Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 4 de Agosto

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

|

A última notícia da jornalista Noemia Giachello

O jornalismo-memória e suas surpresas...


Ademir Medici
Do Diário do Grande ABC

21/03/2013 | 00:00


O jornalismo-memória e suas surpresas. Onde estaria a jornalista Noemia Giachello? - Memória indagou ontem e anteontem, na abertura da Semana Ribeirão Pires 2013. Procurávamos por aquela jornalista talentosa, que deu vida à imprensa da cidade com a edição, por vários anos, do jornal A Imprensa.

Aprendemos a admirá-la pelo texto ao mesmo tempo jornalístico e de crônica, de poesia, tal e qual o de ontem, aqui em Memória, que ela publicou em 1968 originalmente no seu jornal sobre o amigo de juventude, Romeu Tolezano.

Toda a coleção de A Imprensa guardada e repassada ao Museu de Ribeirão Pires, com algumas fotos pessoais da sua carreira, como esta que publicamos hoje, de mais um evento político em Ribeirão Pires, de recepção ao ministro Mario Andreazza, dos Transportes.

De repente, chega o e-mail, enviado por Roberta, neta de Noêmia Giachello, com a resposta que não queríamos ouvir: "Infelizmente minha avó não lerá a bonita reportagem, pois faleceu nesta tarde. Em nome de toda a nossa família agradeço à homenagem".

SILÊNCIO

O nosso contato com a jornalista Noemia Costa Giachello Ferracioli ocorreu há 17 anos. Contato solitário, apenas para falar do seu A Imprensa e para nos repassar as fotos que temos publicado.

Ela estava casada, em segundas núpcias, com Antenor Ferracioli. Anos depois, com a morte do marido, Noemia mudou-se para a sua cidade natal, Santos, para viver em companhia da filha, Artenilza. Mas jamais deixou de visitar Ribeirão Pires, onde tem uma parte grande da família e tantos amigos.

Sua última vinda para Ribeirão foi sábado. Não poderia faltar ao aniversário da neta Helena. Estava bem, feliz. Passou mal, foi internada e veio a falecer na tarde de terça-feira, justamente no dia do aniversário da cidade que tantas vezes ela documentou, jornalisticamente.

Noemia partiu aos 85 anos. Deixa os filhos Alberto, Artemio e Artenilza, seis netos e três bisnetas. Foi sepultada ontem à tarde no Cemitério São José.

AMANHÃ NA SEMANA RIBEIRÃO PIRES 2013
Mostraremos, enfim, os eternos juvenis do futebol da cidade

DIÁRIO HÁ 30 ANOS
Domingo, 20 de março de 1983 - nº 5164
Grande ABC - Região parte para a criação de núcleos culturais em bairros. Reportagem: Solange Espírito Santo.
Estado - Diário inicia nova série de reportagens, entrevistando os novos secretários do governo estadual. Na estréia, Valdir dos Santos ouve Almir Pazzianoto Pinto, de Relações do Trabalho: "Jamais teria paz em minha consciência se não aceitasse a secretaria".

EM 21 DE MARÇO DE... 
1963 - Mauricio de Souza cria a personagem Mônica, inspirada em sua filha.
1978 - Tem início a demolição de casas da Vila Império, em Rudge Ramos, São Bernardo, afetadas pelas enchentes cíclicas do Ribeirão dos Meninos.

HOJE
Dia Mundial da Infância, Dia Internacional para a Eliminação da Discriminação Racial, Dia da Floresta Mundial, Dia Internacional da Síndrome de Down.

SANTOS DO DIA
Amadeu de Saboia, Berilo, Lupicínio, Santúcia e Nicolau de Flue.
Fonte - Folhinha do Sagrado Coração de Jesus, Vozes, 2013.
Jesus Maria José - A Federação das Ligas Católicas do Grande ABC tem um historiador: Hipólito José dos Santos. Ele é de Mauá e secretário da Liga Imaculada Conceição.

Domingo passado, na 30ª Concentração das Ligas, Hipólito pronunciou palestra em nome das várias entidades do Grande ABC. E historiou a origem de cada uma delas.

