Fechar
Publicidade

Sábado, 4 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

COE dá dicas de como sobreviver a uma trilha


Ana Macchi
Do Diário do Grande ABC

24/08/2002 | 18:29


Enfrentar horas de caminhadas, em condições de tempo nem sempre favoráveis, já é um grande desafio para leigos que se interessam em se aventurar por trilhas na Serra do Mar, a partir da Vila de Paranapiacaba, em Santo André. Atrativo, o programa pode virar problema caso não sejam tomadas algumas providências antecipadamente.

Nos caminhos que levam à cachoeira da Pedra Lisa e ao Poço das Moças, a trilha em ziguezague é original, ou seja, intocada, e a mais usada por praticantes experientes e leigos. Desgastada e bastante acidentada, na trilha existem várias clareiras onde as pessoas aproveitam para acampar (a prática é proibida) e acender fogueiras. No percurso, também nota-se a existência de trechos desmatados.

Segundo informações do COE (Comando de Operações Especiais) da Polícia Militar, são os próprios usuários que criam bifurcações no percurso que podem confundir trilheiros e levá-los para dentro da mata fechada. “Cerca de 70% dos casos de resgate de perdidos e acidentados acontece nas trilhas que partem do vilarejo. O problema dos percursos secundários é que, geralmente, não levam a lugar nenhum”, disse o capitão do COE Reinaldo Rossi. Ele afirmou que até junho deste ano o comando registrou 35 ocorrências e três mortes, sendo duas na Serra do Mar. “A maioria dos acidentes acontece por abuso de álcool, entorpecentes ou falta de planejamento do passeio”, afirmou.

Para o monitor Marco Antônio Maria, integrante do grupo de monitores de Paranapiacaba, na ausência de um instrutor, o melhor a fazer é sempre optar pelos caminhos de terra batida mais largos. “Aconselho também demarcar o caminho com fitilhos para que se torne mais difícil perder a noção de direção”, disse.

Ele explicou que o ideal é percorrer o caminho em grupo, com roupas confortáveis e sempre equipado com material de sobrevivência. Antes de sair, a pessoa deve ainda avisar a família e o COE. “É também aconselhável cronometrar o tempo. O de descida não deve ser muito menor do que o de subida. As pessoas devem chegar na trilha cedo (por volta das 7h) e sempre estar preparadas para enfrentar névoas e mudanças bruscas de tempo, que são bem comuns em Paranapiacaba”, afirmou o monitor. Na escolha por um monitor, o preço médio é de R$ 10 por pessoa.

São essas alterações de clima que também podem causar situações de hipotermia. “Na mochila, o trilheiro obrigatoriamente tem de levar uma roupa seca. À noite, antes de dormir, precisa colocar peças quentes. De dia pode andar sem problema com as roupas molhadas”, afirmou o capitão do COE.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;