Fechar
Publicidade

Domingo, 29 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Bolsonaro recomendou a Moro que se demitisse, diz PF

 Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


03/09/2020 | 06:46


Relatório da Polícia Federal enviado ao Supremo Tribunal Federal mostra troca de mensagens inéditas entre o presidente Jair Bolsonaro e o ex-ministro da Justiça Sérgio Moro. A conversa, por telefone, indica que o presidente pressionou o ex-juiz da Lava Jato após se sentir contrariado com uma declaração de Moro à imprensa.

O relatório da PF analisou conversas trocadas entre os dois entre 12 e 23 de abril - um dia antes de o ex-ministro anunciar sua demissão e acusar o presidente de interferir politicamente no comando da corporação para obter dados sigilosos.

A conversa ocorreu no dia 12 de abril, quando Bolsonaro encaminhou notícia do jornal Valor Econômico na qual Moro diz que a polícia poderia prender quem descumprisse o distanciamento social na quarentena.

"Se esta matéria for verdadeira, todos os ministros, caso queira contrariar o presidente, pode fazê-lo, mas tenha dignidade para se demitir. Aberto para a imprensa", escreveu Bolsonaro a Moro. O então ministro respondeu: "O que existe é o artigo 268 do Código Penal. Não falei com imprensa". O artigo 268 considera crime punível com detenção a quem infringir determinação do poder público que se destina a impedir propagação de doença contagiosa.

Bolsonaro e Moro são investigados em inquérito aberto em abril no STF para apurar as acusações do ex-ministro sobre suposta interferência do presidente na PF. O Palácio do Planalto nega.

Nesta quarta-feira, 2, a PF pediu a prorrogação do inquérito por mais 30 dias. O caso está sendo conduzido pelo ministro Celso de Mello, do STF, que está de licença médica. Uma das diligências que devem ser realizadas é o depoimento de Bolsonaro, ainda sem data e forma para ocorrer.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Bolsonaro recomendou a Moro que se demitisse, diz PF


03/09/2020 | 06:46


Relatório da Polícia Federal enviado ao Supremo Tribunal Federal mostra troca de mensagens inéditas entre o presidente Jair Bolsonaro e o ex-ministro da Justiça Sérgio Moro. A conversa, por telefone, indica que o presidente pressionou o ex-juiz da Lava Jato após se sentir contrariado com uma declaração de Moro à imprensa.

O relatório da PF analisou conversas trocadas entre os dois entre 12 e 23 de abril - um dia antes de o ex-ministro anunciar sua demissão e acusar o presidente de interferir politicamente no comando da corporação para obter dados sigilosos.

A conversa ocorreu no dia 12 de abril, quando Bolsonaro encaminhou notícia do jornal Valor Econômico na qual Moro diz que a polícia poderia prender quem descumprisse o distanciamento social na quarentena.

"Se esta matéria for verdadeira, todos os ministros, caso queira contrariar o presidente, pode fazê-lo, mas tenha dignidade para se demitir. Aberto para a imprensa", escreveu Bolsonaro a Moro. O então ministro respondeu: "O que existe é o artigo 268 do Código Penal. Não falei com imprensa". O artigo 268 considera crime punível com detenção a quem infringir determinação do poder público que se destina a impedir propagação de doença contagiosa.

Bolsonaro e Moro são investigados em inquérito aberto em abril no STF para apurar as acusações do ex-ministro sobre suposta interferência do presidente na PF. O Palácio do Planalto nega.

Nesta quarta-feira, 2, a PF pediu a prorrogação do inquérito por mais 30 dias. O caso está sendo conduzido pelo ministro Celso de Mello, do STF, que está de licença médica. Uma das diligências que devem ser realizadas é o depoimento de Bolsonaro, ainda sem data e forma para ocorrer.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;