A Liga do bairro São José, em São Caetano (Paróquia Sagrado Coração de Jesus), é a mais antiga. Foi fundada em 1955. Tem atualmente na presidência Maria das Graças Ângelo. E se incumbirá de sediar a próxima concentração das Ligas, em 2014. A Liga de Vila São José tem reunião todo primeiro domingo do mês, após a missa das 7h.

* Ademir Medici é jornalista e autor de livros sobre a memória do Grande ABC

FALECIMENTOS

SANTO ANDRÉ
Pedro Bechiolli, 95. Natural de Pinhal (SP). Dia 16. Cemitério Curuçá.
Therezinha Perucci Defile, 81. Natural de Guaranésia (MG). Dia 16. Memorial Jardim Santo André.
Antonio Faustino dos Santos, 74. Natural de Jequié (BA). Dia 17. Cemitério Fazenda Santo Antonio, Iguai (BA).
Ascensão Martins de Oliveira, 69. Natural de Avanhandava (SP). Dia 18. Memorial Jardim Santo André.

SÃO BERNARDO
Nair Garcia Riva, 92. Natural de Cássia (MG). Dia 17, em Santo André. Jardim da Colina.
Carmen Delgado dos Santos, 81. Natural de Bauru (SP). Dia 19. Jardim da Colina.
Carlos Otavio Abreu, 78. Natural de Jardins (SP). Dia 18. Cemitério Araçá, Capital.
Erso de Souza, 76. Natural de Taubaté (SP). Dia 17. Cemitério dos Casa.
Avaldo Américo, 73. Natural de Araras (SP). Dia 16. Cemitério de Vila Paulicéia.
Raimundo Virginio dos Santos, 71. Natural de Campina Grande (PB). Dia 17. Cemitério dos Casa.
Olívia Maria da Conceição Silva, 69. Natural de Diamantina (MG). Dia 19. Jardim da Colina.
Neide dos Santos Nascimento, 60. Natural de Maringá (PR). Dia 19. Cemitério dos Casa.
Marivalda Maria Ramos, 55. natural de São Bernardo. Dia 17. Cemitério dos Casa.
José Pereira Trindade Sobrinho, 54. Natural de Macaúbas (BA). Dia 18. Jardim da Colina.

DIADEMA
José Francisco da Silva, 69. Natural de Ares (RN). Dia 17. Vale da Paz.

MAUÁ
Carlos Alberto da Silva, 47. Natural de Ribeirão Pires. Dia 17. Cemitério Santa Lídia.

RIBEIRÃO PIRES
Arlindo Alves de Oliveira, 84. Natural de Santana de Parnaíba (SP). Dia 19, em São Bernardo. Cemitério São José.

MARIA JULIA FERREIRA
(Entre Rios de Minas 5-4-1908 - São Bernardo 19-3-2013)
Dona Maria Julia. Uma mulher especial. O nascimento em Minas Gerais. O casamento com Francisco Ferreira. A vinda para o Grande ABC. O nascimento dos filhos. A vinda dos netos e bisnetos.

As netas lembram que ela era uma senhora muito dócil e sorridente. Dizia que era preciso agradecer a Deus por tudo, pelos momentos vividos, pelo ar respirado. EMQue não era o caso de ficar reclamando de qualquer coisa.Esse modo de vida de dona Maria Julia a fez vencer a barreira centenária. A alcançar os 104 anos, caminhando em direção ao ano 105. A fé que tinha a levava a fazer tudo sozinha.

Tinha uma grande amiga, dona Ema. E quando dona Ema passou a residir na Casa de Repouso Dona Adelaide, em São Bernardo, dona Maria Julia quis acompanhá-la, deixando o bairro em que viveu tantos anos e décadas, a Vila São José, em Diadema.

Em 2011, a Prefeitura de São Bernardo a visitou no Lar Dona Adelaide, homenageando-a. Agora, a partida. Deixa nove filhos, muitos netos e bisnetos. E foi sepultada ontem no Cemitério de Vila Pauliceia. A missa de 7º dia será celebrada na Paróquia Santa Rita de Cássia, em Diadema.

Serviços Funerários: Santo André - 4433-3544; São Bernardo - 4330-4527; Diadema - 4056-1045; Mauá - 4514-7399; Ribeirão Pires - 4828-1436; Rio Grande da Serra - 4820-4353.
Para anunciar um falecimento, ligue para 4435-8000. 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;