Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 29 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Defensoria quer acabar
com revista íntima em CDPs

André Henriques/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Órgão entende que a prática é humilhante aos
familiares dos detentos e pede adoção de escaner


Rafael Ribeiro Do Diário do Grande ABC

02/09/2013 | 07:02


Defensoria Pública de Santo André planeja entrar, nos próximos dias, com ação junto aos juízes corregedores de presídios da região para pedir o fim da revista íntima a familiares e companheiras de detentos nos quatro CDPs (Centros de Detenção Provisórias) existentes no Grande ABC – Santo André, São Bernardo, Diadema e Mauá.

O pedido é justificado pelas constantes queixas dos familiares, que alegam se sentir humilhados por ficar nu e dizem que os agentes penitenciários são rudes no tratamento. “Aumentou o número de reclamações”, disse o defensor andreense Marcelo Carneiro Novaes. “Não existe norma e ética, e isso fere a dignidade humana. Não há base legal para esse tipo de procedimento”, completou.

Em julho, a Defensoria lançou cartilha que informa às famílias de presos quais são os direitos que devem ser respeitados durante a revista. É ilegal, segundo Noaves, obrigar a pessoa a expor suas partes íntimas, por exemplo. Quem for submetido a constrangimento deve procurar o órgão e denunciar. O documento está sendo distribuído em todos os centros prisionais do Estado.

Outra razão apontada pela Defensoria para tentar barrar o procedimento na Justiça é o fato de, em maio, o juiz corregedor de presídios de Joinville (Santa Catarina) ter emitido portaria acatando pedido feito pelo fim da revista íntima.

Desde então, todo o Estado trocou o tradicional método pela instalação de escaneres corporais e detectores de metal. O método é utilizado em outros lugares do País, como Goiás e no presídio de Bangu 1, no Rio de Janeiro.

“Essa é a principal luta, pelos direitos humanos. Hoje existe tecnologia para inibir a entrada de materiais proibidos”, disse padre Valdir João Silveira, coordenador nacional da Pastoral Carcerária.

HUMILHAÇÃO

O pedido da Defensoria é recebido com entusiasmo entre mães e companheiras dos detentos. Há três anos, a vendedora Márcia nome fictício), 27 anos, cumpre rotina de sair de casa no Parque Aliança, em Ribeirão Pires, para visitar o marido, detido por roubo. O procedimento é conhecido. Sacolas na esteira, roupas no chão, e as pernas abertas diante do espelho. “E lágrimas nos olhos”, completou.

“É degradante. Você tem que abaixar e levantar três vezes seguidas. E quando eles não encontram nada e ainda suspeitam, colocam o dedo, passam a mão”, disse.

Justamente pela violência é que muitos detentos proíbem as famílias de ir vê-los. “Mas muitos deles são abandonados mesmo, porque a pessoa vai uma vez, descobre como é e não volta mais”, apontou o Padre Valdir.

Joana (nome fictício), 23, é um exemplo. Ela mantinha namoro de dois anos quando descobriu que o companheiro havia sido preso em flagrante por tentativa de latrocínio. Custando a acreditar que pudesse ser verdade, ela saiu de casa, no Jardim Calux, em São Bernardo, e foi até o CDP de Diadema. “Fui contra a vontade da minha família, escondida, sem saber. Fiquei dez horas na fila e me senti invadida. Nunca mais voltei.”

A Defensoria aponta que a instalação do escaner diminuiria até o tempo de espera nas filas de visita. “Os direitos das pessoas são violados. A visitante do preso não cometeu nenhum crime, não pode receber um tratamento hostil desses”, concluiu Padre Valdir.

SAP nega abusos e defende permanência de método no sistema

Por meio de nota, a SAP (Secretaria de Administração Penitenciária do Estado) respondeu ao Diário que a revista íntima realizada nos dias de visita é, sim, rigorosa, mas não “constrangedora e vexatória”. “A SAP lamenta que muitas mulheres utilizem suas partes íntimas para ocultar drogas e celulares”, diz a nota.

Com a instlação de escaneres fora dos planos, a Pasta justifica a permanência do método e seu rigor por meio dos dados de celulares apreendidos com visitantes antes de entrarem nas unidades prisionais do Estado. Nos três primeiros meses do ano, foram flagrados 23,6% do total de todas as ocorrências do tipo registradas em 2012.

“Graças a esses procedimentos, ultimamente não há apreensões de armas nas prisões”, completou a nota.

