Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 19 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Fundação estuda abrir curso
de Medicina em S.Bernardo

Nario Barbosa/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Outras quatro instituições privadas de Ensino
Superior demonstraram interesse, diz Prefeitura


Thaís Moraes
Do Diário do Grande ABC

28/06/2013 | 07:00


A FUABC (Fundação do ABC) estuda abrir curso de Medicina em São Bernardo já em 2014. A decisão foi anunciada pelo presidente da entidade mantenedora da instituição, Maurício Mindrisz. “A Prefeitura manifestou interesse em formar médicos na cidade e queremos saber se podemos ser parceiros nisso. Acho possível ajudar devido ao conhecimento que temos da região.”

O curso em questão seria o segundo da fundação na refião, que mantém a FMABC (Faculdade de Medicina do ABC), em Santo André. São cerca de 600 estudantes matriculados na modalidade e cerca de 100 médicos formados por ano.

Na segunda-feira, presidência, professores e alunos da FMABC reuniram-se com a Secretaria de Saúde de São Bernardo para tratar do assunto. “É certo que nossa cidade terá pelo menos uma faculdade de Medicina e gostaríamos muito que fosse a Fundação, mas cabe a ela tomar a decisão. A necessidade da implantação do curso é uma decisão tomada pelo prefeito a pedido da população”, explicou o secretário da Pasta, Arthur Chioro.

Segundo o secretário, além da Fundação, mais quatro instituições de Ensino Superior já entraram em contato com a Prefeitura demonstrando interesse em abrir o curso. “O maior município do Grande ABC necessita do serviço e a nossa rede também, agora com o Hospital de Clínicas. É um prato cheio para essas instituições. O processo de validação da universidade com o MEC (Ministério da Educação) não depende da Prefeitura, mas esperamos que a faculdade já comece a pelo menos ser instalada no ano que vem. A iniciativa certamente ajudará muito na fixação de profissionais em São Bernardo”, observa.

A abertura de cursos voltados à área médica pelo País é uma das propostas do Ministério da Saúde para que a suposta falta de médicos seja suprida. Em março, o ministro Alexandre Padilha, em entrevista ao Diário, reconheceu que o Grande ABC tem potencial para a instalação de mais uma faculdade de Medicina. Atualmente o Brasil tem, em média, 1,8 médico para cada 1.000 habitantes, número inferior a países como Venezuela (1,9), México (2,4), Argentina (3,2) e Cuba (6).

O Brasil tem cerca de 388 mil médicos, 55% deles vinculados ao SUS (Sistema Único de Saúde). Os dados são do Cremesp (Conselho Regional de Medcina de São Paulo) e mostram que o Estado conta com 114 mil profissionais.

Alunos protestam contra iniciativa

Apesar da FUABC (Fundação do ABC) e a Prefeitura de São Bernardo terem objetivos comuns quanto à implementação de uma faculdade de Medicina no município, os futuros médicos que estudam na FMABC, em Santo André, não estam contentes com a possível parceria.

Na manhã de ontem, cerca de 350 alunos e professores do curso de Medicina paralisaram as aulas para protestar contra possível abertura do curso na cidade vizinha.

A presidente do diretório acadêmico do curso, Alexandra Messa Cirlinas, diz que a manifestação aconteceu porque os estudantes acreditam que não há necessidade de mais uma unidade na região. “Queremos mostrar que não é possível ter outro cursos se o de Santo André não tem infraestrutura e investimentos suficientes para o desenvolvimento do ensino”, explica.

Para resolver a questão, os estudantes acreditam que existam outros meios. “Se o argumento usado para abrir a unidade é a falta de médicos, basta abrir mais vagas e melhorar as condições para atender a demanda”, argumenta Alexandra.

Tanto o presidente da FUABC, Maurício Mindrisz, como o secretário de Saúde de São Bernardo, Arthur Chioro, estranharam a reação dos alunos. “O diretório acadêmico participou da reunião na segunda-feira e pediram apenas esclarecimentos na proposta”, contou Mindrisz.

