Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 22 de Setembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Esportes

esportes@dgabc.com.br | 4435-8384

Como conhecimento da Baía de Guanabara ajudou Martine e Kahena no bi em Tóquio



04/08/2021 | 00:19


O bicampeonato olímpico da vela na classe 49er FX conquistado pela dupla Martine Grael e Kahena Kunze nesta terça-feira nos Jogos Olímpicos de Tóquio-2020, em águas japonesas veio também graças à Baía de Guanabara, onde há cinco anos as duas já haviam se consagrado. Como a própria Martine afirmou, o conhecimento que adquiriu desde cedo sobre a movimentação dos ventos e da maré no quintal de casa - que mudam com frequência - foi decisivo para que ela traçasse junto com Kahena a tática vitoriosa no outro lado do mundo.

"Antes da nossa competição eu dei uma passada lá no píer e percebi que havia uma diferença de corrente. Como sou de Niterói, estou acostumada com isso na Baía de Guanabara. Então conseguimos fazer uma largada mais livre pela direita e deu tudo certo", vibrou Martine após a conquista do segundo ouro olímpico.

O Estadão entrou em contato com a técnica da dupla, Martha Rocha Lobo, que explicou como o conhecimento sobre a Baía de Guanabara ajudou Martine e Kahena a navegarem para o título nas águas do Yatch Club de Enoshima, que fica a pouco mais de 50 quilômetros de Tóquio.

Segundo ela, o estudo das condições do mar feito um pouco antes da prova acabou sendo fundamental. "Na vela há muitas variáveis a se analisar na hora de tomar decisões na regata, e muitas dessas decisões são tomadas antes mesmo da largada - não só a intensidade e as mudanças de vento, mas também a maré. Saber onde está a maré mais forte, pra que lado ela está correndo, isso tudo influencia no andamento do barco", comentou Martinha, como a técnica é conhecida.

Mudanças desse tipo são comuns na Baía de Guanabara, local que a dupla de velejadoras conhece como poucos. "A Martine é bastante acostumada a ler maré. Uma das habilidades dela, um dos talentos dela, é lidar com essas alterações da natureza, do vento e do mar. Ela conseguiu enxergar essa alteração de maré, e antes mesmo da largada ela já se posicionou para que pudesse cumprir taticamente um posicionamento favorável em relação a essa maré", pontuou a técnica.

"Quando elas velejaram logo depois da largada um pouco mais pra direita, elas conseguiram ficar livres do resto do pessoal, sem interferência de outros barcos, e o barco adquiriu mais velocidade", explicou Martinha. "Isso tudo colaborou para dar tudo certo nesse tão sonhado bicampeonato olímpico."



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;