 

“Entendemos que apesar da justificativa, poderia ser utilizado método menos punitivo às famílias. Existe a base legal para isso. Mas falta vontade de melhorar”, disse o defensor Marcelo Novaes Carneiro.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Defensoria quer acabar
com revista íntima em CDPs

Órgão entende que a prática é humilhante aos
familiares dos detentos e pede adoção de escaner

Rafael Ribeiro Do Diário do Grande ABC

02/09/2013 | 07:02


Defensoria Pública de Santo André planeja entrar, nos próximos dias, com ação junto aos juízes corregedores de presídios da região para pedir o fim da revista íntima a familiares e companheiras de detentos nos quatro CDPs (Centros de Detenção Provisórias) existentes no Grande ABC – Santo André, São Bernardo, Diadema e Mauá.

O pedido é justificado pelas constantes queixas dos familiares, que alegam se sentir humilhados por ficar nu e dizem que os agentes penitenciários são rudes no tratamento. “Aumentou o número de reclamações”, disse o defensor andreense Marcelo Carneiro Novaes. “Não existe norma e ética, e isso fere a dignidade humana. Não há base legal para esse tipo de procedimento”, completou.

Em julho, a Defensoria lançou cartilha que informa às famílias de presos quais são os direitos que devem ser respeitados durante a revista. É ilegal, segundo Noaves, obrigar a pessoa a expor suas partes íntimas, por exemplo. Quem for submetido a constrangimento deve procurar o órgão e denunciar. O documento está sendo distribuído em todos os centros prisionais do Estado.

Outra razão apontada pela Defensoria para tentar barrar o procedimento na Justiça é o fato de, em maio, o juiz corregedor de presídios de Joinville (Santa Catarina) ter emitido portaria acatando pedido feito pelo fim da revista íntima.

Desde então, todo o Estado trocou o tradicional método pela instalação de escaneres corporais e detectores de metal. O método é utilizado em outros lugares do País, como Goiás e no presídio de Bangu 1, no Rio de Janeiro.

“Essa é a principal luta, pelos direitos humanos. Hoje existe tecnologia para inibir a entrada de materiais proibidos”, disse padre Valdir João Silveira, coordenador nacional da Pastoral Carcerária.

HUMILHAÇÃO

O pedido da Defensoria é recebido com entusiasmo entre mães e companheiras dos detentos. Há três anos, a vendedora Márcia nome fictício), 27 anos, cumpre rotina de sair de casa no Parque Aliança, em Ribeirão Pires, para visitar o marido, detido por roubo. O procedimento é conhecido. Sacolas na esteira, roupas no chão, e as pernas abertas diante do espelho. “E lágrimas nos olhos”, completou.

“É degradante. Você tem que abaixar e levantar três vezes seguidas. E quando eles não encontram nada e ainda suspeitam, colocam o dedo, passam a mão”, disse.

Justamente pela violência é que muitos detentos proíbem as famílias de ir vê-los. “Mas muitos deles são abandonados mesmo, porque a pessoa vai uma vez, descobre como é e não volta mais”, apontou o Padre Valdir.

Joana (nome fictício), 23, é um exemplo. Ela mantinha namoro de dois anos quando descobriu que o companheiro havia sido preso em flagrante por tentativa de latrocínio. Custando a acreditar que pudesse ser verdade, ela saiu de casa, no Jardim Calux, em São Bernardo, e foi até o CDP de Diadema. “Fui contra a vontade da minha família, escondida, sem saber. Fiquei dez horas na fila e me senti invadida. Nunca mais voltei.”

A Defensoria aponta que a instalação do escaner diminuiria até o tempo de espera nas filas de visita. “Os direitos das pessoas são violados. A visitante do preso não cometeu nenhum crime, não pode receber um tratamento hostil desses”, concluiu Padre Valdir.

SAP nega abusos e defende permanência de método no sistema

Por meio de nota, a SAP (Secretaria de Administração Penitenciária do Estado) respondeu ao Diário que a revista íntima realizada nos dias de visita é, sim, rigorosa, mas não “constrangedora e vexatória”. “A SAP lamenta que muitas mulheres utilizem suas partes íntimas para ocultar drogas e celulares”, diz a nota.

Com a instlação de escaneres fora dos planos, a Pasta justifica a permanência do método e seu rigor por meio dos dados de celulares apreendidos com visitantes antes de entrarem nas unidades prisionais do Estado. Nos três primeiros meses do ano, foram flagrados 23,6% do total de todas as ocorrências do tipo registradas em 2012.

“Graças a esses procedimentos, ultimamente não há apreensões de armas nas prisões”, completou a nota.

 

“Entendemos que apesar da justificativa, poderia ser utilizado método menos punitivo às famílias. Existe a base legal para isso. Mas falta vontade de melhorar”, disse o defensor Marcelo Novaes Carneiro.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;