Alunos informaram que manifestações poderão ocorrer novamente. (Drielly Gaspar)  



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Fundação estuda abrir curso
de Medicina em S.Bernardo

Outras quatro instituições privadas de Ensino
Superior demonstraram interesse, diz Prefeitura

Thaís Moraes
Do Diário do Grande ABC

28/06/2013 | 07:00


A FUABC (Fundação do ABC) estuda abrir curso de Medicina em São Bernardo já em 2014. A decisão foi anunciada pelo presidente da entidade mantenedora da instituição, Maurício Mindrisz. “A Prefeitura manifestou interesse em formar médicos na cidade e queremos saber se podemos ser parceiros nisso. Acho possível ajudar devido ao conhecimento que temos da região.”

O curso em questão seria o segundo da fundação na refião, que mantém a FMABC (Faculdade de Medicina do ABC), em Santo André. São cerca de 600 estudantes matriculados na modalidade e cerca de 100 médicos formados por ano.

Na segunda-feira, presidência, professores e alunos da FMABC reuniram-se com a Secretaria de Saúde de São Bernardo para tratar do assunto. “É certo que nossa cidade terá pelo menos uma faculdade de Medicina e gostaríamos muito que fosse a Fundação, mas cabe a ela tomar a decisão. A necessidade da implantação do curso é uma decisão tomada pelo prefeito a pedido da população”, explicou o secretário da Pasta, Arthur Chioro.

Segundo o secretário, além da Fundação, mais quatro instituições de Ensino Superior já entraram em contato com a Prefeitura demonstrando interesse em abrir o curso. “O maior município do Grande ABC necessita do serviço e a nossa rede também, agora com o Hospital de Clínicas. É um prato cheio para essas instituições. O processo de validação da universidade com o MEC (Ministério da Educação) não depende da Prefeitura, mas esperamos que a faculdade já comece a pelo menos ser instalada no ano que vem. A iniciativa certamente ajudará muito na fixação de profissionais em São Bernardo”, observa.

A abertura de cursos voltados à área médica pelo País é uma das propostas do Ministério da Saúde para que a suposta falta de médicos seja suprida. Em março, o ministro Alexandre Padilha, em entrevista ao Diário, reconheceu que o Grande ABC tem potencial para a instalação de mais uma faculdade de Medicina. Atualmente o Brasil tem, em média, 1,8 médico para cada 1.000 habitantes, número inferior a países como Venezuela (1,9), México (2,4), Argentina (3,2) e Cuba (6).

O Brasil tem cerca de 388 mil médicos, 55% deles vinculados ao SUS (Sistema Único de Saúde). Os dados são do Cremesp (Conselho Regional de Medcina de São Paulo) e mostram que o Estado conta com 114 mil profissionais.

Alunos protestam contra iniciativa

Apesar da FUABC (Fundação do ABC) e a Prefeitura de São Bernardo terem objetivos comuns quanto à implementação de uma faculdade de Medicina no município, os futuros médicos que estudam na FMABC, em Santo André, não estam contentes com a possível parceria.

Na manhã de ontem, cerca de 350 alunos e professores do curso de Medicina paralisaram as aulas para protestar contra possível abertura do curso na cidade vizinha.

A presidente do diretório acadêmico do curso, Alexandra Messa Cirlinas, diz que a manifestação aconteceu porque os estudantes acreditam que não há necessidade de mais uma unidade na região. “Queremos mostrar que não é possível ter outro cursos se o de Santo André não tem infraestrutura e investimentos suficientes para o desenvolvimento do ensino”, explica.

Para resolver a questão, os estudantes acreditam que existam outros meios. “Se o argumento usado para abrir a unidade é a falta de médicos, basta abrir mais vagas e melhorar as condições para atender a demanda”, argumenta Alexandra.

Tanto o presidente da FUABC, Maurício Mindrisz, como o secretário de Saúde de São Bernardo, Arthur Chioro, estranharam a reação dos alunos. “O diretório acadêmico participou da reunião na segunda-feira e pediram apenas esclarecimentos na proposta”, contou Mindrisz.

Alunos informaram que manifestações poderão ocorrer novamente. (Drielly Gaspar)  

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;