Fechar
Publicidade

Domingo, 5 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

esportes@dgabc.com.br | 4435-8384

Rebeca Andrade fica em sexto na trave e encerra participação histórica no Mundial

Reprodução/Twitter Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


24/10/2021 | 08:50


Um dia após fazer história ao conquistar uma medalha de ouro no salto e uma de prata nas barras assimétricas no Mundial de Ginástica, Rebeca Andrade disputou a final da trave neste domingo, em Kitakyushu, no Japão, e terminou em sexto lugar, com 12,500 pontos. Após cair logo no início da apresentação, ela conseguiu se recuperar, mas a queda tirou suas chances de brigar por mais uma medalha.

Além da brasileira, outras cinco de um total de nove finalistas sofreram quedas, e as três que não caíram formaram o pódio. A japonesa Urara Ashikawa fez 14,200 pontos e levou o ouro para casa, enquanto a alemã Pauline Schäfer ficou com a prata, ao somar 13,800, e a japonesa Mai Murakimi teve 13,733 de pontuação para ganhar o bronze.

Mesmo sem estar entre as três primeiras colocadas na trave, Rebeca ficou satisfeita, até porque não era apontada como favorita. De qualquer forma, teve a melhor colocação de uma brasileira no aparelho em disputas de mundiais, igualando o feito de Flávia Saraiva, sexta colocada na edição de Stuttgart, em 2019.

"Na ginástica, tudo pode acontecer, tanto o acerto excepcional, quanto o erro que a gente não quer. Mas a gente tem que seguir com a cabeça firme, seguir com a série segura, porque faz muita diferença. Mesmo com queda, você pode terminar em uma colocação boa. Terminei em sexto, e estou muito feliz. Em um aparelho que tenho mais insegurança e consegui pegar a final, consegui me apresentar bem. Estou bem feliz com tudo que fiz aqui, inclusive a série da final da trave", disse Rebeca em entrevista ao canal SporTV.

Assim, a ginasta de 22 anos deixa o Japão, onde já havia feito história ao conquistar duas medalhas na Olimpíada, consagrada como um dos maiores nomes do esporte brasileiro na atualidade. A medalha de ouro conquistada no sábado, na disputa do salto, foi a primeira dela em um Mundial. Depois, quando conquistou a prata nas barras paralelas, tornou-se a primeira brasileira a conseguir duas medalhas no mesmo Mundial.

Neste domingo, o Brasil também foi reapresentado por Caio Souza, que participou da final das paralelas. Ele fez 14,566 pontos e se despediu da disputa com a sétima colocação. A prova teve Hu Xuwei em primeiro lugar e Shi Cong em segundo, ambos chineses, seguidos pelo filipino Carlos Yulo.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;