Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 9 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Ameaça de fim do plantão de vagas une secretários


Cristiane Bomfim
Do Diário do Grande ABC

05/09/2007 | 07:19


Os secretários de saúde das sete cidades do Grande ABC estão insatisfeitos com a suposta idéia da Secretaria de Estado de Saúde de extingüir o PCR (Plantão Controlador Regional). Eles acreditam que se isso ocorrer, o número de leitos nas UTIs (Unidades de Terapia Intensiva) destinados aos moradores da região diminuirá drasticamente.

O sistema funciona como uma central de vagas hospitalares da região e prioriza casos graves e de alta complexidade. A proposta do governo estadual – não confirmada oficialmente – seria centralizar o serviço na Capital (no Plantão Controlador Metropolitano). Com isso, os leitos do Grande ABC passariam a ser disputados pelos 39 municípios da Região Metropolitana.

“Ao invés de sermos atendidos, atenderemos. Além disso, mandar nossos pacientes para outras regiões é ineficiente”, reclama o secretário de Saúde de São Bernardo, Walter Cordoni. Nos últimos três meses, o PCR recusou 65,4%, dos 897 pedidos de leitos feitos pelos sete municípios (veja quadro acima).

“Se procurando leitos só na região temos problemas, imagina só quando isso for aberto para toda a Grande São Paulo”, indaga a secretária de Saúde de Santo André, Vânia Barbosa do Nascimento.

Contestação - Contrariando os números fornecidos pelos municípios, a Secretaria de Estado da Saúde garante que 99% dos pedidos foram aceitos pelo PCR no período. Exemplifica afirmando que o plantão recebeu em julho 137 solicitações e que todas foram atendidas. O número fornecido pelos municípios é bem maior: 318. Só 37,5% teriam sido aceitos.

De acordo com os secretários, houve duas reuniões em julho para discutir a extinção do PCR. Ocorreram no Consórcio Intermunicipal nos dias 3 e 25 e foram presididas pelo diretor regional de Saúde da Grande São Paulo, Edson Nakasone. “Ele não explicou como seria esta mudança. Mas há uma insistência para nos convencer”, afirma a secretária de Saúde de Mauá, Sandra Regina Vieira.

Nakasone, negou, via assessoria de imprensa, que as reuniões tenham sido para discutir a extinção do plantão. Os pedidos de entrevista foram recusados. “Essas reuniões têm ocorrido sim. Perder este órgão será um problema para a região”, afirma a diretora de Saúde de São Caetano, Regina Maura Zetone.

Controle - Um dos motivos alegados para a ineficiência da proposta é a perda do controle regional. “Com o PCR aqui, podemos diagnosticar nossas falhas e criar soluções. Os médicos daqui têm contatos para procurar vagas. Em São Caetano, 83% dos pedidos de UTI são recusados. Aí damos um jeito. Se com o PCR jé assim, ainda pior sem o plantão”, raciocina Regina.


Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;