Fechar
Publicidade

Domingo, 5 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

|

Estreia de Felipão

Individualmente, os brasileiros falharam em demasia, facilitando a missão dos ingleses


Especial para o Diário

08/02/2013 | 00:00


Foi justa a vitória da Inglaterra em Londres. O time deles está mais entrosado do que o nosso, com a totalidade dos jogadores no meio da temporada. Além disso, individualmente, os brasileiros falharam em demasia, facilitando a missão dos ingleses.

Os erros começaram no pênalti inexistente marcado pelo árbitro português e mal cobrado por Ronaldinho; passaram pelas falhas inacreditáveis da defesa e os passes errados do meio de campo, como o de Arouca, no segundo gol inglês.

O ataque esteve apagado e pouco produziu. Luís Fabiano não fez nada, Neymar nem parecia Neymar. Lucas e Fred jogaram um pouco mais, porém, com insuficiência para verter o bom time da Inglaterra, que contou com a atuação soberba de Gerard.

Em março, teremos outros dois bons amistosos: contra a Itália, em Genebra, e Rússia, em Londres. O treinador brasileiro terá pouco tempo para definir seu time e o grupo visando a Copa das Confederações. Mas tem que dar um jeito. O tempo não será desculpa para qualquer fracasso.

REFLEXÃO
Foi um vexame inacreditável. A decisão do Super Bowl no domingo teve 34 minutos de paralisação por causa de problemas elétricos.

O caso repercutiu em todo o mundo, especialmente aqui no Brasil. As ironias e brincadeiras foram inevitáveis. O que mais se ouviu: "Ah... se fosse aqui?!".

É verdade que já tivemos dezenas, talvez centenas de casos semelhantes em estádios, ginásios e casas de espetáculos. Na maioria dos locais, claro, tomavam cuidado ao instalar geradores e sempre deixavam um eletricista de plantão.

A mesma coisa aconteceu em Nova Orleans. Mas o apagão estragou a grande festa do futebol norte-americano. Administradores do estádio pediram desculpas publicamente e também nos Estados Unidos as gozações foram inevitáveis.

Claro que uma catástrofe deve ser lamentada, mas também serve de exemplo para que não se repita. Lembro-me que na Copa das Confederações de 2005, em um jogo na então moderna arena de Frankfurt, houve um problema em parte da cobertura. Chovia forte e houve goteira-enxurrada provocada pela abertura de grande buraco no telhado.

Naquela época o mundo ficou surpreso. Afinal, os alemães têm a maior economia da Europa, o país é top e do primeiríssimo mundo e as críticas vieram de todos os cantos.

Um ano depois, no Mundial, em nenhum estádio houve qualquer problema mais grave, fruto das inspeções e atenções anteriores, destinadas a precaver qualquer acidente.

Seria lamentável ver o Brasil envolvido em algum vexame semelhante, principalmente neste ano, com a Copa das Confederações e, em 2014, com a Copa do Mundo.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;