Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 17 de Fevereiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Cultura & Lazer

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

Semana de boas risadas com a turma do belezoca


Melina Dias
Do Diário do Grande ABC

07/06/2008 | 07:03


O núcleo que mais tem rendido boas risadas em Beleza Pura, novela das sete da Globo, está em destaque na próxima semana. A turma do salão Belezoca, capitaneada por Ivete, a ótima Zezé Polessa, fica em polvorosa, depois da revelação de que Gaspar (Kadu Moliterno) é o pai de Rakelli (Ísis Valverde).

Começam as negociações para que a desmiolada garota aceite o pai. Desde o início da trama, ela achava que ele estava morto.

Maluquinha, mas de coração puro, essa não será uma tarefa difícil. Até o fim da semana tudo deve estar bem entre os dois, mas antes muita confusão vai acontecer.

Rakelli vai se casar com Robson (Marcelo Faria), mas os dois cabeça-de-vento podem ter sido engambelados na hora de assinar os papéis, que mal olham. E a garota ainda deve ir parar na Amazônia.

Da confusão, começa a pintar uma reaproximação entre os pais da garota. Ivete e Gaspar quase se beijam, mas recuam no último instante. A paixão antiga ainda deve render boas seqüências na trama.


Totalmente diferente


Até José Mayer se esquece que estreou na TV com a imagem desglamourizada do personagem Burro Falante em O Sítio do Picapau Amarelo, há 31 anos. Seus personagens mais conhecidos foram homens charmosos e mulherengos, como o Pedro, de Laços de Família. Agora, o ator de 59 anos se entusiasma com o lunático Augusto César de A Favorita. Sem a faceta sensual de seus outros papéis, Augusto tenta se manter fiel à ex-namorada Rosana, de Giulia Gam. Ex-roqueiro de sucesso nos anos 1980 e ufólogo, o personagem acredita que Rosana - que mantinha um triângulo amoroso com ele e Elias Filho, de Leonardo Medeiros - foi abduzida por um disco voador. No entanto, a personagem fugiu abandonando o filho Shiva Lenin, de Miguel Rômulo, criado pelos dois supostos pais. "O menino mora com o Augusto, mas quer ser um engravatado. Não tem o delírio romântico desse pai, que é absolutamente diferente de tudo que fiz na TV", diz.

Esse personagem vai na contramão dos papéis pragmáticos que você interpretou na TV. Como foi essa composição?

JOSÉ MAYER - Ele é um cara delirante, desprendido de seu passado e absolutamente crédulo na ufologia. É um romântico visionário. Por isso, freqüentei encontros de ufólogos. Conversei com o pesquisador Marco Petit, co-editor da revista UFO, uma das mais respeitadas nesse assunto. Nessas reuniões, não só aprendi muito, mas vi que os interessados em fenômenos são pessoas absolutamente normais, como senhoras, senhores, jovens. Vivi um pouco o ambiente para observar os comportamentos.

Qual o seu posicionamento diante da ufologia?

MAYER - Eu sou absolutamente cético, mas curioso. Concordo com um movimento mundial de estudiosos do assunto que cobram das autoridades e, principalmente da Nasa, o compartilhamento dos documentos e possíveis provas de contatos com extraterrestres, como imagens. Se ninguém libera as informações, cria-se inúmeras ficções, imagens fraudadas. Os governos poderiam esclarecer melhor os documentos que têm em mãos.

Como ele é um ex-roqueiro que fez sucesso nos anos 1980, que referências estéticas e comportamentais você imprimiu nesse trabalho?

MAYER - Voltei a tocar piano para aguçar minha sensibilidade com a música. Quanto mais tempo você tem de carreira, mais arsenal guarda para usar nos papéis. Sou mais fã do estilo do (ator Marcelo) Mastroianni do que do Robert De Niro. O ator é mais um charlatão que um cavalo. Sou um expositor de idéias e conteúdos, não um médium que incorpora espíritos. Observo pessoas nas ruas, pesquiso na internet e na literatura. A referência estética dele veio no roteiro: é um homem que abandonou o sucesso e foi viver no mato. Ou seja, deixa o cabelo grande, não tem cuidado com o visual.

Como é mostrada na história a divisão da paternidade do personagem Shiva Lenin?

MAYER - Quando Rosana (personagem da Giulia Gam) foge com outro, Augusto tem certeza que ela foi abduzida por um Ovni. Augusto e Elias não fazem o exame de DNA porque ela não queria que eles descobrissem quem era o verdadeiro pai. Ambos são muito diferentes. Enquanto meu papel é um delirante, o Elias é muito pé no chão. Eles parecem os dois maridos de Dona Flor. Mas o filho Shiva Lenin, que ambos criam como deles, mora com meu personagem na casa em forma de pirâmide.

Apesar de ainda apaixonado pela ex-namorada Rosana, seu personagem se envolve com outras mulheres na trama. Essa fama tímida de mulherengo é a única herança de seus outros papéis na TV?

MAYER - Este é pouco agressivo no assunto (risos). Como ele é fiel à lembrança da Rosana, não procura outras mulheres. Quando alguma se interessa por ele, o Augusto se deixa seduzir. É o caso da jornalista Maíra, da Juliana Paes. Ela admira esse sujeito excêntrico e fiel. Mas ele também se envolve com a Donatella, da Cláudia Raia. Está longe dos meus outros papéis ‘pegadores' (risos).



