Fechar
Publicidade

Domingo, 9 de Agosto

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

FSA tem até sexta para entregar plano ao MP

Nario Barbosa/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Promotoria de Fundações instaurou inquérito em 28 de março; instituição corre o risco de fechar


Bia Moço

05/06/2018 | 07:00


A FSA (Fundação Santo André) tem até sexta-feira para entregar novo PRI (Plano de Recuperação Institucional) ao MP (Ministério Público). No dia 28 de março, a promotora de Fundações de Santo André, Ana Carolina Fuliaro Bittencourt, instaurou inquérito civil e deu dois meses para que a instituição apresentasse estudo, sob risco de intervenção e fechamento. No entanto, o prazo foi estendido.

Segundo integrantes da reitoria, após análise realizada durante os dois primeiros meses de gestão – iniciada em 1º de abril –, foi possível obter diagnóstico do grave quadro de crise financeira em que a instituição de Ensino Superior está inserida. O grupo trabalha na finalização do projeto de compensação econômica. Conforme o MP, a proposta deve ser eficaz para reverter o cenário de caos, enfrentado desde 2008.

De acordo com a reitoria, a situação financeira da Fundação Santo André é extremamente complicada e as dívidas tiveram de ser estudadas com cautela para que possam determinar as mudanças necessárias. Na noite de ontem, foi realizada reunião com a comunidade acadêmica para esclarecer o projeto. O rombo orçamentário mensal da FSA está estimado em R$ 500 mil. 

Até o momento, o Condir (Conselho Diretor) aprovou três ações com o objetivo de retomar a saúde financeira da FSA: convênio com núcleo de mediação para otimização do processo de cobrança dos alunos inadimplentes, proposta para contratação de empresa de topografia com o objetivo de que seja feita análise para cessão do campus – que pertence à Prefeitura – para ampliar o patrimônio da instituição e a implementação de laboratório de engenharia em parceria com a UFABC (Universidade Federal do ABC).

O último plano de recuperação da FSA firmado com o MP foi elaborado em 2016 ainda pela ex-reitora Leila Modanez (deixou o cargo em 31 de março), e previa economia de R$ 4,1 milhões por ano a partir de redução de custos com serviços de segurança, limpeza, contratos de prestadores de serviços, corte de 15% nos salários da reitoria. O prazo para implantação das ações expirou em fevereiro.

PENTE-FINO

O prazo final para entrega do pente-fino que investiga o número de funcionários da FSA (Fundação Santo André) que ingressaram sem concurso público se encerra hoje. Integrantes da reitoria confirmaram que aguardam a entrega de relatório oficial. O reitor, professor Francisco José Santos Milreu, é o principal alvo da investigação. Ele, inclusive, assumiu ao Diário ter sido contratado sem passar por seleção pública.

A apuração teve o prazo estendido por quatro vezes, somando 134 dias de trabalho. A comissão avaliadora tem justificado o atraso pela quantidade de documentos a serem analisados, o que a reitoria confirmou, tendo em vista a dificuldade de encontrar documentos e papéis que comprovassem contratação legal de todos os 450 contratos avaliados.  



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

FSA tem até sexta para entregar plano ao MP

Promotoria de Fundações instaurou inquérito em 28 de março; instituição corre o risco de fechar

Bia Moço

05/06/2018 | 07:00


A FSA (Fundação Santo André) tem até sexta-feira para entregar novo PRI (Plano de Recuperação Institucional) ao MP (Ministério Público). No dia 28 de março, a promotora de Fundações de Santo André, Ana Carolina Fuliaro Bittencourt, instaurou inquérito civil e deu dois meses para que a instituição apresentasse estudo, sob risco de intervenção e fechamento. No entanto, o prazo foi estendido.

Segundo integrantes da reitoria, após análise realizada durante os dois primeiros meses de gestão – iniciada em 1º de abril –, foi possível obter diagnóstico do grave quadro de crise financeira em que a instituição de Ensino Superior está inserida. O grupo trabalha na finalização do projeto de compensação econômica. Conforme o MP, a proposta deve ser eficaz para reverter o cenário de caos, enfrentado desde 2008.

De acordo com a reitoria, a situação financeira da Fundação Santo André é extremamente complicada e as dívidas tiveram de ser estudadas com cautela para que possam determinar as mudanças necessárias. Na noite de ontem, foi realizada reunião com a comunidade acadêmica para esclarecer o projeto. O rombo orçamentário mensal da FSA está estimado em R$ 500 mil. 

Até o momento, o Condir (Conselho Diretor) aprovou três ações com o objetivo de retomar a saúde financeira da FSA: convênio com núcleo de mediação para otimização do processo de cobrança dos alunos inadimplentes, proposta para contratação de empresa de topografia com o objetivo de que seja feita análise para cessão do campus – que pertence à Prefeitura – para ampliar o patrimônio da instituição e a implementação de laboratório de engenharia em parceria com a UFABC (Universidade Federal do ABC).

O último plano de recuperação da FSA firmado com o MP foi elaborado em 2016 ainda pela ex-reitora Leila Modanez (deixou o cargo em 31 de março), e previa economia de R$ 4,1 milhões por ano a partir de redução de custos com serviços de segurança, limpeza, contratos de prestadores de serviços, corte de 15% nos salários da reitoria. O prazo para implantação das ações expirou em fevereiro.

PENTE-FINO

O prazo final para entrega do pente-fino que investiga o número de funcionários da FSA (Fundação Santo André) que ingressaram sem concurso público se encerra hoje. Integrantes da reitoria confirmaram que aguardam a entrega de relatório oficial. O reitor, professor Francisco José Santos Milreu, é o principal alvo da investigação. Ele, inclusive, assumiu ao Diário ter sido contratado sem passar por seleção pública.

A apuração teve o prazo estendido por quatro vezes, somando 134 dias de trabalho. A comissão avaliadora tem justificado o atraso pela quantidade de documentos a serem analisados, o que a reitoria confirmou, tendo em vista a dificuldade de encontrar documentos e papéis que comprovassem contratação legal de todos os 450 contratos avaliados.  

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;