Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 4 de Agosto

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

economia@dgabc.com.br | 4435-8057

Servidores federais propõem unir categoria


Luciele Velluto
Do Diário do Grande ABC

08/02/2008 | 07:01


Mesmo com o ministro do Planejamento Paulo Bernardo assegurando que os acordos salariais negociados no último ano serão cumpridos, as entidades de representação dos servidores públicos federais ainda não estão tranqüilas quanto ao reajuste da categoria. O Condsef (Confederação Nacional dos Trabalhadores no Serviço Público Federal) quer unir os sindicatos e associações para garantir as negociações.

Segundo o secretário-geral da confederação, Josemilton Costa, no próximo dia 19 será realizada uma reunião com diversas organizações de trabalhadores do setor – como o sindicato dos fiscais da receita federal e profissionais da Educação – para buscar um entendimento para as reivindicações e avaliar o atual discurso do governo federal. “Só a unidade garante os acordos”, diz.

Para o dirigente, apesar do ministro ter tranqüilizado a categoria afirmando que os acordos serão cumpridos, ele afirmou que os prazos para esses reajustes terão de ser alterados por conta da falta de aprovação do orçamento da União.

“O problema é que o orçamento sai só no início de março e esperamos voltar a conversar sobre os prazos. O ministro não nos falou para quando vão esses prazos”, explica Costa.

As entidades também ainda não estão confiantes que o governo cumprirá o que foi acordado, pois ainda se corre o risco de o orçamento sair sem o aumento dos servidores por conta do fim da CPMF (Contribuição Provisória sobre a Movimentação Financeira).

Nos dias 23 e 24 deste mês, a confederação marcou plenária para avaliar a situação dos trabalhadores e ainda montar um calendário de ações para os próximos dias.

“Vamos fazer mobilizações para pressionar o governo para que o acordo seja cumprido. No momento precisamos de união da categoria”, diz Costa. Mesmo assim, a entidade não descarta uma greve caso a decisão do governo não saia em março.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;