Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 7 de Abril

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

PM defende regulamentação dos 'flanelinhas'


Adriana Ferraz
Do Diário do Grande ABC

15/06/2008 | 07:00


O comando da Polícia Militar no Grande ABC defende a regulamentação da atividade de flanelinha como forma de fiscalizar e punir abusos na região. Segundo o tenente-coronel Francisco Rissi Filho, comandante interino do CPA/M-6 (Comando de Policiamento Metropolitano 6), as prefeituras devem trabalhar na triagem, cadastro e controle dos guardadores de carro. A medida facilitaria o trabalho da polícia e proporcionaria tranqüilidade aos motoristas que estacionam em vias públicas.

"Por meio desta regulamentação, os municípios poderiam até definir os locais onde a atividade seria permitida. Os guardadores de carros poderiam usar coletes, crachás e fazer parte de um censo municipal. Caso alguma desobediência fosse registrada, o flanelinha seria punido ou até mesmo descredenciado", afirma.

A proposta funciona em cidades como Belo Horizonte, em Minas Gerais, e Bauru, no Interior. Na região, porém, nenhum município demonstrou interesse em implementar normas para a atividade. Questionadas, as prefeituras reconhecem a presença dos flanelinhas nas ruas e afirmam que o serviço acontece na informalidade.

A forma mais comum de coibir a prática é implementando áreas de Zona Azul. O diretor do Departamento de Trânsito e Circulação de Santo André, Eric Lamarca, diz que a medida funciona, pelo menos durante o dia. "À noite, porém, boa parte volta às ruas. Em Santo André, apreendemos cones e cavaletes usados para guardar vagas. Já enfrentamos resistência nas proximidades do clube Aramaçan. É um trabalho complicado. A população deve colaborar, denunciando e, se preciso, registrando boletim de ocorrência na polícia."

A mesma orientação é passada pelos comandos das guarda municipais de São Caetano e São Bernardo. "As pessoas devem pedir ajuda em casos de constrangimento. Quando abordamos os flanelinhas procuramos identificá-los, até com pesquisa de antecedentes criminais, e encaminhá-los para a Secretaria de Desenvolvimento Social e Cidadania", diz o coronel Antônio Branco, de São Bernardo.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

PM defende regulamentação dos 'flanelinhas'

Adriana Ferraz
Do Diário do Grande ABC

15/06/2008 | 07:00


O comando da Polícia Militar no Grande ABC defende a regulamentação da atividade de flanelinha como forma de fiscalizar e punir abusos na região. Segundo o tenente-coronel Francisco Rissi Filho, comandante interino do CPA/M-6 (Comando de Policiamento Metropolitano 6), as prefeituras devem trabalhar na triagem, cadastro e controle dos guardadores de carro. A medida facilitaria o trabalho da polícia e proporcionaria tranqüilidade aos motoristas que estacionam em vias públicas.

"Por meio desta regulamentação, os municípios poderiam até definir os locais onde a atividade seria permitida. Os guardadores de carros poderiam usar coletes, crachás e fazer parte de um censo municipal. Caso alguma desobediência fosse registrada, o flanelinha seria punido ou até mesmo descredenciado", afirma.

A proposta funciona em cidades como Belo Horizonte, em Minas Gerais, e Bauru, no Interior. Na região, porém, nenhum município demonstrou interesse em implementar normas para a atividade. Questionadas, as prefeituras reconhecem a presença dos flanelinhas nas ruas e afirmam que o serviço acontece na informalidade.

A forma mais comum de coibir a prática é implementando áreas de Zona Azul. O diretor do Departamento de Trânsito e Circulação de Santo André, Eric Lamarca, diz que a medida funciona, pelo menos durante o dia. "À noite, porém, boa parte volta às ruas. Em Santo André, apreendemos cones e cavaletes usados para guardar vagas. Já enfrentamos resistência nas proximidades do clube Aramaçan. É um trabalho complicado. A população deve colaborar, denunciando e, se preciso, registrando boletim de ocorrência na polícia."

A mesma orientação é passada pelos comandos das guarda municipais de São Caetano e São Bernardo. "As pessoas devem pedir ajuda em casos de constrangimento. Quando abordamos os flanelinhas procuramos identificá-los, até com pesquisa de antecedentes criminais, e encaminhá-los para a Secretaria de Desenvolvimento Social e Cidadania", diz o coronel Antônio Branco, de São Bernardo.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;