Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 18 de Julho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Esportes

esportes@dgabc.com.br | 4435-8384

Azulão recebe Boa com técnico interino

Celso Luiz/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Nenê Santana comanda time, que luta para se afastar da zona de rebaixamento


Marco Borba

16/08/2013 | 08:10


 Com técnico interino, o São Caetano recebe o Boa Esporte, às 19h30, no Anacleto Campanella, em busca de reabilitação na Série B do Campeonato Brasileiro. Nenê Santana ficará no banco de reservas no lugar de Marcelo Veiga, que deixou o clube anteontem por causa dos maus resultados dos últimos jogos. À frente do Azulão em 15 partidas, conseguiu apenas quatro vitórias. 

A equipe é a 16ª na tabela, com 16 pontos, e precisa de reação imediata para não mergulhar novamente na zona de rebaixamento. 

Nenê Santana, 54 anos, que é auxiliar técnico do clube e foi contratado na reta final do Paulistão para a vaga de Ailton Silva, hoje técnico do Mogi Mirim, parece já ter identificado um dos pontos frágeis da equipe e espera corrigir apenas com boa conversa, já que só teve um dia para treinar o time para a partida.

“Temos de compactar mais, ficar mais perto um do outro e apertar a marcação para forçar o erro do adversário. Nosso meio campo às vezes ficava com um buraco”, analisou o treinador, que vem comandando a equipe B na Copa Paulista.

Ex-jogador – atuou como zagueiro na Ponte Preta, Palmeiras, Vasco e Portuguesa, entre outros –, Nenê não confirmou, mas pode fazer mudanças no meio, justamente para ver se consegue corrigir falhas de marcação e de posicionamento. 

Caso mexa na equipe, o volante Pirão é um dos candidatos a perder a vaga para Anselmo, que treinou entre os titulares. Outro que também pode perder espaço é Giancarlo, que não vem bem nas últimas rodadas. Jael pode reassumir o posto.

“Não defini ainda. Fiz só um treino e testei essa formação, mas não quer dizer que vou usá-la. Às vezes conseguimos corrigir apenas com uma boa conversa”, disse o interino.</CW>

Durante as instruções de posicionamento, o treinador passou mensagens de otimismo aos atletas. “Não é que não tinha confiança. É que quando o resultado não vem, gera desconfiança. É preciso que um confie no outro companheiro. Se estão aqui, é porque têm qualidade para vestir a camisa.”

O Boa Esporte, sexto colocado com 23 pontos, vem de derrota para o Paraná, por 3 a 1, e também busca a reabilitação no torneio. 

Para Danilo Bueno, equipe é boazinha com adversários 

O São Caetano tem sido muito bonzinho na marcação com os adversários, e por isso tem sofrido as consequências. A análise é de Danilo Bueno, que volta à equipe após cumprir suspensão contra o América-MG.

Segundo o meia, em alguns jogos o time poderia ter tido melhor sorte e recorresse às faltas em vez de deixar os adversários darem sequência às jogadas.

“Contra o Palmeiras, deixamos o Alan Kardec avançar e finalizar. Não estou dizendo que temos de ser violentos, mas é do jogo matar a jogada com falta.”

Danielo Bueno lamentou a saída de Marcelo Veiga, com quem havia trabalhado no Bragantino.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Azulão recebe Boa com técnico interino

Nenê Santana comanda time, que luta para se afastar da zona de rebaixamento

Marco Borba

16/08/2013 | 08:10


 Com técnico interino, o São Caetano recebe o Boa Esporte, às 19h30, no Anacleto Campanella, em busca de reabilitação na Série B do Campeonato Brasileiro. Nenê Santana ficará no banco de reservas no lugar de Marcelo Veiga, que deixou o clube anteontem por causa dos maus resultados dos últimos jogos. À frente do Azulão em 15 partidas, conseguiu apenas quatro vitórias. 

A equipe é a 16ª na tabela, com 16 pontos, e precisa de reação imediata para não mergulhar novamente na zona de rebaixamento. 

Nenê Santana, 54 anos, que é auxiliar técnico do clube e foi contratado na reta final do Paulistão para a vaga de Ailton Silva, hoje técnico do Mogi Mirim, parece já ter identificado um dos pontos frágeis da equipe e espera corrigir apenas com boa conversa, já que só teve um dia para treinar o time para a partida.

“Temos de compactar mais, ficar mais perto um do outro e apertar a marcação para forçar o erro do adversário. Nosso meio campo às vezes ficava com um buraco”, analisou o treinador, que vem comandando a equipe B na Copa Paulista.

Ex-jogador – atuou como zagueiro na Ponte Preta, Palmeiras, Vasco e Portuguesa, entre outros –, Nenê não confirmou, mas pode fazer mudanças no meio, justamente para ver se consegue corrigir falhas de marcação e de posicionamento. 

Caso mexa na equipe, o volante Pirão é um dos candidatos a perder a vaga para Anselmo, que treinou entre os titulares. Outro que também pode perder espaço é Giancarlo, que não vem bem nas últimas rodadas. Jael pode reassumir o posto.

“Não defini ainda. Fiz só um treino e testei essa formação, mas não quer dizer que vou usá-la. Às vezes conseguimos corrigir apenas com uma boa conversa”, disse o interino.</CW>

Durante as instruções de posicionamento, o treinador passou mensagens de otimismo aos atletas. “Não é que não tinha confiança. É que quando o resultado não vem, gera desconfiança. É preciso que um confie no outro companheiro. Se estão aqui, é porque têm qualidade para vestir a camisa.”

O Boa Esporte, sexto colocado com 23 pontos, vem de derrota para o Paraná, por 3 a 1, e também busca a reabilitação no torneio. 

Para Danilo Bueno, equipe é boazinha com adversários 

O São Caetano tem sido muito bonzinho na marcação com os adversários, e por isso tem sofrido as consequências. A análise é de Danilo Bueno, que volta à equipe após cumprir suspensão contra o América-MG.

Segundo o meia, em alguns jogos o time poderia ter tido melhor sorte e recorresse às faltas em vez de deixar os adversários darem sequência às jogadas.

“Contra o Palmeiras, deixamos o Alan Kardec avançar e finalizar. Não estou dizendo que temos de ser violentos, mas é do jogo matar a jogada com falta.”

Danielo Bueno lamentou a saída de Marcelo Veiga, com quem havia trabalhado no Bragantino.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;