Fechar
Publicidade

Sábado, 27 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Camelôs surgem quando fiscais somem


Isis Mastromano Correia
Do Diário do Grande ABC

22/01/2008 | 07:08


Depois das 18h, algumas ruas do Centro de Santo André não parecem os mesmos lugares para quem olhou nove horas antes. É no início da noite que os camelôs – a maioria não cadastrada pela Prefeitura – conseguem atuar sem a marcação cerrada da fiscalização.

O problema é que o atrito já não se restringe mais ao contato com os fiscais. O embate dos marreteiros, agora, ocorre também com os pedestres. DVDs, CDs, perfumes, artesanato, brinquedos, comida, roupas, bijuterias e outros produtos formam um imenso tapete sobre a calçada do ABC Plaza Shopping, na Avenida Industrial, um dos pontos mais críticos da região central.

Aqueles que não armam mesas ou tabuleiros estendem seus mostruários no chão. A passagem fica tomada desde o cruzamento da Rua Itambé até a entrada do estacionamento do shopping center, o que equivale a pelo menos 40 metros de obstáculos.

“Não sou contra as pessoas que querem trabalhar, mas tem noite que fica insuportável, não tem condição nenhuma de passar”, diz a estudante Maísa Lopes, 22 anos, moradora de Mauá. Para o analista de sistemas Eduardo Gomes Correa, 30 anos, de Santo André, o jeito é andar pela calçada do lado oposto ao centro de compras. “As pessoas não têm espaço para caminhar, vão se trombando para não tropeçar nas mercadorias”, conta.

SEM CONDIÇÕES - O supervisor do comércio informal da Craisa (Companhia Regional de Abastecimento Integrado de Santo André), Carlos Martins, diz que não há condições de manter uma fiscalização permanente e admite que as inspeções vem sendo insuficientes. O horário oficial de trabalho dos fiscais é das 9h às 18h.

“De vez em quando temos operações após às 18h, mas não é sempre, pois implica em hora extra de funcionário, acionamento da Polícia Militar e da Guarda Municipal”, explica Martins. Ele acredita que após a transferência dos camelôs cadastrados para o bulevar será mais fácil fiscalizar os irregulares.

“Estou aqui me arriscando, pois esses dias de chuva me prejudicaram”, disse ontem um vendedor de artesanato, o único em frente ao shopping no horário das 16h.

Outro ponto problemático é a calçada que faz frente com a estação da CPTM. À noite, o lugar é tomado principalmente por vendedores de alimentos.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;