Fechar
Publicidade

Sábado, 28 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Morales quer comissões para processo antiestatização



04/08/2013 | 15:57


O presidente da Bolívia, Evo Morales, disse neste domingo que propôs ao ex-presidente brasileiro Luiz Inácio Lula da Silva (PT) a criação de comissões técnicas e jurídicas para auxiliar os governos socialistas da América Latina a prevenir problemas internacionais devido às suas políticas de estatização, chamadas por ele de "anti-imperialistas".

"Temos de começar a organizar esses conselhos econômicos e jurídicos com especialistas em temas internacionais que podem nos ajudar a lidar com esses processos que surgem porque nacionalizamos os serviços básicos, recursos naturais ou de telecomunicações", disse o presidente boliviano. Morales esteve reunido no sábado à noite na capital paulista com o ex-presidente Lula por cerca de 1h30, de acordo com assessoria do líder petista.

De acordo com Morales, os Estados sempre saem lesados em disputas envolvendo órgãos internacionais. "Nestas demandas nunca ganham os Estados, sempre ganham os privados", criticou. "Se nossos governos fracassarem em seus países, não poderemos seguir avançando", emendou, referindo-se aos governos de esquerda da região.

O presidente boliviano criticou os organismos e empresas transacionais que pedem segurança jurídica para investirem em seu país. "Eles me pedem segurança jurídica e política. Para mim, o mais importante é a segurança da pátria e do povo", afirmou.

Mesmo sem ser questionado, Morales justificou o fato de ter feito a proposta para criação de tais comissões ao ex-presidente Lula e não à atual presidente, Dilma Rousseff, devido à sua relação de confiança com ele. "Tenho muito respeito pelo companheiro Lula. Construímos uma confiança com sinceridade quando ele era presidente e eu candidato, em 2005. Temos muitas coincidências", afirmou. Morales ressaltou, entretanto, que mantém boa relação com Dilma.

O presidente boliviano chegou ao local onde o evento está sendo realizado, em um hotel na região central da capital, por volta das 11h30 e foi saudado com o canto "Evo, amigo, el pueblo está contigo".

Este é o 19º encontro do Foro de São Paulo, que reúne 91 organizações de 37 países da América Latina e Caribe. Ontem, Morales reuniu-se com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) para discutir a integração dos países latino-americanos no âmbito comercial e também político.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Morales quer comissões para processo antiestatização


04/08/2013 | 15:57


O presidente da Bolívia, Evo Morales, disse neste domingo que propôs ao ex-presidente brasileiro Luiz Inácio Lula da Silva (PT) a criação de comissões técnicas e jurídicas para auxiliar os governos socialistas da América Latina a prevenir problemas internacionais devido às suas políticas de estatização, chamadas por ele de "anti-imperialistas".

"Temos de começar a organizar esses conselhos econômicos e jurídicos com especialistas em temas internacionais que podem nos ajudar a lidar com esses processos que surgem porque nacionalizamos os serviços básicos, recursos naturais ou de telecomunicações", disse o presidente boliviano. Morales esteve reunido no sábado à noite na capital paulista com o ex-presidente Lula por cerca de 1h30, de acordo com assessoria do líder petista.

De acordo com Morales, os Estados sempre saem lesados em disputas envolvendo órgãos internacionais. "Nestas demandas nunca ganham os Estados, sempre ganham os privados", criticou. "Se nossos governos fracassarem em seus países, não poderemos seguir avançando", emendou, referindo-se aos governos de esquerda da região.

O presidente boliviano criticou os organismos e empresas transacionais que pedem segurança jurídica para investirem em seu país. "Eles me pedem segurança jurídica e política. Para mim, o mais importante é a segurança da pátria e do povo", afirmou.

Mesmo sem ser questionado, Morales justificou o fato de ter feito a proposta para criação de tais comissões ao ex-presidente Lula e não à atual presidente, Dilma Rousseff, devido à sua relação de confiança com ele. "Tenho muito respeito pelo companheiro Lula. Construímos uma confiança com sinceridade quando ele era presidente e eu candidato, em 2005. Temos muitas coincidências", afirmou. Morales ressaltou, entretanto, que mantém boa relação com Dilma.

O presidente boliviano chegou ao local onde o evento está sendo realizado, em um hotel na região central da capital, por volta das 11h30 e foi saudado com o canto "Evo, amigo, el pueblo está contigo".

Este é o 19º encontro do Foro de São Paulo, que reúne 91 organizações de 37 países da América Latina e Caribe. Ontem, Morales reuniu-se com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) para discutir a integração dos países latino-americanos no âmbito comercial e também político.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;