Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 19 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Coletor-tronco de Diadema deve ser entregue em 2011

Obras no Corredor ABD estavam previstas para maio deste ano


Camila Galvez
Do Diário do Grande ABC

10/12/2010 | 07:03


As obras do coletor-tronco Curral Grande, que começaram no fim de 2008 e deveriam ser entregues em maio deste ano, só serão finalizadas após mais de um ano de atraso. As intervenções, que há dois anos impedem a circulação em uma das faixas de um trecho do Corredor ABD, em Diadema, atrasaram após problemas com a empreiteira, conforme informações da Saned (Companhia de Saneamento de Diadema).

Segundo o prefeito de Diadema, Mário Reali (PT), as obras estão sendo retomadas aos poucos. "Como o método utilizado é não destrutivo, é normal levar mais tempo para concluir, mas os problemas com a empreiteira acabaram por atrasar o cronograma. O compromisso é entregar até a metade de 2011", explicou. A faixa do Corredor ABD deve ser reaberta antes, em março.

Apesar da afirmação de Reali e de nota da Saned que diz que os trabalhos foram retomados no dia 1º, a equipe do Diário constatou que a obra continuava parada na manhã de ontem. O buraco aberto para a realização do serviço estava cheio de água e lixo, com aspecto de abandono.

A Saned afirmou que as intervenções permaneceram interrompidas por cerca de três meses após alterações de projeto e equipamento quebrado. A empreiteira foi notificada e multada, mas o valor não foi divulgado pela empresa.

Dos 600 metros de canalização previstos para o coletor-tronco, faltam ainda 540 metros, ou seja, menos de 10% do serviço foi executado.

ESGOTO
A conclusão da obra é importante para passar dos 13% de esgoto tratado atualmente na cidade para 38%. A instalação das tubulações é feita a partir de poços subterrâneos por onde os operários têm acesso à obra. Ao invés de escavar valas a céu aberto, as intervenções seguem por túneis subterrâneos.

A obra custou R$ 4,2 milhões, sendo R$ 420 mil da Saned e o restante financiado pelo PAC (Programa de Aceleração do Crescimento), do governo federal.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;