Fechar
Publicidade

Domingo, 28 de Fevereiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Doria vê 'afronta' de Bolsonaro com Estado

Denis Maciel/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


23/01/2021 | 07:26


O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), afirmou ser "afrontoso" o modo como a gestão do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) vem atuando para paralisar ou atrasar obras de infraestrutura planejadas pelo Estado e que dependem de aval ou recursos do governo Federal. Doria disse que vai "agir" diante do cenário, sem dar detalhes.

"É afrontoso um presidente da República romper o pacto federativo e assumir publicamente que orientou ministros do seu governo a boicotarem São Paulo. Nós não ficaremos emudecidos nem intimidados com isso. Vamos agir", afirmou o governador, ao término da entrevista coletiva em que deu detalhes sobre o endurecimento das regras de quarentena no Estado contra o coronavírus.

Como mostrou o Estadão, obras de mobilidade e saneamento traçadas por São Paulo, que dependiam de acordo com Brasília para serem viabilizadas, estão no papel, como a ponte entre Santos e Guarujá e o piscinão de Jaboticabal, entre a capital e as cidades do ABC. O Estadão revelou também que Bolsonaro deu ordem para que os ministros não atendam a nenhum pedido do tucano.

Doria não detalhou como seria essa "ação" contra Bolsonaro, mas auxiliares não descartam até medidas judiciais.

''''Reação''''

Na semana passada, o governador paulista conclamou a população a uma "reação" contra o governo Bolsonaro, após as mortes por asfixia no Amazonas por falta de tubos de oxigênio para pacientes com covid-19. O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM), esteve quinta (14) e sexta-feira (15) da semana passada no Palácio dos Bandeirantes articulando, com o vice-governador Rodrigo Garcia, a campanha de Baleia Rossi (MDB) para a presidência da Câmara, contra o adversário apoiado pelo presidente, Arthur Lira (Progressistas-AL). A vitória na disputa é crucial para Bolsonaro, no momento em que o tema impeachment passa a ser discutido com cada vez mais intensidade na sociedade.

Procurado, o Palácio do Planalto não havia se manifestado até a conclusão desta edição.

Ontem, Doria voltou a cobrar empenho federal para a oferta de mais vacinas contra o novo coronavírus. As únicas doses que já haviam sido aplicadas no País foram fornecidas pelos paulistas após entendimento do Instituto Butantan com o laboratório chinês Sinovac.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Doria vê 'afronta' de Bolsonaro com Estado


23/01/2021 | 07:26


O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), afirmou ser "afrontoso" o modo como a gestão do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) vem atuando para paralisar ou atrasar obras de infraestrutura planejadas pelo Estado e que dependem de aval ou recursos do governo Federal. Doria disse que vai "agir" diante do cenário, sem dar detalhes.

"É afrontoso um presidente da República romper o pacto federativo e assumir publicamente que orientou ministros do seu governo a boicotarem São Paulo. Nós não ficaremos emudecidos nem intimidados com isso. Vamos agir", afirmou o governador, ao término da entrevista coletiva em que deu detalhes sobre o endurecimento das regras de quarentena no Estado contra o coronavírus.

Como mostrou o Estadão, obras de mobilidade e saneamento traçadas por São Paulo, que dependiam de acordo com Brasília para serem viabilizadas, estão no papel, como a ponte entre Santos e Guarujá e o piscinão de Jaboticabal, entre a capital e as cidades do ABC. O Estadão revelou também que Bolsonaro deu ordem para que os ministros não atendam a nenhum pedido do tucano.

Doria não detalhou como seria essa "ação" contra Bolsonaro, mas auxiliares não descartam até medidas judiciais.

''''Reação''''

Na semana passada, o governador paulista conclamou a população a uma "reação" contra o governo Bolsonaro, após as mortes por asfixia no Amazonas por falta de tubos de oxigênio para pacientes com covid-19. O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM), esteve quinta (14) e sexta-feira (15) da semana passada no Palácio dos Bandeirantes articulando, com o vice-governador Rodrigo Garcia, a campanha de Baleia Rossi (MDB) para a presidência da Câmara, contra o adversário apoiado pelo presidente, Arthur Lira (Progressistas-AL). A vitória na disputa é crucial para Bolsonaro, no momento em que o tema impeachment passa a ser discutido com cada vez mais intensidade na sociedade.

Procurado, o Palácio do Planalto não havia se manifestado até a conclusão desta edição.

Ontem, Doria voltou a cobrar empenho federal para a oferta de mais vacinas contra o novo coronavírus. As únicas doses que já haviam sido aplicadas no País foram fornecidas pelos paulistas após entendimento do Instituto Butantan com o laboratório chinês Sinovac.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;