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Semana de boas risadas com a turma do belezoca

Melina Dias
Do Diário do Grande ABC

07/06/2008 | 07:03


O núcleo que mais tem rendido boas risadas em Beleza Pura, novela das sete da Globo, está em destaque na próxima semana. A turma do salão Belezoca, capitaneada por Ivete, a ótima Zezé Polessa, fica em polvorosa, depois da revelação de que Gaspar (Kadu Moliterno) é o pai de Rakelli (Ísis Valverde).

Começam as negociações para que a desmiolada garota aceite o pai. Desde o início da trama, ela achava que ele estava morto.

Maluquinha, mas de coração puro, essa não será uma tarefa difícil. Até o fim da semana tudo deve estar bem entre os dois, mas antes muita confusão vai acontecer.

Rakelli vai se casar com Robson (Marcelo Faria), mas os dois cabeça-de-vento podem ter sido engambelados na hora de assinar os papéis, que mal olham. E a garota ainda deve ir parar na Amazônia.

Da confusão, começa a pintar uma reaproximação entre os pais da garota. Ivete e Gaspar quase se beijam, mas recuam no último instante. A paixão antiga ainda deve render boas seqüências na trama.


Totalmente diferente


Até José Mayer se esquece que estreou na TV com a imagem desglamourizada do personagem Burro Falante em O Sítio do Picapau Amarelo, há 31 anos. Seus personagens mais conhecidos foram homens charmosos e mulherengos, como o Pedro, de Laços de Família. Agora, o ator de 59 anos se entusiasma com o lunático Augusto César de A Favorita. Sem a faceta sensual de seus outros papéis, Augusto tenta se manter fiel à ex-namorada Rosana, de Giulia Gam. Ex-roqueiro de sucesso nos anos 1980 e ufólogo, o personagem acredita que Rosana - que mantinha um triângulo amoroso com ele e Elias Filho, de Leonardo Medeiros - foi abduzida por um disco voador. No entanto, a personagem fugiu abandonando o filho Shiva Lenin, de Miguel Rômulo, criado pelos dois supostos pais. "O menino mora com o Augusto, mas quer ser um engravatado. Não tem o delírio romântico desse pai, que é absolutamente diferente de tudo que fiz na TV", diz.

Esse personagem vai na contramão dos papéis pragmáticos que você interpretou na TV. Como foi essa composição?

JOSÉ MAYER - Ele é um cara delirante, desprendido de seu passado e absolutamente crédulo na ufologia. É um romântico visionário. Por isso, freqüentei encontros de ufólogos. Conversei com o pesquisador Marco Petit, co-editor da revista UFO, uma das mais respeitadas nesse assunto. Nessas reuniões, não só aprendi muito, mas vi que os interessados em fenômenos são pessoas absolutamente normais, como senhoras, senhores, jovens. Vivi um pouco o ambiente para observar os comportamentos.

Qual o seu posicionamento diante da ufologia?

MAYER - Eu sou absolutamente cético, mas curioso. Concordo com um movimento mundial de estudiosos do assunto que cobram das autoridades e, principalmente da Nasa, o compartilhamento dos documentos e possíveis provas de contatos com extraterrestres, como imagens. Se ninguém libera as informações, cria-se inúmeras ficções, imagens fraudadas. Os governos poderiam esclarecer melhor os documentos que têm em mãos.

Como ele é um ex-roqueiro que fez sucesso nos anos 1980, que referências estéticas e comportamentais você imprimiu nesse trabalho?

MAYER - Voltei a tocar piano para aguçar minha sensibilidade com a música. Quanto mais tempo você tem de carreira, mais arsenal guarda para usar nos papéis. Sou mais fã do estilo do (ator Marcelo) Mastroianni do que do Robert De Niro. O ator é mais um charlatão que um cavalo. Sou um expositor de idéias e conteúdos, não um médium que incorpora espíritos. Observo pessoas nas ruas, pesquiso na internet e na literatura. A referência estética dele veio no roteiro: é um homem que abandonou o sucesso e foi viver no mato. Ou seja, deixa o cabelo grande, não tem cuidado com o visual.

Como é mostrada na história a divisão da paternidade do personagem Shiva Lenin?

MAYER - Quando Rosana (personagem da Giulia Gam) foge com outro, Augusto tem certeza que ela foi abduzida por um Ovni. Augusto e Elias não fazem o exame de DNA porque ela não queria que eles descobrissem quem era o verdadeiro pai. Ambos são muito diferentes. Enquanto meu papel é um delirante, o Elias é muito pé no chão. Eles parecem os dois maridos de Dona Flor. Mas o filho Shiva Lenin, que ambos criam como deles, mora com meu personagem na casa em forma de pirâmide.

Apesar de ainda apaixonado pela ex-namorada Rosana, seu personagem se envolve com outras mulheres na trama. Essa fama tímida de mulherengo é a única herança de seus outros papéis na TV?

MAYER - Este é pouco agressivo no assunto (risos). Como ele é fiel à lembrança da Rosana, não procura outras mulheres. Quando alguma se interessa por ele, o Augusto se deixa seduzir. É o caso da jornalista Maíra, da Juliana Paes. Ela admira esse sujeito excêntrico e fiel. Mas ele também se envolve com a Donatella, da Cláudia Raia. Está longe dos meus outros papéis ‘pegadores' (risos).

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;