Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 24 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Cidades da região descartam retorno integral às escolas

Celso Luiz/ DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Governo do Estado anunciou o fim do ensino remoto em colégios estaduais a partir de segunda; prefeituras têm autonomia para decidir


Arthur Gandini
Especial para o Diário

14/10/2021 | 05:21


Mauá e Rio Grande da Serra vão contrariar a determinação do governo do Estado sobre o retorno total dos alunos às escolas municipais. Diadema deve anunciar posição sobre o tema até sábado. Já São Caetano e Ribeirão Pires disseram que vão aguardar a publicação das novas diretrizes no Diário Oficial do Estado antes de tomar decisão. O governador João Doria (PSDB) anunciou ontem que as aulas presenciais nas escolas estaduais e particulares terão o retorno de 100% dos alunos na próxima segunda-feira. A determinação também tem validade para os colégios municipais, mas as prefeituras têm autonomia para adiar o retorno.

As escolas municipais de Mauá têm recebido, atualmente, os alunos em forma de revezamento com o percentual máximo de 35% de presença. A Prefeitura não informou se há previsão de quando ocorrerá o retorno total. Rio Grande da Serra opera em regime parcial desde o dia e não planeja o retorno de 100% dos alunos neste ano. Crianças de 4 anos tem tido aulas às segundas e quartas-feiras, enquanto as de 5 anos, às terças e quintas-feiras.

Diadema tem atendido 50% dos seus estudantes em regime presencial. São Caetano, por sua vez, apenas informou que “algumas unidades escolares já contam com 100% da frequência presencial, mas ainda há escolas municipais com alunos em ensino remoto”. Ribeirão Pires conta com o sistema híbrido em toda a rede, exceto para crianças com idade abaixo de 2 anos, no berçário 1. A previsão é a de que elas retornam gradualmente ao ambiente físico a partir do dia 20. Santo André e São Bernardo irão seguir a orientação do Estado e todos os seus alunos devem retornar às escolas na segunda-feira. Santo André hoje opera com aulas presenciais em quatro dias da semana e São Bernardo já havia autorizado o retorno total em 2 de agosto.

O governo estadual determinou que os protocolos sanitários devem ser mantidos nas escolas somente até o fim de outubro, a exemplo do distanciamento de um metro entre os alunos. A gestão aposta no dado de que 97% dos profissionais de educação do Estado estão com o esquema vacinal completo. Além disso, 90% dos adolescentes de 12 a 17 anos já tomaram a primeira dose da vacina contra a Covid. O governo afirma que o retorno tem respaldo do Comitê Científico do Estado.

Para Marta Pasquali, pedagoga do Centro Universitário Salesiano São Paulo, a escolas deveriam ter tido mais tempo para planejar a mudança. Contudo, o retorno deve ser positivo para a saúde mental dos jovens. “É importante considerar as pessoas que estão abaladas, uma vez que o isolamento proporcionou vivências traumáticas a muitos estudantes.Importante seria que as escolas oferecessem atendimento psicológico aos que se mostrarem fragilizados”, orienta.

MÃES QUEREM ESPERAR

O Diário ouviu mães de alunos da região sobre o anúncio do governo e todas afirmaram que gostariam de adiar o retorno aos colégios. Uma delas é a cabeleireira Vanessa Bernades, 33, com dois filhos em ensino remoto na EE (Escola Estadual) Ana Maria Poppovic, em Diadema. Ela afirma que eles se adaptaram às aulas em casa e que é contra o retorno. “Um absurdo. Faltam apenas dois meses para o fim do ano letivo. O meu filho (de 14 anos) tomou apenas a primeira dose da vacina e a segunda esta agendada para o fim de novembro. A minha filha de 11 anos não tomou nenhuma", critica.

A vendedora Crislaine Costa, 33, também diz ser contrária. Ela é mãe de um jovem de 6 anos, aluno do Sesi (Serviço Social da Indústria) em Mauá. Ela reclama que o filho ainda não está vacinado. “Eles (os alunos) não irão manter o distanciamento, isso me preocupa muito”, afirma.

Outra mãe que gostaria que o ano letivo fosse encerrado no sistema híbrido é a psicóloga Ivani Batista, 40. Ela conta que seu filho de 15 anos tem ido às aulas presenciais em semanas intercaladas na EE Anecondes Alves Ferreira, em Diadema. “A volta à escola foi um momento de muita ansiedade para ele, pois ele gostam de estudar presencial”, conta. 



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;