Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 27 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Hostilidade à guerra aumenta no ramadã


Das Agências

14/11/2001 | 12:34


Os sentimentos hostis à guerra contra o Afeganistão na Arábia Saudita, berço do islã, tornam-se mais intensos durante o ramadã, mês sagrado muçulmano, que começa esta semana. Religiosos, pregadores, escritores e autoridades políticas da Arábia Saudita, país que aplica estritamente a sharia (lei islâmica), disseram ser contra os bombardeios, que, em princípio, continuarão durante o ramadã.

Membros do Comitê de Ulemás (a mais alta autoridade religiosa da Arábia Saudita), presidido pelo grande mufti, criticaram a guerra no Afeganistão, dizendo que ela põe em risco a vida de "irmãos muçulmanos".

"Posso dizer que, apesar de numerosos sauditas não aprovarem os atentados contra os Estados Unidos nem os atos de Osama Bin Laden, eles se opõem veementemente à guerra contra o Afeganistão", assinalou um analista em Riad. O povo saudita é "muito religioso é não se pode esperar que apóie a matança de outros muçulmanos. Acredito que o sentimento contrário à guerra aumentará durante o ramadã", acrescentou a fonte, que pediu para não ser identificada.

O ramadã, que este ano começa quinta ou sexta-feira, é um período de orações que prescreve o jejum num período diário entre o alvorecer e o pôr do sol, e festividades à noite.

O islã não proíbe oficialmente a guerra durante o ramadã. Foi durante esse mês que o profeta Maomé conquistou Meca, no ano 630. Mas também é nesse período que o sentimento de solidariedade aos muçulmanos do mundo, principalmente afegãos, iraquianos e palestinos, é mais forte, e que o conceito de guerra santa e sacrifício está particularmente presente.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Hostilidade à guerra aumenta no ramadã

Das Agências

14/11/2001 | 12:34


Os sentimentos hostis à guerra contra o Afeganistão na Arábia Saudita, berço do islã, tornam-se mais intensos durante o ramadã, mês sagrado muçulmano, que começa esta semana. Religiosos, pregadores, escritores e autoridades políticas da Arábia Saudita, país que aplica estritamente a sharia (lei islâmica), disseram ser contra os bombardeios, que, em princípio, continuarão durante o ramadã.

Membros do Comitê de Ulemás (a mais alta autoridade religiosa da Arábia Saudita), presidido pelo grande mufti, criticaram a guerra no Afeganistão, dizendo que ela põe em risco a vida de "irmãos muçulmanos".

"Posso dizer que, apesar de numerosos sauditas não aprovarem os atentados contra os Estados Unidos nem os atos de Osama Bin Laden, eles se opõem veementemente à guerra contra o Afeganistão", assinalou um analista em Riad. O povo saudita é "muito religioso é não se pode esperar que apóie a matança de outros muçulmanos. Acredito que o sentimento contrário à guerra aumentará durante o ramadã", acrescentou a fonte, que pediu para não ser identificada.

O ramadã, que este ano começa quinta ou sexta-feira, é um período de orações que prescreve o jejum num período diário entre o alvorecer e o pôr do sol, e festividades à noite.

O islã não proíbe oficialmente a guerra durante o ramadã. Foi durante esse mês que o profeta Maomé conquistou Meca, no ano 630. Mas também é nesse período que o sentimento de solidariedade aos muçulmanos do mundo, principalmente afegãos, iraquianos e palestinos, é mais forte, e que o conceito de guerra santa e sacrifício está particularmente presente.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;