Fechar
Publicidade

Sábado, 4 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Mauá é a primeira cidade da região com caso confirmado da variante delta

Divulgação  Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Cepa é considerada de atenção pelas autoridades sanitárias devido a possibilidade de aumento de transmissibilidade ou gravidade de infecção


Daniel Tossato
Do Diário do Grande ABC

09/09/2021 | 16:42


Atualizada às 22h53

O governo do Estado de São Paulo, por meio da Secretaria de Saúde, detectou o primeiro caso confirmado da variante delta da Covid-19 no Grande ABC. Trata-se de um morador de Mauá, que não teve a idade revelada nem qual é o seu estado de saúde.

O Diário teve acesso a documento da Secretaria Estadual de Saúde que reúne todos os municípios em que há casos confirmados de variante delta do novo coronavírus. A cepa é considerada de atenção pelas autoridades sanitárias devido a possibilidade de aumento de transmissibilidade ou gravidade de infecção.
Conforme o Estado, o CVE (Centro de Vigilância Epidemiológica) identificou, até 8 de setembro, três casos autóctones da variante beta (identificada pela primeira vez na África do Sul), 36 da alpha (originária do Reino Unido), 1.409 da delta (descoberta na Índia) e 2.050 da variante gamma (identificada em Manaus).

De acordo com o levantamento da Secretaria Estadual de Saúde, a Capital é a cidade com maior número de casos identificados da variante delta, com 405, seguida de Itapevi, com 26. No total, 85 cidades constam na lista.

Conforme o professor da FMABC (Faculdade de Medicina do ABC) e médico infectologista Olavo Leite, a variante delta traz preocupação por ter alta transmissibilidade, mas que seu controle pode ser feito por meio da vacinação da população. Para o especialista, quanto mais pessoas imunizadas, menor é a chance da variante ser transmitida.

“Claro que a variante delta traz preocupação e liga um alarme, mas acredito que há dois pontos a serem seguidos a fim de evitar a transmissão da cepa: intensificar a vacinação, principalmente de pessoas que ainda não receberam nem a primeira dose e reforçar as medidas de distanciamento”, declarou o infectologista.

A variante delta se tornou a dominante no Estado do Rio de Janeiro. Dos casos analisados pela SVAPS (Subsecretaria de Vigilância e Atenção Primária à Saúde), 89,1% das amostras eram desta cepa. O restante das amostras, 10,8% eram da variante gamma. Foram coletadas e analisadas 370 amostras entre os dias 4 e 16 de agosto deste ano.

Em Mauá, desde o início da pandemia 33.692 já foram infectados pela Covid-19. Destes, 1.515 perderam à vida para o novo coronavírus, o que equivale a 4,5%. O município foi pioneiro em elaborar projeto de carro da vacinação, espécie de posto itinerante que percorre a cidade para imunizar os moradores.

A Prefeitura, entretanto, informou que a informação do Estado está errada e que foi avisada pelo CVE  de que o caso apontado para a cidade seria, na verdade, de Franco da Rocha. O Diário questionou o governo do Estado, que ratificou a informação de que o caso é de Mauá, mas esclareceu que possíveis correções podem acontecer. “Todo caso delta, assim como variantes de atenção, é notificado ao município de origem, passa por investigação das equipes técnicas e eventuais atualizações podem ocorrer se e quando necessário”, declarou o Estado, por meio de nota.

DPU questiona vacinação na cidade

A DPU (Defensoria Pública da União) notificou, ontem, a Prefeitura de Mauá sobre as estratégias adotadas pelo Executivo na vacinação contra a Covid na cidade. O órgão atendeu a pedido de munícipes que alegam que a administração não é transparente na divulgação dos dados relacionados à vacinação. A DPU destaca que a Prefeitura teria divulgado dados inverídicos nas redes sociais.

 “Chegou ao conhecimento desta Defensoria, através de relatos de munícipes, inquietações descrevendo a falta de transparência da Prefeitura de Mauá em relação aos dados da vacinação e também questionando o plano de vacinação da cidade. Relatou-se a divulgação de dados inverídicos através das redes sociais da Prefeitura em relação a porcentagem de vacinados e a quantidade de doses de vacinas contra a Covid recebidas pelo município”, alega a entidade em documento assinado pelo defensor público federal João Paulo Dorini. 

 A DPU elaborou quatro questionamentos enviados à Secretaria de Saúde da cidade e deu prazo de cinco dias para que a administração responda. Dentre as perguntas, a entidade quer saber qual é o exato número de pessoas acima de 18 anos que já foram imunizadas, além de informações sobre o plano de vacinação e políticas públicas para a proteção da população de rua, baixa renda e das periferias.

 O documento elaborado pela Defensoria leva em consideração dados compartilhados pelo munícipe Mateus Prado, que atua como educador e que alega que a administração tem falhado em vacinar, principalmente, a camada mais pobre da cidade. “A política aplicada por Mauá, na vacinação, não considera a territorialidade. E nega a própria ciência”, sustenta o morador.

 “Recebemos com surpresa o ofício da DPU, tendo em vista o avanço da vacinação na cidade e as quedas nos índices relacionados à Covid – temos apenas quatro pessoas ocupando leitos de UTI (Unidade de Terapia Intensiava) pela infecção. Todos os esclarecimentos serão prestados no prazo solicitado”, afirmou a Prefeitura, em nota. 



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;