Exterior), Benedito Pires de Almeida, o único problema do sistema é o processo demorado da habitalição das empresas à Linha Azul.

"Mas isso é fácil de entender, porque é como se o órgão outorgasse um selo de companhia séria, alegando que a empresa está trabalhando dentro da lei e que os produtos estão habilitados", informa Almeida.

HABILITAÇÃO
Segundo a Receita Federal, a empresa que quiser se aliar ao sistema tem que providenciar a regularização de eventuais pendências junto aos órgãos competentes ou termo de compromisso e cronograma de regularização,

Além disso, é necessário elaborar relatório de auditoria que aprove que os controles internos da empresa garantem o cumprimento regular de suas obrigações cadastrais, documentais, tributárias e aduaneiras.

Antes de enviar o pedido à Receita Federal, o interessado precisa protocolar requerimento de habilitação à Linha Azul na unidade da SRF com jurisdição, para fins de fiscalização dos tributos incidentes no comércio exterior, sobre o domicílio da matriz da pessoa jurídica requerente, acompanhado dos documentos e informações exigidos.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Linha Azul agrada empresas do Grande ABC

Programa da Receita foi criado em 2005 para oferecer menores entraves do comércio exterior

Verônica Lima
Do Diário do Grande ABC

06/06/2008 | 07:04


O programa Linha Azul da Receita Federal criado em 2005 para oferecer menores entraves nas transações de comércio exterior das empresas exportadoras e importadoras, é considerado pelos empresários do Grande ABC como um avanço do governo.

Das 15 empresas que foram contempladas para participar do procedimento especial de facilitação aduaneira, três são da região - Basf, Solvay Indupa do Brasil e Volkswagen do Brasil.

O diretor de Supply Chain da Solvay Indupa, Sérgio Zini, informa que sua corporação conseguiu se adaptar ao programa em fevereiro deste ano e, até o presente momento, está satisfeito com os resultados.

Zini explica que não tem como mensurar em valores a economia que o procedimento trouxe, mas salienta que reduziu cerca de uma semana o processo de desembaraço da carga que importa.

"Além disso, possíveis greves e outros problemas acabam não afetando os nossos negócios. No lado da fila para fiscalização da Receita Federal, o nosso é sempre canal verde", conclui Zini.

Na opinião do superintende da Abracex (Associação Brasileira de Comércio Exterior), Benedito Pires de Almeida, o único problema do sistema é o processo demorado da habitalição das empresas à Linha Azul.

"Mas isso é fácil de entender, porque é como se o órgão outorgasse um selo de companhia séria, alegando que a empresa está trabalhando dentro da lei e que os produtos estão habilitados", informa Almeida.

HABILITAÇÃO
Segundo a Receita Federal, a empresa que quiser se aliar ao sistema tem que providenciar a regularização de eventuais pendências junto aos órgãos competentes ou termo de compromisso e cronograma de regularização,

Além disso, é necessário elaborar relatório de auditoria que aprove que os controles internos da empresa garantem o cumprimento regular de suas obrigações cadastrais, documentais, tributárias e aduaneiras.

Antes de enviar o pedido à Receita Federal, o interessado precisa protocolar requerimento de habilitação à Linha Azul na unidade da SRF com jurisdição, para fins de fiscalização dos tributos incidentes no comércio exterior, sobre o domicílio da matriz da pessoa jurídica requerente, acompanhado dos documentos e informações exigidos.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;