Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 20 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Rio Grande da Serra é única cidade sem combate à dengue

Divulgação/ PMSA Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Prefeitura alega que Covid levou à reestruturação na Saúde; Santo André, São Bernardo, Diadema e Ribeirão Pires registram aumento de casos


Arthur Gandini
Especial para o Diário

12/11/2021 | 00:01


Rio Grande da Serra é a única cidade do Grande ABC sem ações organizadas de prevenção à disseminação do mosquito Aedes Aegypti. Será comemorado, no dia 19, o Dia Nacional de Combate à Dengue. Em nota, a administração informou “que todos os esforços do município foram voltados para combater a pandemia de Covid-19. Por essa razão, a pasta está reestruturando as ações de combate”. A Prefeitura afirma que não foram registrados casos de dengue no mês passado, assim como em outubro de 2020.

O Diário questionou as administrações das demais cidades da região sobre a incidência da doença e ações de combate à dengue. Santo André, São Bernardo, Diadema e Ribeirão Pires registraram aumento do número de casos.
 Em Santo André, de janeiro de 2020 em comparação com o mesmo período deste ano, o total subiu de 40 para 110. Em São Bernardo, o número aumentou de 69 para 212 casos. Em Diadema, o registro saltou de 20 para 213 confirmações. São Caetano informou que em outubro de 2020 não foi registrado nenhum caso. Já em outubro deste ano há um caso a ser confirmado. A Prefeitura de Mauá não forneceu dados.

A administração de Santo André conduz semana de mobilização contra a dengue. Ontem e na quarta-feira, por exemplo, foram realizadas ações educativas em escolas e comunidades. O calçadão da Rua Coronel Oliveira Lima vai contar hoje com uma tenda com profissionais da vigilância. Os andreenses que passarem pelo local terão a oportunidade de aprender medidas de prevenção, sintomas característicos das doenças e o ciclo evolutivo do mosquito. Já em São Bernardo, no dia 27, o estacionamento superior do Ginásio Poliesportivo da Avenida Kennedy será palco de ações de conscientização.

São Caetano, por sua vez, tem promovido campanha informativa nas redes sociais. Agentes públicos têm buscado e eliminado criadouros do mosquito na cidade, além de retirar resíduos em via pública que possam acumular água. A administração afirma que escolas municipais contaram com palestras sobre o tema. A Prefeitura de Diadema afirma que prepara campanha municipal de intensificação das ações de combate, ressaltou ações educativas nesta semana em unidades de saúde e escolas municipais, além das visitas em casas de moradores por agentes de fiscalização.

Mauá também reforçou a fiscalização das residências, o trabalho de zeladoria e campanhas de conscientização em unidades de saúde. A Prefeitura de Ribeirão Pires ainda realiza até amanhã panfletagens em suas ruas sobre o tema.
 
Coronavírus

Especialistas dizem que a mobilização de recursos para combater a Covid-19 tem afetado outras campanhas da área da saúde . “Afetou não só no caso da vigilância, mas na falta de manutenção de rotinas importantes”, avalia Carlos Peçanha, mestre em saúde pública e diretor técnico da Rentokil, empresa especializada em controle de pragas.

Amélia dos Santos, bióloga e membro da Câmara Técnica de Resíduos Sólidos da ABES-SP (Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental), lembra que é importante que a população faça a adesão às campanhas de conscientização. “As pessoas devem cuidar tanto dos quintais quanto dentro de casa, extinguindo qualquer possível foco (do mosquito)”, lembra.

Daniela Queiroz, epidemiologista e coordenadora da empresa de biotecnologia Forrest, lembra que a pandemia também trouxe dificuldades para o trabalho de fiscalização em residências. O Ministério da Saúde, por meio de nota informativa, recomendou que as visitas não fossem feitas no caso de moradores com mais de 60 anos. “Essa pausa nas visitas representou um deficit nos dados sobre o controle vetorial, bem como os níveis de infestação do Aedes Aegypti”, opina.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;