Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 12 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Diante de quadro, Tite sustenta economia de R$ 93 mi no ano

DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Prefeito de S.Caetano cita contingenciamento de 6% linear adotado em todas as secretarias


Fábio Martins
Do Diário do Grande ABC

17/04/2021 | 00:54


Diante de quadro adverso de crise sanitária, o prefeito de São Caetano, Tite Campanella (Cidadania), projetou que o governo irá economizar o valor de R$ 93 milhões no ano a partir da adoção de medidas de contenção. Entre os procedimentos, desde janeiro, segundo o chefe do Executivo, contingenciamento orçamentário de 6% linear em todas as secretarias municipais, além da revisão de contratos e corte de pessoal. “Essas ações deram economia bastante substancial. Algo em torno de R$ 60 milhões projetados com ajuste de contratos e demissões, mais R$ 30 milhões em outras medidas.”

São Caetano tem orçamento estimado de R$ 1,1 bilhão para o exercício vigente. Tite relatou que as ações passam por comitê de controle permanente, embora, apesar da pandemia de Covid-19, não haja queda de arrecadação na cidade – o período do primeiro trimestre é quando entra maior fatia da receita, incluindo tributos municipais, como IPTU (Imposto Predial e Territorial Urbano) e parte do IPVA (Imposto sobre Propriedade de Veículos Automotores). “(Arrecadação) Manteve-se estável. E agora não tem mais gordura para enxugar, se cortar é no músculo. Temos que tomar cuidado para não atrapalhar, não podem faltar recursos para serviços, veículos, enfermeiros, médicos”, disse.

Eleito vereador e, posteriormente, presidente do Legislativo, Tite exerce o cargo de comando do Palácio da Cerâmica frente ao impasse com o ex-prefeito José Auricchio Júnior (PSDB), que ainda tenta reverter situação na Justiça Eleitoral. Para ele, “não tem o que fazer neste momento a não ser aguardar a Justiça”. “Temos plano de governo a ser seguido, um Norte. Das premissas primeiro Covid, equilíbrio fiscal e a partir disto fazer as outras ações. Não há mágica, até ter a definição. A partir do momento que tem previsão, Auricchio volta para a cadeira e eu retorno à Câmara. Agora, se ele não volta, a gente provoca a Justiça. Até quando fico aqui? Vai ter (nova) eleição? Só a partir desta etapa é que iremos pensar nisso. É muita gente pensando em eleição fora de hora.”

Questionado, Tite falou sobre a sua nova logomarca institucional, que o ‘estampa’ como prefeito, sem a descrição de prefeito em exercício, como era mencionado anteriormente nos materiais da Prefeitura. Filho do ex-prefeito Anacleto Campanella, que, inclusive, deu o mesmo nome a seu caçula, ele admitiu que a equipe de comunicação sugeriu a mudança, uma vez que a população não o reconhecia na condição de chefe do Paço. “Estou ocupando papel de prefeito, sou tranquilo quanto a isso. Minha cara é essa: sou muito leal, muito econômico, respeito pela coisa pública. É isso o que temos feito nesse período: ajuste fiscal rigoroso, cobrando dos secretários o mesmo rigor nos contratos, licitações e executar aquilo que está em andamento, obras, projetos e programas.” 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Diante de quadro, Tite sustenta economia de R$ 93 mi no ano

Prefeito de S.Caetano cita contingenciamento de 6% linear adotado em todas as secretarias

Fábio Martins
Do Diário do Grande ABC

17/04/2021 | 00:54


Diante de quadro adverso de crise sanitária, o prefeito de São Caetano, Tite Campanella (Cidadania), projetou que o governo irá economizar o valor de R$ 93 milhões no ano a partir da adoção de medidas de contenção. Entre os procedimentos, desde janeiro, segundo o chefe do Executivo, contingenciamento orçamentário de 6% linear em todas as secretarias municipais, além da revisão de contratos e corte de pessoal. “Essas ações deram economia bastante substancial. Algo em torno de R$ 60 milhões projetados com ajuste de contratos e demissões, mais R$ 30 milhões em outras medidas.”

São Caetano tem orçamento estimado de R$ 1,1 bilhão para o exercício vigente. Tite relatou que as ações passam por comitê de controle permanente, embora, apesar da pandemia de Covid-19, não haja queda de arrecadação na cidade – o período do primeiro trimestre é quando entra maior fatia da receita, incluindo tributos municipais, como IPTU (Imposto Predial e Territorial Urbano) e parte do IPVA (Imposto sobre Propriedade de Veículos Automotores). “(Arrecadação) Manteve-se estável. E agora não tem mais gordura para enxugar, se cortar é no músculo. Temos que tomar cuidado para não atrapalhar, não podem faltar recursos para serviços, veículos, enfermeiros, médicos”, disse.

Eleito vereador e, posteriormente, presidente do Legislativo, Tite exerce o cargo de comando do Palácio da Cerâmica frente ao impasse com o ex-prefeito José Auricchio Júnior (PSDB), que ainda tenta reverter situação na Justiça Eleitoral. Para ele, “não tem o que fazer neste momento a não ser aguardar a Justiça”. “Temos plano de governo a ser seguido, um Norte. Das premissas primeiro Covid, equilíbrio fiscal e a partir disto fazer as outras ações. Não há mágica, até ter a definição. A partir do momento que tem previsão, Auricchio volta para a cadeira e eu retorno à Câmara. Agora, se ele não volta, a gente provoca a Justiça. Até quando fico aqui? Vai ter (nova) eleição? Só a partir desta etapa é que iremos pensar nisso. É muita gente pensando em eleição fora de hora.”

Questionado, Tite falou sobre a sua nova logomarca institucional, que o ‘estampa’ como prefeito, sem a descrição de prefeito em exercício, como era mencionado anteriormente nos materiais da Prefeitura. Filho do ex-prefeito Anacleto Campanella, que, inclusive, deu o mesmo nome a seu caçula, ele admitiu que a equipe de comunicação sugeriu a mudança, uma vez que a população não o reconhecia na condição de chefe do Paço. “Estou ocupando papel de prefeito, sou tranquilo quanto a isso. Minha cara é essa: sou muito leal, muito econômico, respeito pela coisa pública. É isso o que temos feito nesse período: ajuste fiscal rigoroso, cobrando dos secretários o mesmo rigor nos contratos, licitações e executar aquilo que está em andamento, obras, projetos e programas.” 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;