Fechar
Publicidade

Sábado, 18 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Caso Battisti não afetará diplomacia


Adriana Mompean
Do Diário do Grande ABC

02/02/2009 | 07:00


As relações entre Brasil e Itália não deverão ser abaladas devido ao desfecho do caso Cesare Battisti, que gerou um mal-estar entre os governos dos dois países. O ex-militante de um grupo de extrema esquerda da Itália, acusado de ter cometido quatro assassinatos e condenado a prisão perpétua, obteve em 13 de janeiro o status de refugiado político em uma decisão polêmica do ministro da Justiça, Tarso Genro.

"As relações entre os governos brasileiro e italiano são muito sólidas e transcendem uma crise como esta. Um estremecimento está totalmente fora de cogitação", analisa o embaixador Adolfo Libert Westphalen, também professor de Relações Internacionais da ESPM.

A opinião é compartilhada por Sidney Ferreira Leite, professor de Relações Internacionais da Trevisan e de pós-graduação de Gestão de Negócios Internacionais da USCS (Universidade Municipal de São Caetano do Sul). "O caso Battisti causou um desgaste diplomático, mas será superado com o tempo. Não acredito que vá tomar maiores dimensões e interferir nas relações políticas e econômicas entre os países."

Entretanto, Leite não descarta que o atual imbróglio diplomático possa respingar nos turistas. "Já existe um ambiente muito desfavorável na Europa para os brasileiros, especialmente na Espanha e Portugal. Isto pode chegar à Itália", avalia.

O presidente Luiz Inácio Lula de Silva declarou na última semana que não voltará atrás na decisão. Ele disse acreditar que o caso não irá abalar a relação de mais de um século entre os países. Porém, o chefe do governo italiano, Silvio Berlusconi, já avisou que utilizará de "todas as vias legais" para que o Brasil conceda a extradição do ex-ativista de extrema-esquerda, gerando mais tensões diplomáticas.

O caso está, agora, nas mãos do STF (Supremo Tribunal Federal), cujo presidente retornará do recesso hoje. "A questão será reexaminada pelo STF e existe a possibilidade de se reverter a decisão do ministro da Justiça, que foi visivelmente política. Há uma hipótese factível", afirma Adolfo Libert Westphalen.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Caso Battisti não afetará diplomacia

Adriana Mompean
Do Diário do Grande ABC

02/02/2009 | 07:00


As relações entre Brasil e Itália não deverão ser abaladas devido ao desfecho do caso Cesare Battisti, que gerou um mal-estar entre os governos dos dois países. O ex-militante de um grupo de extrema esquerda da Itália, acusado de ter cometido quatro assassinatos e condenado a prisão perpétua, obteve em 13 de janeiro o status de refugiado político em uma decisão polêmica do ministro da Justiça, Tarso Genro.

"As relações entre os governos brasileiro e italiano são muito sólidas e transcendem uma crise como esta. Um estremecimento está totalmente fora de cogitação", analisa o embaixador Adolfo Libert Westphalen, também professor de Relações Internacionais da ESPM.

A opinião é compartilhada por Sidney Ferreira Leite, professor de Relações Internacionais da Trevisan e de pós-graduação de Gestão de Negócios Internacionais da USCS (Universidade Municipal de São Caetano do Sul). "O caso Battisti causou um desgaste diplomático, mas será superado com o tempo. Não acredito que vá tomar maiores dimensões e interferir nas relações políticas e econômicas entre os países."

Entretanto, Leite não descarta que o atual imbróglio diplomático possa respingar nos turistas. "Já existe um ambiente muito desfavorável na Europa para os brasileiros, especialmente na Espanha e Portugal. Isto pode chegar à Itália", avalia.

O presidente Luiz Inácio Lula de Silva declarou na última semana que não voltará atrás na decisão. Ele disse acreditar que o caso não irá abalar a relação de mais de um século entre os países. Porém, o chefe do governo italiano, Silvio Berlusconi, já avisou que utilizará de "todas as vias legais" para que o Brasil conceda a extradição do ex-ativista de extrema-esquerda, gerando mais tensões diplomáticas.

O caso está, agora, nas mãos do STF (Supremo Tribunal Federal), cujo presidente retornará do recesso hoje. "A questão será reexaminada pelo STF e existe a possibilidade de se reverter a decisão do ministro da Justiça, que foi visivelmente política. Há uma hipótese factível", afirma Adolfo Libert Westphalen.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;